Textos de Escritores Famosos

Cerca de 93 textos de Escritores Famosos

MANIAS DOS ESCRITORES




O escritor Wolfgang Von Goethe escrevia em pé. Ele mantinha em sua casa uma escrivaninha alta.


O escritor Pedro Nava parafusava os móveis de sua casa a fim que ninguém o tirasse do lugar.


Gilberto Freyre nunca manuseou aparelhos eletrônicos. Não sabia ligar sequer uma televisão. Todas as obras foram escritas a bico-de-pena, como o mais extenso de seus livros, Ordem e Progresso, de 703 páginas.


Euclides da Cunha, Superintendente de Obras Públicas de São Paulo, foi engenheiro responsável pela construção de uma ponte em São José do Rio Pardo (SP). A obra demorou três anos para ficar pronta e, alguns meses depois de inaugurada, a ponte simplesmente ruiu. Ele não se deu por vencido e a reconstruiu. Mas, por via das dúvidas, abandonou a carreira de engenheiro.


Machado de Assis, nosso grande escritor, ultrapassou tanto as barreiras sociais bem como físicas. Machado teve uma infância sofrida pela pobreza e ainda era míope, gago e sofria de epilepsia. Enquanto escrevia Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado foi acometido por uma de suas piores crises intestinais, com complicações para sua frágil visão. Os médicos recomendaram três meses de descanso em Petrópolis. Sem poder ler nem redigir, ditou grande parte do romance
para a esposa, Carolina.


Graciliano Ramos era ateu convicto, mas tinha uma Bíblia na cabeceira só para apreciar os ensinamentos e os elementos de retórica. Por insistência da sogra, casou na igreja com Maria Augusta, católica fervorosa, mas exigiu que a cerimônia ficasse restrita aos pais do casal. No segundo casamento, com Heloísa, evitou transtornos: casou logo no religioso.


Aluísio de Azevedo tinha o hábito de, antes de escrever seus romances, desenhar e pintar, sobre papelão, as personagens principais mantendo-as em sua mesa de trabalho, enquanto escrevia.


José Lins do Rego era fanático por futebol. Foi diretor do Flamengo, do Rio, e chegou a chefiar a delegação brasileira no Campeonato Sul-Americano, em 1953.


Aos dezessete anos, Carlos Drummond de Andrade foi expulso do Colégio Anchieta, em Nova Friburgo (RJ), depois de um desentendimento com o professor de português. Imitava com perfeição a assinatura dos outros. Falsificou a do chefe durante anos para lhe poupar trabalho. Ninguém notou. Tinha a mania de picotar papel e tecidos. "Se não fizer isso, saio matando gente pela rua". Estraçalhou uma camisa nova em folha do neto. "Experimentei, ficou apertada, achei que tinha comprado o número errado. Mas não se impressione, amanhã lhe dou outra igualzinha."


Numa das viagens a Portugal, Cecília Meireles marcou um encontro com o poeta Fernando Pessoa no café A Brasileira, em Lisboa. Sentou-se ao meio-dia e esperou em vão até as duas horas da tarde. Decepcionada, voltou para o hotel, onde recebeu um livro autografado pelo autor lusitano. Junto com o exemplar, a explicação para o "furo": Fernando Pessoa tinha lido seu horóscopo pela manhã e concluído que não era um bom dia para o encontro.



Érico Veríssimo era quase tão taciturno quanto o filho Luís Fernando, também escritor. Numa viagem de trem a Cruz Alta, Érico fez uma pergunta que o filho respondeu quatro horas depois, quando chegavam à estação final.


Clarice Lispector era solitária e tinha crises de insônia. Ligava para os amigos e dizia coisas perturbadoras. Imprevisível, era comum ser convidada para jantar e ir embora antes de a comida ser servida.


Monteiro Lobato adorava café com farinha de milho, rapadura e içá torrado (a bolinha traseira da formiga tanajura), além de Biotônico Fontoura. "Para ele, era licor", diverte-se Joyce, a neta do escritor. Também tinha mania de consertar tudo. "Mas para arrumar uma coisa, sempre quebrava outra."


Manuel Bandeira sempre se gabou de um encontro com Machado de Assis, aos dez anos, numa viagem de trem. Puxou conversa: "O senhor gosta de Camões?" Bandeira recitou uma oitava de Os Lusíadas que o mestre não lembrava. Na velhice, confessou: era mentira. Tinha inventado a história para impressionar os amigos. Foi escoteiro dos nove aos treze anos. Nadador do Minas Tênis Clube, ganhou o título de campeão mineiro em 1939, no estilo costas.


Guimarães Rosa, médico recém-formado, trabalhou em lugarejos que não constavam no mapa. Cavalgava a noite inteira para atender a pacientes que viviam em longínquas fazendas. As consultas eram pagas com bolo, pudim, galinha e ovos. Sentia-se culpado quando os pacientes morriam. Acabou abandonando a profissão. "Não tinha vocação. Quase desmaiava ao ver sangue", conta Agnes, a filha mais nova.


Mário de Andrade provocava ciúmes no antropólogo Lévi-Strauss porque era muito amigo da mulher dele, Dina. Só depois da morte de Mário, o francês descobriu que se preocupava em vão. O escritor era homossexual.

Vinicius de Moraes, casado com Lila Bosco, no início dos anos 50, morava num minúsculo apartamento em Copacabana. Não tinha geladeira. Para agüentar o calor, chupava uma bala de hortelã e, em seguida, bebia um copo de água para ter sensação refrescante na boca.


José Lins do Rego foi o primeiro a quebrar as regras na ABL, em 1955. Em vez de elogiar o antecessor, como de costume, disse que Ataulfo de Paiva não poderia ter ocupado a cadeira por faltar-lhe vocação.



Jorge Amado para autorizar a adaptação de Gabriela para a tevê, impôs que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. "Por quê?", perguntavam os jornalistas, Jorge respondeu: "O motivo é simples: nós somos amantes." Ficou todo mundo de boca aberta. O clima ficou mais pesado quando Sônia apareceu. Mas ele se levantou e, muito formal disse: "Muito prazer, encantado." Era piada. Os dois nem se conheciam até então.


O poeta Pablo Neruda colecionava de quase tudo: conchas, navios em miniatura, garrafas e bebidas, máscaras, cachimbos, insetos, quase tudo que lhe dava na cabeça.



Vladimir Maiakóvski tinha o que atualmente chamamos de Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC). O poeta russo tinha mania de limpeza e costumava lavar as mãos diversas vezes ao dia, numa espécie de ritual repetitivo e obsessivo.



A preocupação excessiva com doenças fazia com que o escritor de origem tcheca Franz Kafka usasse roupas leves e só dormisse de janelas abertas – para que o ar circulasse -, mesmo no rigoroso inverno de Praga.



O escritor norte-americano Ernest Hemingway passou boa parte de sua vida tratando de problemas de depressão. Apesar da ajuda especializada, o escritor foi vencido pela tristeza e amargura crônicas. Hemingway deu fim à própria vida com um tiro na cabeça.



O poeta português Fernando Pessoa tinha o hábito de escrever sob diversos pseudonimos, cada um com um estilo e uma biografia próprios. Ente os pseudonimos adotado estão Ricardo Reis, Alberto Caieiro e Álvaro de Campos.

Extraído de um site
Inserida por andre78reis

Os mas aclamados poetas, escritores e autores dão vida a sua arte, de forma que muitos possam ver e poucos entender.
Sou visto como desconhecido entre as letras, minhas aventuras muitas vezes se resumem e puçás palavras, que são lidas apenas por amigos ou de sangue, são poucas as palavras que uso, mas elas dão fora a frases claras a todos que assim as recebem.

Victor Muller
Inserida por victormuller

Onde a maioria dos escritores buscam segurança?

O desejo de segurança é um impulso normal do ser humano, e está mais predominante na maioria dos escritores, que, em vez de buscá-la numa intuição direta e pessoal, buscam-na na adesão coletiva às tendências de prestígio, encontrando alívio e proteção no sentimento de estar em dia com a opinião de seus leitores (ou com aqueles que tal lhes parece), não aceitando ser replicado ou que discordem de suas ideias. Isto é angustiante, porque fazem da inteligência uma mera soma de opiniões, ao invés de colocá-la na ordem da razão, perdendo oportunidades de contribuir na formação dos leitores.
A estes escritores, meu silêncio é imenso!

Rosemary Chaia
Inserida por Rose05

Sempre a mesma coisa.

Dizem que muitos escritores reescrevem sempre o mesmo livro, diretores de novelas as mesmas tramas, políticos os mesmos discursos, esposas as mesmas reclamações e por aí afora.
Para algumas pessoas o dia é sempre a mesma coisa. Acordar, comer, assistir novela, bisbilhotar a vida dos outros na internet e dormir.
Para algumas pessoas o dia parece que tem quarenta e oito horas, tantos os compromissos e afazeres. Há tantas variedades e variações no acordar (com quem), almoçar (onde), assistir novela (qual) e depois disso ainda encontram imaginação e energia para sair, dançar, beber, rir muito, voltar para casa dirigindo embriagado (ou ser levada para não sei onde) e dormir, dormir, dormir muito, até meio-dia, uma ou duas horas da tarde.
Não sou desses. De nenhum desses. Acordo cada dia numa hora e isso pode querer dizer quatro, cinco ou oito horas da manhã.
Almoço sempre fora de casa o que me dá a oportunidade, ainda que no mesmo restaurante, comer todo dia coisas muito diferentes.
Não assisto novelas. Nenhuma. Nunca. Nem morto!
De vez em quando vejo um telejornal, nunca o Datena (perdão, se aquilo é jornalismo ou jornal, só serve para forrar o canto do cachorro).
Logo ao anoitecer Amanda Palma serve uma bela sopa, deixa para mim uma salada de frutas na geladeira, me serve um café delicioso, feito em parceria com a nossa cafeteira Dolce Gusto.

Gosto de assistir filmes na TV e para isso conto com o meu controle remoto único e definitivo, a Amanda Palma.
Além de todas as outras facilidades, utilidades, complexidades, amenidades, etc. (não me peça para explicar o etc., por favor.) Amanda Palma procura, escolhe, me chama e assistimos juntos os primeiros cinco minutos do filme. Depois disso ela dorme, eu durmo ou ambos dormimos. Raramente assistimos juntos até o fim, para em noventa por cento dos casos concordar que seria melhor termos dormido do que assistir o tal filme.
Quanto à internet, passo o dia nela, com ela e dependendo dela.
Leio as notícias, vejo todas as imagens que eu tenho vontade, já que sou mais visual do que qualquer outra coisa, escuto a musica que quiser de graça e com muita qualidade e ganho uma graninha. Há um ligeiro desacordo nesse item. Ganho menos do que gasto, gasto menos do que gostaria e se der para trocar de Mercedes todo ano e ir para a Europa passar pelo menos quinze dias já tá bom (sonhar é preciso).
Para mim a vida tem sido de uma riqueza incontável, uma diversidade inigualável e uma felicidade diferente e renovada a cada dia.
Graças a Deus!

Marinho Guzman
Inserida por marinhoguzman

"Poetas, pintores, filósofos, escritores... Todos, inquietos viajantes de mundos abstratos por onde passeiam suas almas em voos solitários, se perdem e se distanciam da louca realidade das coisas concretas. Como assustados pássaros, vagueiam fugidios a desenhar matizes de incompreensíveis aquarelas”. (Mauricio A Costa, em 'O Elo Invisível' - O Mentor Virtual II - Campinas-SP)
Lançamento em breve...

Maurício A. Costa
Inserida por 1712PIGGY1208

ESCRITORES E GENTE

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Tente não se deixar iludir, pelo menos tão facilmente, com a natureza dos escritores que, assim como eu, abarrotam livros, blogs e redes sociais de pensamentos, reflexões e conselhos sobre virtudes humanas. Você pode ou deve seguir tais conselhos e reflexões, porque são verdadeiros, mas não pense que eles refletem sempre a realidade pessoal de quem os escreve. São muitas as vezes em que os escritores admoestam a si mesmos na segunda ou terceira pessoa.
Ontem, por exemplo, nada menos do que um dia depois de haver escrito sobre serenidade, equilíbrio emocional, tolerância, e até o velho truque de contar até dez, eu estava mais explosivo do que nitroglicerina. Não me sentia disposto a contar nem até meio. Mesmo assim, continuarei a escrever. Pode ser que um dia os meus escritos me convençam a ser exatamente como quero e peço, incessantemente, que o mundo seja... e que assim seja.

Demétrio Sena - Magé-RJ.
Inserida por demetriosena

Coração de escritor.
Escritores são pessoas mais sensíveis e apegadas as outras pessoas e memorias do passado, não é a toa que eles escrevem seus sentimentos.

Eles gostam de expor o que pensam ou o que sentem, fazer de um sentimento um texto poético, sempre tentando criar suas próprias histórias ou memórias.

O fato de poder escrever já é uma maravilha, nós amamos isso, é mais que um passa-tempo, o que nós escrevemos vem de nossos corações, e isso é o verdadeiro coração de escritor.

Heverton Hardt
Inserida por HevertonHardt

Coração de escritor.(parte 2) ´´A inspiração´´.
A inspiração de poetas ou escritores vem das coisas mais simples do nosso cotidiano desde vendo uma bela paisagem ou até inspirações sobre outras pessoas,alguém em especial, ou,lendo outros poemas e livros.
Para um escritor escrever um poema, digamos assim ,ele passa por um processo de vida e renascimento,eles nem sempre são iguais aos outros até podem ser.
Mas cada um tem seu sentido e temática abordada, sem se esquecer que cada poema tem seu gênero pode ser sobre : filosofia,amor,morte,motivação na vida e etc..

Heverton Hardt
Inserida por HevertonHardt

A nossa experiência pessoal com o Eterno não vem de nenhuma exegese, de teólogos ou escritores espirituais renomados no meio religioso, mas de ficar sozinhos sentados diante do Evangelho, suplicando em oração que o Eterno nos ajude a discernir com nossa mente e com o nosso coração. Aprendemos que a verdade pode até ser uma ofensa para alguns, mas jamais um pecado.

As credenciais acadêmicas não te ajudaram no dia em que todos nós ficarmos diante do Senhor. Não devemos jamais permitir que a autoridade institucional religiosa: ou líderes substitua a autoridade de conhecer Jesus Cristo, pessoalmente e diretamente.

Francisco Wallas Da Silva
Inserida por FranciscoWallas

O Escritor

Vivemos em um Era de escritores fascinantes, onde todo escritor se expressa com uma linguagem distinta.
Culturas Poéticas, Literárias, Romantismos, Reflexões, tudo nos leva em lugares que o universo dos sentimentos e imaginação nos trás um aperfeiçoamento bruto...
Com pleno conhecimento que tenho sobre os Dons que Deus dá para o Seu Humano, me pergunto... Como Deus dá um Dom tão surreal ao Ser Humano, onde tudo se encaixa no seu devido lugar no mundo escriturístico...?
Para um escritor de verdade, basta ter uma simples pedaço de papel que todos os elementos químicos que a vida o proporciona viram mágica, onde toda inspiração nasce com naturalidade como as ondas do mar se formam com esplendor.
Escrever é transforma tudo que a vida tem de melhor em Arte, assim como todo sofrimento de converte em alegria, cada lagrima numa eterna euforia, assim como o medo se vive na superação, a perda se apega na renovação....
O Escritor, Ele não quer Vender Milhares de Exemplares, ele quer Arrancar prantos de Olhares sofridos, um Sorriso do coração abatido, um suspiro do Amor correspondido, Esperança do Amor Oprimido.
O Verdadeiro Escritor Ele Transforma Sentimentos Em Letras.

Diego Garitano
Inserida por DiegoGaritano

Para os novos escritores.
Não fique triste se o seu livro teve poucas tiragens. Uma boa história, um bom enredo será lido por muitos. Desde que a história seja bem entrelaçada, com um conteúdo que realmente cause impacto no leitor. Apenas um livro meu, único, foi lido por mais de 50 pessoas. Pense nisso!

Dinarte Portela
Inserida por DinarteEscritor

Escrever
"O mundo dos escritores é exatamente como um livro.
Tem que haver paciência para ler,entender e virar cada página.
Tudo vem lentamente.
A inspiração, as palavras certas para moldarem a história e principalmente o reconhecimento de seu trabalho… Há que se ter paciência para folhear a história até o final."
Marli D.H.F

Marli D.H.F.
Inserida por Marlidhf

Muitos escritores fazer ‘’ romances, dramas…’’ por experiências vividas, eu não, escrevo o que não vejo, não vi, não vivo nem vive, apenas escrevo.
Podem pensar que sou lunático, não, não sou. Sou apenas mais que quer sentir o Amor como o Ar, não é preciso ver ele apenas deixa ele passar, e sentiras que para falar sobre ele não precisa do passado, mas sim do presente porque é esse que nos leva ao futuro.
Escrevo ‘’ cartas, poemas, prosas…’’ sobre Amor, Dor, Desejo e mais, mas vos garanto que não os tenho em minha mente, para mim eles são apenas ‘’um texto’’ não importa qual a sua Natureza, levo a vida para onde eu quero, tenho controlo sobre ela e não ela sobre mim.
Vendo o Por do Sol, sentir a Brisa do Mar, e respirar o Ar na Floresta, sinto palavras a fluir do meu Coração para minha mente, e isso faz de mim um homem Feliz, e com todos os sentimentos disposto a partilhar.
~~ANJO ARREBATADOR~~

EDEMILSON RIBAS
Inserida por ribasjose

AOS ESCRITORES, NO SEU DIA MUNDIAL

Sobre o ato de escrever, não se trata de coragem, ou de algo sobrenatural, se escrevemos é porque sentimos necessidade, isto ocorre sem os tambores de uma epifania.

Escrever é uma forma natural de comunicação entre os humanos, mas se fosse possível os gatos, cachorros e até baratas escreveriam, não se trata portanto de uma coisa espetacular...

Escrever não engradece a alma do escritor acima do pedreiro, do médico ou do professor... Somos todos da mesma essência, humanos...

Parabéns aos que com sua escrita acrescentam conteúdo, sobretudo, amor e paz à humanidade.
Evan do Carmo

Evan do carmo
Inserida por EvandoCarmo

Os escritores muito Procuram
As mais belas histórias
Com sentimento, muito amor e carinho
Como aqueles contos de Fadas
Que faça Sucesso
Que seja mesmo de emocionar
Com aqueles olhares
Como na Bela Adormecida
Com um beijo apaixonado
Como na Branca de Neve
Com aquela incrível dança
Como na Cinderela
Mas Pouco Sabem
Que a nossa história é a maior inspiração para criar a delas

Geovana Souza
Inserida por GeehSouza9

Grande evento em ambito nacional, acontece no dia 5 de agosto. Escritores de todo o Brasil, estarão reunidos em Curitiba.
Nessa ocasião, Marilina Baccarat de Almeida Leão, lança mais um livro "Sempre Amor".
Local do evento :Palacete Wolf
Praça Garibaldi 7 - setor hitórico- Curitiba - Paraná.

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

As pessoas esperam demais dos artistas
dos escritores
compositores
cantores
pintores, etc
Sempre acham que tem algo de especial
mas conheceram a obra
antes
Entendam
de uma vez por todas
a melhor parte do artista
fica na arte
Não espere nada tão grande
do ser humano
a arte fica depois que ele morrer
Lembro de um vizinho
levando a namorada
numa tarde
para me conhecer
pois ele havia dito a ela
que eu era poeta e compositor
Eu tomei um susto
não acostumei com as pessoas, ainda
Abri a porta
eu usava cueca larga
um calção de jogar futebol
meia e chinelo
nem banho tinha tomado, naquele dia
Naquele instante já percebi a cara de decepção dos dois
demorei para raciocinar o que estava acontecendo
Depois me senti um macaco de zoológico
Eles esperavam mais daquelas paredes escritas
do som do violão
dos gritos, de tarde
das mulheres que entravam e saíam
No fundo, também espero
Mas
por enquanto
sou pequeno demais para oferecer
mais que meus poemas
Não esperem tanto dos artistas
são só uns merdas que não suportam a realidade.

Kevin Martins
Inserida por kevinmartins6

!=1

Depois de tantos erros e acertos na vida sentimental ou seja lá a área que for, só me restou um Ponto de Exclamação [!], que significa meus "pensamentos e atitudes" e o número Um [1], que significa "Eu", único, cheio de boas e más experiências que, fazem da minha vida o que ela é.

João Esty
Inserida por joaoesty

É que eu sempre achei que esse lance de ser sincero e verdadeiro e original ao máximo nessa nossa relação fosse um tanto unilateral, sei lá, não queria ser injusto nem nada. Era algo que às vezes me fazia até um pouquinho mal... Acho que sabe como é isso. (?!)
Coisa normal de gente, de homem, que se importa. Sacou coisa rica?!

João Esty
Inserida por joaoesty

Das melhores coisas da vida

Garotas, garotas e mais garotas! Será que realmente todos tem de "passar" por esta fase, onde já não se consegue pensar em mais nada senão em garotas?!
Porque se isso for verdade, então não deu certo comigo, pois, desde os meus 20 anos não consigo parar de pensar em outra "mina" a não ser: minha admirável esposa - minha musa, meu xodó.

João Esty
Inserida por joaoesty