Texto sobre Aborto

Cerca de 54 texto sobre Aborto

Abortei a missão. Deixei o barco afundar.
Nem me dei o trabalho de lançar a âncora. Deixei ele ir...

Não pense que não lutei... Lutei sim. Até mais do que devia. Fiz de tudo para o barco continuar ali. Perdi a conta de quantas vezes tentei evitar que isso acontecesse. Inúmeras tentativas! Mas o barco já tinha seu destino... Ele tinha que afundar mesmo. Por que? Não sei ao certo. Mas é assim que tinha que ser.

Às vezes tenho a impressão de que fui junto com ele... Estou me afogando! A temperatura está muito baixa! Não consigo mais respirar! As águas me invadiram os pulmões...! Mas não. Eu estou aqui, sequinha. Isso tudo não passa de um melodrama. Uma tentativa frustrada de atrair atenção. De ser ajudada, amparada. De ser tratada com um pouquinho de compaixão.

Mas a única coisa que realmente pode me ajudar agora é a aceitação de um fato: o barco permanece no fundo do mar. E eu estou aqui, em terra firme.

Tatiana Leal

Aborto Não!

Eu ia ser sua razão de viver,eu ia segurar na sua mão quando tivesse medo.
Você ia me dar abraços e todos os confortos.
Nós iriamos enfrentar os problemas juntos.
Eu iria te magoar,mas você iria me perdoar e me ensinar.
Eu iria cuidar de você mamãe,eu já te amava.
Mas,você me abortou,eu tento entender mãe,mas era minha única oportunidade.

Rayanne Matos

Eis porque o aborto é um pecado tão grave. Não somente se mata a vida, mas nos colocamos mais alto do que Deus; os homens decidem quem deve viver e quem deve morrer.
Se aceitarmos que uma mãe mate seu filho dentro do próprio ventre, como poderemos impedir que as pessoas matem umas as outras?
Dizer que há bebê demais é como dizer que há flores demais.

Madre Teresa de Calcutá

Mas eu sinto que o maior destruidor da paz hoje é o aborto, porque é uma guerra contra a criança – um assassinato direto da criança inocente - assassinato pela própria mãe. E se nós aceitamos que uma mãe pode matar até mesmo sua própria criança, como nós podemos dizer para outras pessoas que não matem uns aos outros?

Madre Teresa de Calcutá

ESTOU GRÁVIDA

'De livros abortados
De leituras interrompidas
De contos inacabados
De remédios ingeridos
De poemas iniciados
De amores mal resolvidos
De palavras mal pronunciadas
De versos não construídos
De rascunhos rasgados
De noites mal dormidas
De crônicas não anunciadas
De acrósticos obstruídos –
Sinto-me enjoada, pesada,
Preciso parir.'

Denair Inês Guzon

Vidas Secas
Sob as indeléveis pegadas do tempo dorme sonhos abortados;
desejos cruelmente assassinados; paixões incineradas pelo fogo
que já não queima; amores asfixiados pela poeira densa e gris
do tédio, da monotonia, da distância do que está intocavelmente
tão perto.
Vidas secas!
Sob as pegadas do tempo há tantos sorrisos enferrujados;
tantos abraços paralisados pela distância de braços que
nunca conseguiram tocar; tanta delicadeza atrofiada pela
impossibilidade de se manifestar; tanta doçura azeda pelo fel
de palavras amargas; tantas almas amordaçadas por tudo
que tiveram de silenciar.
Vidas Secas!
Ainda assim a esperança semeia possibilidades sobre esse
solo aparentemente estéril, seco, infértil, inóspito, fazendo
brotar lindos canteiros de margaridas brancas, espectro de
delicadas almas que renasceram como beleza do que a morte
não foi capaz de calar.

Edna Frigato

NUNCA É TARDE PARA NASCER PARA A VIDA

Eu me abortei, preferi permanecer agarrado, na placenta da mediocridade.
Fui lançado útero afora, forçado a nadar, melhor nadei nas águas pútridas amnióticas.
Braçadas rasas a beira mar, arrastando o umbigo na areia.
Pra ver se a dor me levantava. Mas com medo do desconhecido, deitado permaneci.
Não fui adiante, fui empurrado pela maré humana ao meu lado.
Se nada sou, sou na verdade o covarde, que não atravessou as portas do destino.
Oportunidades surgiram. Mas para que ir à frente?
Melhor permanecer no obscuro amanhecer.
Aguardando à tarde sentado. Quando vi, a noite havia chegado.
E a manhã virou lembranças esfumaçadas de histórias mal contadas.
Será que agora é tarde? Será tardia a minha coragem?
Como correr se não aprendi a caminhar?
Se eu demorei a levantar, melhor é voltar a me deitar.
Aguardando o retorno ao útero da terra úmida.
Não! Não! Vou preferir ser coxo e só com as mãos me esgueirar pra fora do buraco.
Do que permitir ser enterrado sem ter tentado.

Lucio Sá

A URGÊNCIA DA LUTA CONTRA O ABORTO

Urge que as pessoas se deem conta de que o aborto, enquanto assassinato de bebês, não pode constituir jamais um direito. Não há como surgir um direito baseado em um ato criminoso, senão o de proteção contra tal ato. Ato criminoso esse que, não importa sob quais pretensos motivos, será sempre um ato criminoso, e tanto mais imoral quanto mais reduza o valor da Vida a uma simples questão de conveniência pessoal das mulheres (já nascidas e não abortadas) ou de enganosos pretextos hipócritas evocando a Caridade.

(Em "Diga 'Não' ao Aborto; diga 'Sim' à Vida!": http://wp.me/pwUpj-1fE)

Ebrael

Aborto

Se possuímos a liberdade de destruir a vida humana e negar-lhe a dignidade numa etapa, por que não em outras? Se, pelo contrário, a criança por nascer tem direitos pessoais ainda antes de ter nascido, e se estes direitos têm implicações públicas, então o ser humano tem o direito à proteção ainda quando não possa proteger a si mesmo.

Rafael Estevan

Aborto sem motivos?

A pergunta a que os portugueses terão de responder no referendo tem, pelo menos, um mérito: não se enreda na explanação de putativos motivos que possam suportar a legalização do aborto.
Não se apela para motivos, porque, na verdade, não há motivos para abortar. Só que esta sinceridade causa arrepios e provoca calafrios. Ela resvala para a arbitrariedade, já que a única razão que se aduz é a «opção da mulher»!
Ou seja, o ser humano em gestação pode ser viável e pode ser perfeito. Mesmo que o não fosse, não deixava de merecer respeito. Desde que a mulher grávida manifeste vontade de abortar, a lei passará a permiti-lo!
Não se percebe como é possível filiar esta posição na promoção dos Direitos Humanos. Há quem prefira uma posição demissionista, deixando ao arbítrio de cada pessoa o caminho a seguir.
Em tal caso, a sociedade não deveria opinar, o Estado não deveria intervir. Só à mulher grávida caberia optar. O princípio seria o da liberdade individual. É um argumento pouco sólido e muito perigoso.
Pouco sólido porque a mesma liberdade individual não é requerida para outras situações. A liberdade individual pode ditar o não pagamento de impostos. O Estado aceita? A liberdade individual pode sugerir o furto de bens alheios? A sociedade concorda?
Mas trata-se igualmente de um argumento deveras perigoso. É que a liberdade individual é um direito e um dever. Não pode esquecer jamais a vida e a liberdade dos outros. A liberdade que não respeita será liberdade? Homenageará a liberdade do próximo? Não é legítimo pensar apenas em liberdade de. Urge incluir sempre a liberdade para.
Será que, numa matéria tão sensível como a vida humana, o Estado poderá deixar ao abrigo da liberdade individual a decisão final e a opção definitiva?
Não deverá ser o Estado o garante de valor tão importante que está na base, aliás, de todos os outros valores?
É claro que esta condição de garante não pode circunscrever-se ao plano judicial. É necessária toda uma ambientação a montante, isto é, a criação de condições para que, antes de mais, a vida humana seja desejada e, depois, para que se fomente o seu desabrochamento com dignidade.
Haverá quem alegue que a penalização do aborto não devolve ninguém à vida. Mas, pelo menos, não fomenta a sua eliminação. Agora, a despenalização é que não protege nem ajuda a salvar nenhum ser humano.
Daí que não seja possível (sem um brutal contorcionismo de raciocínio) a alguém declarar-se contra o aborto e, ao mesmo tempo, propugnar a sua despenalização.
Invocar a tolerância e a cultura da misericórdia para este caso não é admissível. Primeiro, porque a lei já é suficientemente moderada e a sua aplicação é bastante mitigada. E, segundo, porque a misericórdia tem de ser dirigida, acima de tudo, para os mais desprotegidos. Alguém tem dúvidas quanto a isto? Não é o feto que está mais desprotegido?
A penalização não é, em primeira instância, contra a mulher. É um instrumento de defesa e protecção do nascituro. De resto, a justiça, em nenhum caso (mesmo no domínio penal), tem um objectivo vindicativo. Tem, sim, um claro objectivo preventivo e curativo, protegendo os mais indefesos.
É importante enquadrar esta questão em toda a sua globalidade, não a parcelando. Colocar o enfoque na mulher grávida constitui, pois, um enviesamento do problema, menorizando a principal vítima.
Isto não equivale a ignorar a situação dramática por que passam tantas mulheres. Este ponto não há-de ser jamais negligenciado. Não se pode, contudo, engrossar o já elevado número de vítimas.
Fundamental é apoiar as vítimas, dando-lhes a ajuda necessária e o estímulo preciso. Alguém que se prepara para ser mãe (para oferecer uma nova vida ao mundo) merece todo o carinho.

NetSaber

VIVER ESTREME

E SE ABORTÁSSEMOS A CARCAÇA DA INDIFERENÇA
E SEM MÁSCARAS E COSTUMES DO VIVER PASSIVO
BROTÁSSEMOS E DOÁSSEMOS O DELICADO
E BATIMENTOS EM MAIOR TEMPO ABRASADORES.

SEM A SUPERFICIALIDADE NOS ENCONTROS
SEM A INSENSIBILIDADE NA CONVIVÊNCIA
E SEM O SONOLENTO COTIDIANO
EXPERIMENTANDO O INTENSO

COM INÚMERAS CONJUNTURAS
COM APRENDIZADOS DIVERSOS
VOLTEMOS A UM VIVER PURAMENTE GENUÍNO.

Magahoga

Doloroso Crime

- E o aborto provocado, Assistente? - inquiriu Hilário, sumamente interessado. - Diante da circunspecção com que a sua palavra reveste o assunto, é de se presumir seja ele falta grave...

- Falta grave?! Será melhor dizer doloroso crime. Arrancar uma criança ao materno seio é infanticídio confesso. A mulher que o promove ou que venha a coonestar semelhante delito é constrangida, por leis irrevogáveis, a sofrer alterações deprimentes no centro genésico de sua alma, predispondo-se geralmente a dolorosas enfermidades, quais sejam a metrite, o vaginismo, a metralgia, o enfarte uterino, a tumoração cancerosa, flagelos esses com os quais, muita vez, desencarna, demandando o Além para responder, perante a Justiça Divina, pelo crime praticado. É, então, que se reconhece rediviva, mas doente e infeliz, porque, pela incessante recapitulação mental do ato abominável, através do remorso, reterá por tempo longo a degenerescência das forças genitais.

- E como se recuperará dos lamentáveis acidentes dessa ordem?

O Assistente pensou por momentos rápidos e acrescentou:

- Imaginem vocês a matriz mutilada ou deformada, na mesa da cerâmica. Decerto que o oleiro não se utilizará dela para a modelagem de vaso nobre, mas aproveitar-Ihe-á o concurso em experimentos de segunda e terceira classe ... A mulher que corrompeu voluntariamente o seu centro genésico receberá de futuro almas que viciaram a forma que lhes é peculiar, e será mãe de criminosos e suicidas, no campo da reencarnação, regenerando as energias sutis do perispírito, através do sacrifício nobilitante com que se devotará aos filhos torturados e infelizes de sua carne, aprendendo a orar, a servir com nobreza e a mentalizar a maternidade pura e sadia, que acabará reconquistando ao preço de sofrimento e trabalho justos...

XAVIER, Francisco Cândido. Ação e Reação. Pelo Espírito André Luiz. FEB. Capítulo 15.

Pelo Espírito André Luiz

Ótimo com certeza é ir a luta com persistência, envolver-se com energia fascinante, abortar com feitio e auferir com audácia, porque o universo refere-se a quem se expõe com atrevimento.
A felicidade está na peleja, na investida, na angústia abrangida e não na conquista precisamente anunciada.



H.A.A

Hélio Aparecido de Assunção

MALOGRO
Fui seu bebê
Fostes meu último amor
E do último amor
Fui o aborto que não deu certo

Não cai no sanitário
Nem no recipiente de coleta
Só despenquei...
Agonizando, em lugar qualquer.
De agonia em agonia, vou renascendo
Até ando sonhando..

Logo, logo, estarei engatinhando,
Correndo..
E talvez voando.

Kaw Lima

Kaw Lima

Nunca brigue com ti mesmo,e sempre um começo para brigar com tudo . Tentar- se abortar do mundo , e o primeiro passo de um questionamento assumido que todos os seus valores viraram apenas lixo.Valores , não são palavras , valores , e caminhar sem medo , levando consigo um só sentimento..." eu sei que vou me amar,por toda a minha vida " só assim , sentiras que tudo no mundo ,tudo na vida e uma grande dança de cadeira , você pode ate mesmo se perguntar ,..Deus existe? Eu não vou poder te responder,pois o Deus que existe em mim , só existe , por que deixei ele conduzir a minha vida.Mas pode ter a certeza que Deus ama todos os seus filhos e não nos trouxe ao mundo para nos ver sofrer, o sofrimento e um estagio, e lembre-se ,para nos torna grandes ,seja como profissional , na fé ,temos que passar por todos os estagio da vida , arranque de dentro de você amargas lembranças, entregue a Deus,siga o seu caminho e seja feliz, jamais esqueça,Deus quer você sorrindo.
Pesos desnecessários causam sempre dores desnecessárias.

Desconhecido

Quando o mar tranquilo conspira armaduras
E suas soturnas e abortadas
Correntes produzem pequenos monstros
A verdadeira navegação é a morte
Horrífico instante
E o primeiro animal é laçado
As patas devoram furiosamente
Seu Próprio simples e obstinado galope
E as cabeças se erguem
Equilíbrio
Relaxamento
Reflexão
Aceitação
Na agonia muda as narinas
Com cuidado são purificadas
E seladas

JimMorrison

Morte

O cordão é rompido
suicídio, homicídio
tudo está corrompido
aborto, infanticídio.

Humanização na morte
eutanásia, ortotanásia
quebra-se no poço o pote
botão que apaga a luz da casa.

Desde aquele que nasce morto
até o indesejado
o anencéfalo, aleijado
lição que vem do inesperado.

Por fim cortam-se os pulsos
aperta-se a corda, joga-se ao ar
morte outrora inimiga
estende seus braços, vem me pegar.

Angela Natel

PASSAGEM

O que olha, o olhar do morto fixo no teto,
Pensa no aborto no feto,
No filho que seria o prodígio,
Porque os que vingaram,
Envolveram-se com drogas,
O que pensa o defunto?
Pensa no gerúndio do verbo morrer
Pensa nas coisas que deixou de dizer,
Pensa nos abraços que deixou de dar,
Pensa na esposa que deixou de amar,
Pensa no particípio do verbo finar
O que pensa o finado
No féretro fechado
No pranto caindo de alguém preterido
No pretérito imperfeito
E no mais que perfeito
Do verbo acabar
Acabara bem antes do lapso, do colapso

O que olha o olhar do morto,
Num ponto indeterminado,
Pensa no pigarro, na cirrose,
Pensa no enfisema,
Na cachaça que não mais beberia,
No cigarro, que não fumaria ...
O que olha o olhar do defunto,
Germes, vermes em festa,
Por um novo presunto,
A passagem? Alguma paisagem?
Trevas ou luz?
Ou A singular possibilidade de renascer?

Tadeu G Memoria

Muitos pró-aborto vêem o embrião como um potencial ser humano. Contudo, está claro para mim e para muitos outros, que os dados biológicos nos dizem que um embrião, mesmo em seus primeiros dias, é um ser humano com potencial.
Todo o ser humano possui esta qualidade desde o início de sua existência, ou seja, desde o momento da fecundação.
O ser tem prioridade sobre o chegar a ser, o ato sobre a potência.
Para poder ser, a pessoa já deve ser. O embrião humano é um ser com potencialidade e não um ser em potencial.

professor William Reville, da University College Cork

Caminho sob o céu vazio
E é como se deus (esta figura indecente para meus olhos abortivos)
Me esmagasse com seus pés de concreto abstrato
A culpa de continuar... Miserável em meio a miséria
A culpa deste miserável continuar
Ciclos ao redor de minha cabeça despedaçada
Imóvel é o horizonte triste e distante, inalcançável mesmo na dor
O céu pesa demais quando se é infiel às suas origens...

Felipe Vieira de Galisteo