Lygia Fagundes Telles é uma das maiores escritoras brasileiras. Autora de vários livros de contos e romances lidos em todo o mundo como Ciranda de Pedra e As Meninas, há algumas curiosidades sobre a autora que você provavelmente não sabe.

Lygia fagundes telles

1. Escritora mirim!

Lygia começou escrevendo quando ainda era criança, e aos oito anos já anotava no seu bloco de notas os contos que saiam da sua imaginação e que partilharia nas reuniões familiares. Os seus primeiros contos, Porão e Sobrado, foram publicados quando a autora tinha apenas 15 anos, com a ajuda de seu pai, seu maior apoiante.

2. Literatura e adaptação para o cinema

Lygia não se consagrou apenas na literatura. A autora também fez a adaptação para o cinema de Dom Casmurro, romance de Machado de Assis, numa produção do cineasta Paulo César Saraceni. O filme tem o nome de Capitu, nome da personagem principal da trama.

3. Reconhecida internacionalmente

Acha que Lygia Fagundes Telles é apenas reconhecida no Brasil? Então vai ficar surpreso quando souber que, além de ter vencido o prêmio Jabuti em 1966, 1974 e 2001, a autora foi também galardoada na França com o Grande Prêmio Internacional Feminino para Estrangeiros, pelo seu livro de contos Antes do Baile e ganhou o prêmio Camões em 2005, o prêmio mais importante da literatura portuguesa.

Em 2016 foi indicada para o Prêmio Nobel da Literatura pela União Brasileira de Escritores (UBE), que apresentou o seu nome à Academia Sueca, tendo sido eleita por unanimidade pelos seus membros.

Suas obras estão ainda presentes em vários países, tendo sido traduzidas para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, polonês, sueco e tcheco.

4. Primeira autora brasileira indicada para o Nobel

Com a indicação em 2016 para o prêmio Nobel da Literatura, aos 92 anos Lygia Fagundes Telles é a primeira mulher brasileira a ser indicada para este famoso prêmio internacional.

5. Apelo aos jovens leitores

Apesar dos seus 92 anos Lygia continua a participar nas reuniões da Academia Paulista de Letras para não perder o contato com outros escritores e acadêmicos. Numa das suas últimas homenagens públicas, a autora declarou que nas suas obras “queria mostrar que a mulher, no Brasil, não precisava ser rainha do lar. Queria dizer que ela pode segurar a tocha da coragem e do desejo de mostrar a igualdade entre homens e mulheres.”

Lygia fagundes telles

A autora encoraja ainda os leitores a lerem as suas obras “Faço um convite ao jovem leitor: Me leia. Não me deixe morrer”.

Pode deixar, Lygia! Suas obras já são eternas!