"Ah, mas são apenas filmes..."

Talvez este seja o pensamento da maioria de vocês quando se deparam com este assunto: a representatividade. Não apenas a sétima arte, como todas as outras manifestações artísticas, podem (e devem) ser reflexos diretos ou indiretos da sociedade em que vivemos.

Durante quase um século a Disney usou a mesma "forma" para criar as suas princesas: jovens brancas, femininas, delicadas, submissas, magras e sempre em busca do "príncipe encantado".

Este foi o "padrão perfeito" do gênero feminino por muitos anos - mulheres como seres indefesos, dependentes dos homens e sempre em busca do parceiro ideal para conseguirem ser felizes... Bem, felizmente, isso parece estar mudando!

Confira as 5 Princesas que provam como o "padrão Disney" mudou ao longo dos anos, seguindo (e ditando) as novas convicções da sociedade contemporânea:

Pocahontas e a fuga ao "modelo europeu"

Pocahontas

Depois de décadas assistindo a princesas europeizadas (brancas, com olhos e cabelos claros, por exemplo), eis que nos surge a encantadora Pocahontas, uma personagem baseada numa índia americana!

Num mundo com tamanha diversidade étnica e cultural como o nosso, este filme tira o foco das tradicionais princesas brancas, loiras e indefesas, e mostra uma guerreira indígena de pele escura como protagonista. 

Quando temos a chegada de uma princesa de uma etnia diferente daquela que foi considerada por anos como a "perfeita", afirmamos para as nossas crianças, principalmente, que os "contos de fada" podem acontecer em qualquer lugar, com qualquer pessoa, independente da sua cor de pele! 

Mulan e a prova de que a valentia não tem gênero

Mulan

Das tribos indígenas norte-americanas para os confins da China. O filme Mulan (1998) apresentou outra personagem que mexeu totalmente com os tradicionais "padrões Disney".

Baseado na lenda chinesa de Hue Mulan, Mulan é uma guerreira chinesa que desafiou a sociedade patriarcal e foi para a guerra disfarçada de homem! Sim, Mulan quebrou completamente a ideia de "donzela indefesa", e mostrou que as mulheres também têm a coragem e determinação para fazer aquilo que era considerado apenas uma "coisa de homem".

A flor que desabrocha na adversidade é a mais rara e bela de todas.  

Mulan 

Ver também: 11 Frases que as Mulheres precisam parar de dizer umas às outras.

Merida é um ícone de força feminina

Merida

Se com Pocahontas e Mulan a ideia de donzela em perigo a espera do príncipe encantado já começava a enfraquecer, então com Valente (2012) o modelo de princesa indefesa vai mesmo por água abaixo!

Merida é totalmente o oposto das tradicionais protagonistas femininas das Disney: corajosa, sabe usar o arco e flecha melhor do que ninguém, tem os cabelos ruivos e MUITO cacheados e - o mais incrível - NÃO QUER SE CASAR!

Mesmo com os progressos feitos nas personagens anteriores, esteticamente todas ainda tinham o cabelo liso, como se este fosse um padrão único de beleza. Com seus belíssimos cachos rebeldes, Merida chega para quebrar com mais este estereótipo. 

Claro, mas o melhor de tudo é mesmo a obstinação da jovem escocesa em provar como é capaz de ultrapassar com valentia todas as adversidades, sem estar a espera de um homem para conseguir se sentir completa e ser feliz. 

Alguns dizem que o destino está além do nosso controle, que não escolhemos nossa sina, mas eu sei a verdade. Nosso destino vive dentro de nós. Você só precisa ser valente o bastante para vê-lo.

Merida

Elsa e a sororidade

ELsa

O sucesso de Frozen - Uma Aventura Congelante (2013) foi incrível! E o mais impressionante neste caso não é tanto a aparência das personagens principais, mas o sentido central que a história transmite: o amor fraternal.

O relacionamento entre Anna e Elsa é marcado pela competitividade, mas também pela proteção, dedicação e amor, assim como acontece com a relação entre a maioria das irmãs. 

No entanto, o que chamou atenção neste filme, sendo motivo de muita controvérsia entre os fãs e os tradicionalistas de plantão foi a sexualidade da Princesa Elsa. Muitas acham que esta pode ser a primeira personagem LGBT da Disney (mesmo sem ter nenhuma confirmação oficial por parte dos estúdios), enquanto outros defendem que na realidade Elsa é assexual, reforçando a quebra da imagem tradicional de que toda a mulher precisa encontrar o seu "príncipe" para ser feliz. 

Seja como for, a postura de Elsa no filme é sem dúvida bastante inovadora em comparação ao que presenciávamos nas produções da Disney do século XX.

Ver também: 15 Mensagens que as Mulheres mais importantes da história nos transmitiram.

Moana, uma princesa mais próxima de todos nós

Moana

Em 2017, quando o debate sobre a importância da representatividade nunca esteve tão latente, eis que a Disney nos presenteia com Moana!

A personagem de cabelos encaracolados, quadris largos e pele escura chega como uma confirmação do impacto que os debates sobre a diversidade étnica e cultural têm tido no âmbito artístico, e como estes são essenciais para ajudar a formar uma nova geração de pessoas menos preconceituosas e mais crítica em saber respeitar as diferenças. 

É essencial que as pessoas se sintam representadas naquilo que consomem - sejam músicas ou filmes -, principalmente as crianças. Os jovens precisam crescer com a ideia de que também pertencem a este mundo, que também podem ter espaço e voz para atingir os seus sonhos, e que devem ter muito orgulho da sua cultura e identidade!

Neste aspecto, os personagens podem ter uma gigantesca participação neste processo, pois se transformam em ferramentas educadoras, quebram antigos estereótipos e contribuem para a formação de uma (futura) sociedade mais compreensiva. 

As crianças devem ser ensinadas a pensar e não o que pensar.

Margaret Mead

Representatividade é não ter que se preocupar em tentar se encaixar num padrão, mas sentir que a nossa identidade e cultura estão de mãos dadas com as outras, todas no mesmo nível de importância e respeito. 

A beleza tem múltiplas faces, cores e formas. A sociedade precisa aprender, de uma vez por todas, a enxergar a mulher não apenas como "belas adormecidas", "rapunzéis" ou "brancas de neve", mas como guerreiras que são capazes de superar todas as barreiras com a mesma força, garra e coragem que os homens. Afinal de contas, seja homem, mulher ou um desenho animado... todos podemos e devemos lutar pelos nossos sonhos. 

Não esqueça: não se trata apenas de um filme, mas de respeito!

Ver também: O que significa ser uma Mulher Forte?