Texto Poético de Criança

Cerca de 1475 texto Poético de Criança

toda mulher tem um pouco....
De puta, de criança, de maluca.
Toda mulher tem um pouco.
Falo por mim porque vivi pouco tempo para fazer afirmações maiores.
Falo por mim porque estou egoistamente presa na minha própria descoberta e existência.
Mas pelo que tenho visto por aí, toda mulher tem um pouco de tudo.
E como é difícil ser feliz com tantos poucos para agradar.
Fora os milhares de hormônios que tornam cada um desses poucos mais do que dá para aguentar.
E a cada suspiro, meus poucos se atrapalham: estou feliz ou com medo?
Estou cansada ou excitada?
Estou carente ou encantada?
Estou fria ou fugidia?
Numa única noite eu fui um pouco tudo, eu quis um pouco de tudo.
Quando alguém vai acompanhar meu ritmo?
Eu quis que ele não soubesse meu nome, depois quis ter o dele logo depois do meu.
Eu quis que ninguém soubesse de tamanha traição.
Depois quis gritar na janela como o proibido era sopro no meu coração.
Eu quis sentir o poder de abalar com a vida dele.
Depois quis que ele voltasse direitinho pra casa e esquecesse que existe a fraqueza.
Eu quis ele por uma aventura, uma risada, uma distração.
Depois quis o colo dele para sempre, mas fiquei com o meu pouco puta estampado na cara.
Como eu preciso ser amada meu Deus, pra parar de dar de bandeja o meu sorriso por aí.
Eu tenho meu pouco criança estampado em cada linha que escrevo e em cada bobeira que falo na espera de atenção.
Maluca?
Nas raras vezes que sou séria, me sinto tão maluca, que devo ser sempre maluca.
De pouco em pouco encho o papo de ansiedade.
Quando o muito virá?
Eu nunca poderia ser feliz sem meu pouco trágica.
Eu nunca posso estar satisfeita sem meu pouco idealista e eu nunca poderei ser mulher porque ainda falta pouco, muito pouco, mas eu sei que sempre faltará.
Me completo de poucos, mas sigo esperando demais de tudo.
Comida para cada um desses poucos que são buracos na minha alma.
Meu pouco puta, safada, tarada, não tem um pingo de compostura.
Meu pouco criança sofre e se diverte com o meu pouco louca.
Meu pouco adulta perdoa tudo porque tem total consciência do meu pouco criança.
Mas cada pouco espera o grande momento.
A grande virada.
O longo suspiro de paz.
Cada pouco espera o colo, a excelente trepada, o beijo silenciador de neuroses, o abraço aquecedor de angústias.
Cada pouca criatividade espera o salário digno, o carro novo, o cheiro de cada coisa minha conquistada, o sono de quem não deve um centavo a ninguém.
Corro no desespero desses dias, da vida que virá, dos sonhos realizados, da felicidade, do sorriso banguelo da pureza infinita de um ser gerado por mim.
Da luz.
Meu pouco pessimista sabe que nada disso pode acontecer.
Mas sigo com meu pouco otimista, aprendendo que ele a cada dia aumenta um pouco.
Quem em cada pouco põe tudo que é merece ser feliz.
E muito.

Tati Bernardi

Presente Poético

Deus me deu a luz da criação...
Com ele eu invento histórias,
Crio versos, reviro do avesso,
Formo poesias e brinco com elas...

Deus me deu uma graça irreconhecível de ser feliz,
De viver a vida sorrindo
Mostrando que tudo é belo
Para que nessa beleza toda, vivamos felizes...

Deus me deu muito amor,
Para amar a todos,
Sem miséria e retraições
E por isso sou feliz,
Por ter amigos como paixões...

Deus me deu a fé,
Foi deus que me deu a vida...
Foi deus que me tudo,
Deus me deu até o que eu não queria,
Mas agradeço todo o dia
Por ele ter me dado de presente, esta poesia!

Wallace Neres

Desastre poético.

Se fosse possível, meu bem, eu diria.
Apenas uma pessoa, se isso fosse possível.
Certa existência poética me faltava nesta terça. Como sempre, me cobri de tudo que pude carregar.
Já conquistara outras vezes... Não me custa mais nada.
Como se palavras falsificadas pudessem me traduzir.
Mas deixei... Não poderia me deixar levar pela raiva dos mais velhos.

Lívia Samara

As mulheres sabem perfeitamente que o amor, mesmo o mais elevado, o mais, poético — como nós dizemos — depende mais dos dotes físicos do que dos méritos. Perturba mais uma cabeça bem penteada, um vestido de bom corte, modelando bem as formas do que uma frase reveladora de excelsas qualidades morais.
(Sonata a Kreutzer)

Leon Tolstoi

O Eu-poético

Minha poesia é suja, medíocre, falsa
Me falta o altíssimo vocabulário dos literários
Me falta as belíssimas temáticas da antiguidade

Não gosto de falar de amor, nunca vivi nenhum
Gosto de falar de dor, isso em mim é comum

Minha temática é a vida, vivida, convivida
Meu vocabulário é baixo, baixíssimo

Grandes poetas enfatizam o amor
Eu o despreso, o desgasto, o desmoralizo, o piso
Grandes poetas não falam em dor
Eu a clamo, a chamo, a escrevo, a como, a bebo

O amor é chato, fácil, simples
A dor é intensa, imensa, profunda.

Allann Xavier

Luto poético

Escorre um sentimento de luto
Túmulos de poemas e poesias
Enterradas em esquecimentos
Papeis amarrotados e sem cor
Frases sem sentimento...
Uma eterna falta de amor
Sepulcro onde se enterram letras
Se chora por palavras em vão
Besteira que saiam do pensamento
Mas que no fundo...
Era o sentir do coração
Descanso da entrega poética
Um vazio, uma falta, uma solidão
jaz pensamentos de poetas mortos
Pensamentos que mesmo com tempo
Os que conheceram, jamais esquecerão.

Reff Carvalho

Meu Coração Senti

O meu coração poético,
Ele se alegra e também chora.
Ele senti, sim...
Ele reclama,
É um coração amante,
É um coração de poeta.
Se amado se conforma,
Desprezado,
Chora e sangra.
É um coração que senti,
Se abandonado...
mingua e morre.
O meu coração mostra que senti,
Se teu corpo roças o meu,
Meu coração explode delirante.
Se tu chegas amanhece,
Se vais escurece.
O meu coração poético,
Não se divide,
Tem duas partes..
Você e você.

Ricarlosmelo

estou cansado de escrever sobre
coisas que você não sente;
é um mal poético ser sonhador?
Se tu me desse teu coração,
eu o magoaria noite e dia,
sim, é bem verdade,
mas juro a Deus que não queria algo assim,
meu coração é profundo,
mas minhas ações tão praticas,
escondem as lagrimas e os sorrisos de ti,
essa contradição negligencia
as necessidades dramáticas do teu coração,
é que as vezes eu não me entendo,
não domino meu idioma exclusivo,
há coisas que dizem esse coração,
que nenhuma língua jamais ousou escrever,
e lá vou eu outra vez escrevendo,
sobre o que nem sabes dizer,
coisas que não sentes.

Helom Egidio

TORPEDO POÉTICO

Só sei que de alguma coisa eu sei
*é sempre mais difícil ancorar um navio no espaço

Sem amarras
sem espias
sem cais
você corre
esconde a fala-resposta
apaga meus torpedos de desespero
desliga o celular

Fico sem ponto de atracação
sem cumplicidade
sem beijo

Roupa pendurada no varal da ventania
garrafa quebrada pela incompreensão
corpo vazio

Uma onda morde meu sonho
engole minha gravidez

Seus lábios tipo A
têm medo da minha boca tipo AB

* Ana Cristina Cesar

do meu livro Substantivo Desvairado-Sedutor

Júlio Corrêa

POESIA

A poesia que inspira o coração poético
Não limita-se apenas a escrita viva
Não é presa da linha simétrica contida
À métrica dos versos Alexandrinos, épicos

Revela-se do coração em sintonia à magia
Intrínseca na alma poética e sua razão
Dos sonhos pueris da criança sem pão
Na leveza das folhas de outono ao cair à guia

Que nos remete a pureza da alma infantil
Improvisada em prosa sem métrica, arredia
Pra falar da grandeza do sentimento infante

Que metrifica e glosa o coração juvenil
Embelezando sem regras a coeva poesia
Que meu intimo de emoção fremir neste instante.

Carlos Egberto Vital Pereira

(...)
Enquanto poeta Alvaro Giesta, a liberdade da palavra, no uso poético que lhe é dada, permite-lhe, em O Retorno ao Princípio, filosofar acerca da morte. A morte, que é a garantia da ordem no mundo dos homens, que é o que concede o diálogo, pois, no mundo humano adquire-se a vida através da morte. Só, assim, a vida tem sentido.

A linguagem poética, neste caso na enfatização da morte pela palavra, não procura uma finalidade, uma explicação, não procura atingir algo, atingir um fim - isto, é para as religiões e seitas. Na linguagem poética a palavra não morre. A palavra, se morre, é para dar vida à palavra nova porque "a palavra é a vida dessa morte", como nos diz o filósofo Maurice Blanchot e o poeta Alvaro Giesta, num dos poemas iniciais de O Retorno ao Princípio.

A linguagem poética, neste caso na enfatização da morte pela palavra, não procura uma finalidade, uma explicação, não procura atingir algo, atingir um fim - isto, é para as religiões e seitas. Na linguagem poética a palavra não morre. A palavra, se morre, é para dar vida à palavra nova porque "a palavra é a vida dessa morte", como nos diz o filósofo Maurice Blanchot e o poeta Alvaro Giesta, num dos poemas iniciais de O Retorno ao Princípio.

(...)"

do posfácio ao livro O Retorno ao Princípio, de Alvaro Giesta

Alvaro Giesta

olhe,se eu fosse poetico,escreveria-te a poesia mais linda do mundo
se eu tivesse assas leva-te a uma viagem dos ceus.
se eu fosse eginheiro costruia-a cabana mais segura de todas,
se fosse liguistica soltava-te as palavras mais carincias e carinhosas,
mas sou simples humano que so sei dizer que ti amo.bom dia.

alex zefanias

Não sou um poético, nem um romatico...
não sei o que é amor, mais sei que uma vez encontrei...
fui covarde de não aceitar esse sentimento...
o silencio de cada dia, palavras esse que não são ditas pela boca ou por um olhar mais sim pelo coração
Sofri...
Ainda não sei o que significa essa palavra mais sei que um dia eu sofre para mostra para alguém o seu significado...

ainda não sei o que quer dizer fogo que arde sem si ver mais sei que já queimei por não acreditar nele...
...

Nao sei se vale a pena lutar por esse sentimento...
lutar por algo que eu nao vejo, apenas sinto...

Apenas sei que aprendi a ouvir o coração, hoje sei o seu significado.

Mais sei que amanha vou esquecer o seu significado...

Hasler Chin Ku Chon Choo

Nós... Eu e tu e você sabe quem mais.

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!
Pensamento poético, Pensamento poético!
Não se afugente de mim!
Ei já pode voltar!... Por favor?...
Pensamento poético, pensamento poético...
Que serei eu sem tu?!

Não vires a costa para eu.
Ei Pare! Ei pare!
Ei! Pare aí mesmo que eu irei até tu!
Pensamento poético, pensamento poético.
Minha vida é tu, tu vive em mim!
Nós somos um!
Eu e você e você sabe mais quem.
Nós somos um!...

Nós... Eu e tu e você sabe quem mais.
Pensamento poético, pensamento poético...
Onde estás tu...?

Axi Reed

Desenvolvimento poético

Com papel e caneta na mão
e um bom tema
usando isso como inspiração
se nasce um poema

Um bom tema na mente
procurando descobrir,
passando oque agente sente
não é preciso mentir

Sempre mostrando a verdade
no que nós escrevemos,
pois nessa cruel realidade
é que nós vivemos

Tentando interpretar
oque se passa,
ensinando oque é amar
para toda essa massa

Wesley Allemao

Mix Temático Poético

Numa noite fiz uma viagem...

Para uma terra distante...

Onde lindas moças sorridentes me fitavam debruçadas na janela...

Eu; Poeta respeitoso que sou...

Tomei a difícil e arriscada decisão...

Parei diante daquela linda moça debruçada na janela...

E em um gesto de carinho... Lhe ofereci uma flor...

Junto com a flor... Lhe dei a minha amizade...

E em troca da flor... Lhe pedi um sorriso...

A moça faceira...Retribuiu o gesto poético com um lindo sorriso...

E ao longe ouço o grito enciumado de seu namorado...

Pobre poeta sou...

Que trabalho o meu... Meu Deus...

De um gesto de carinho e amizade...

Tenho que sair correndo...

Dos namorados enciumados...

Poeta Urbano - 080412

Em que Estrela, ou
Dimensão te encontras?

Amigo poético,
Que revela em versos
Que esgoela ventos,
Alimenta pensamentos,
Planeia tempos e arte
Confunde momentos,
Esquiva-se e parte...

Não te prendas a compreender
Quem de válido é essa aurora
Nem te envolvas em saber
Como conspira o Mar
Seria em vão...

Tão pouco ouse desvendar
Em que fase essa Lua
Que brilha no bruno
Encontra-se (ou não).

Onde estás amigo?
Ainda comigo?

Aurora

Poeta

Hoje é um dia poético,
cheio de versos e flores no ar,
cheio de canto,
pensamentos e serenatas...
Cheia de amores e paixões,
amizades e solidariedade.
A visão do poeta é algo diferente,
ele vê com os olhos do coração,
dispensando a severa razão,
voando nas asas da paixão,
paixão pela letras...
Formando versos,
sentimentos...
Ser poeta é...
esquecer a realidade,
se embrenhar no sonho,
em uma outra realidade.
Ser poeta é te ouvir...
Escrever a sua beleza,
onde pensava que não existia...
Expõe no papel
a peça teatral de nossa vida.
Ser poeta é viver sempre a viajar...
pelo infinito de nossa mente.

Betânia Uchôa

Betânia Uchôa

Os Dias Íntimos

Mói música um realejo,
poético de convenção.
Mas é hoje o que agrada
ao meu coração.

Com castanhas assadas,
chuva na imaginação,
e luzes molhadas
no asfalto do chão,

Egoísmo de bicho,
simulado ou não,
mas que bem me sabe
esta solidão.

Ó comedida felicidade,
com teu ópio vão
sobre tanta náusea
passa a tua mão.

Desconhecido

Resumo poético no meu ponto de vista!

Ao longo do tempo certas mentiras viram verdades, e certas verdades viraram mentiras! O Carismático Poeta Dr. Antonio Agostinha Neto escreveu, havemos de voltar! Não sei ao certo a que se referia mas do jeito que as coisas estão, parece mais um círculo vicioso infernal que só Deus sabe! O tempo tornou tudo que outro-hora era estranho e inaceitável para normal. Sendo assim, hoje é bastante normal eles e elas vestir como se vestem, beber como bebem, drogar como se drogam e prostituírem-se como se prostituem.

Nas noites são as estrelas que brilham no céu. Emprestam vidas alheias e são quem não são, curtem demais, fumam demais, gastam até o que não tem, só para parecer, dirigem sem prudência, tem duas ou mais relações, são muito materialistas, usam grandes Carros para ir a escola, estudam pouco, pagam mais gasosa, tão nem aí para seu futuro, lêem pouco, perdem mais tempo no Ginásio e no facebook, são muito vaidosos mas não são conservadores, conhecem pouco sobre a História de Angola mas tem em mente todos nomes de actores de novela e jogadores de bola, não tem amor ao próximos, matam-se e odeia-se facilmente.

Virgilio Fire cantou, estamos sempre a subir! E pelo andar da carruagem parece faltar muito para lá chegarmos!

Precisamos voltar ao tempo do Kwanza Burro como disse Matias ou nos perderemos para sempre.

Manuel Domingos