Prosa de Casamento

Cerca de 523 frases e pensamentos: Prosa de Casamento

Canto as dores
Canto o riso,
Canto as flores, o mar.
Sou canto em versos
Prosa,
Sou pedaços em cantos
Sou em todo canto pedaços.
Pois, pois...ensinaste-me
Que quando se quer
Susbstitui
Arranja-se jeitos de jeito
Valeu,
Aos cegos precisa-se
Mostrar o caminho
Onde pisar
Em que não pisar.

Leônia Teixeira
Inserida por LeoniaTeixeira

Detalhes [Sobre ela]
As vezes ela era ventania.
As vezes doce.
As vezes amarga.
As vezes prosa.
As vezes poesia.
As vezes sonho.
As vezes tormento.
As vezes mulher.
As vezes menina.
As vezes solidão.
As vezes companhia.
As vezes guerra.
As vezes paz.
As vezes cores.
As vezes sabores.
As vezes desarranjo.
As vezes decência.
Ela era falha, mais ela é um raio de sol surgindo em meio as nuvens de um dia nublado.
Ela era pequena, mais os sonhos dela à tornavam pura imensidão.
Ela era flores brotando na minha alma.
Ela aprendeu a buscar a liberdade, quando descobriu o calor intenso da vida.
Ela sempre foi simplicidade com uma dose de afeto, e sua maior grandeza era a gratidão.

Martins P.
Inserida por maisdopamine

Prosa de mãe e filha,

É tão pequenino,
Ainda não sou capaz de sentir,
Mas algo pulsa dentro de mim,
Cresce, mexe,
Mexe e cresce,
Descobri!
Afagos na barriga sem fim,
Quarto rosa?
Amarelo? Lilás?
Eu não sou tradicional,
Talvez erva-doce,
Ou leve tom chá,
Tudo deve estar pronto
Para o seu nascer,
O novo despertar.
Arcos? Lacinhos?
A hora do banho,
Quem irá me ajudar?
A vovó, atenta,
Aos primeiros passos
À mamãe de primeira viagem
Aconselhar.
Vem o embrulhinho
Como um pacotinho
Trazido pelos braços do pai,
Chora criancinha, faminta,
Já sabendo aonde poderá se alimentar.
Mamãe, os meus pequenos olhos estão abertos,
Nada dispersos
E mesmo sem muito enxergar
Conheço o seu cheirinho,
Em seu colo eu quero me ninar.
Eu estava acostumada
Com a água morna,
Lugar em que me carregava
Antes de eu chegar.
Portanto, não se desespere se eu estranhar.
Deixe-me assim, embaladinha,
Toda rosada,
Ainda em posição fetal,
Há nove meses
O seu corpo era a minha casa,
Já vou crescer,
Cresci!
Faço pirraça, subo nos móveis,
_Filha, desça daí!
Perdeu os primeiros dentes,
Farei um cordão,
Nossa, como está comprida, menina!
Mãe,
Quero mochila nova,
Compra um caderno?
Um quarto de princesa?
Um livro encantado!
Quero uma festa.
O dever será em casa,
Vêm as amigas!
Filha,
Você se lembra daquele dia?
Boa noite, mamãe,
Não tranque o portão,
Volto tarde!
Cuidado filha,
Não se demore demais,
_ Esse é o meu namorado!
Mas já?
O nome dele é João,
E o que faz?
Ah, mãe, ele surfa.
Tudo acabou...
A fase da desilusão.
Filha, isso passa.
_ Ele partiu o meu coração.
Mamãe está aqui.
Mãe, ligue para os salgados,
Por favor!
A festa de colação.
_ Que orgulho, querida!
Marcha nupcial,
Papai me leva no altar.
Estou aqui, minha filha,
Para o que precisar,
A casa vazia,
Álbuns para recordar,
E mais tarde mesa
Cheia de bolos, doces e gostosuras,
O primeira neto está por chegar.
Qual será o nome?
O que iremos aproveitar?
Boa noite, vovó,
Até mais, mamãe!
Eu ligo pra senhora
Pra marcamos o jantar!

Keyla Fogaça
Inserida por keylafogaca

"(A)doravelmente teimosa ela toda prosa que encanta com sua musicalidade,
(M)ais que especial este riso fácil aliado ao modo irreverente de brincar,
(A)nda toda prosa com o que lhe faz feliz quando manhosa não esconde o choro do que entristece,
(N)otas musicais compõe o dom que ela possui de encantar e gritar as coisas boas da vida.
(D)iante todas circunstâncias ela exclama todo talento que possui de nos cativar em liberdade.
(A)qui me despeço em um singelo verso a quem possuo muito carinho."

Ps. Para minha adorável amiga!
Amanda Gomes

Victor Verano
Inserida por Amandagf

Despedida

Meu coração, de poetar-te, delira
Escreve rascunhos cegos e sem vida
Com prosa sem cor e de mentira
E não se pode ser lida nem ouvida
São gestos e olhares de um caipira
Onde a alma se vê enlouquecida
Nas mesmas estórias e mistério
O meu amor por ti, anda de partida
Assim escrevo com tal despautério
O que sinto, frágil, faço em despedida
Saiba tudo passa, a dor tem cautério...

Luciano Spagnol

Luciano Spagnol - Poeta mineiro do cerrado
Inserida por LucianoSpagnol

UMA ROSA

Uma rosa é uma rosa
De uma beleza caprichosa
De um perfume em prosa
É comunhão, é joia preciosa

Uma rosa faz sedução
Em ramalhete e ou botão
É fecho para o coração
Dengosa, alicia a emoção

Tão fulgaz em sua real vida
A rosa flor se faz em despedida
Majestosa, torna-se flor despida
Uma rosa sempre uma rosa. Garrida!

Luciano Spagnol

Luciano Spagnol - Poeta mineiro do cerrado
Inserida por LucianoSpagnol

Sobre o Amor:
AMOR, INTENSO AMOR

O amor é, e sempre será:

Cantado, entoado em prosa e verso!

Do amanhecer ao entardecer de nossas doces primaveras,

À luz do Sol e da Lua,quiseras

Que nunca acabado.



Assim sejas:Iluminado,

pelos sorrisos dos amantes.

Fruto, de esperas constantes.


Laborioso, ditoso,vislumbrante.
Assim sejas:
Amor, intenso amor!

Benisse Evangelista
Inserida por BenisseEvangelista

Antonte encontrei um rapaz
Menino, ele falava demais
De tanto escutar sua prosa
Esqueci de tudo lá fora
Tentei sair de fininho
Mas o moço não parava mais
E a fala era das boas
Quando menos assustei
Já era depois das seis
Esse povo lá da roça
Quando garra numa prosa
A gente desliga de tudo
E a conversa não acaba mais.

Odilon Euzébio
Inserida por odiloneuzebio

Sou poeta-escritor, entre os meus melhores livros de prosa destaco o Moralista e Ensaio sobre a loucura, são livros que desconstroem ilusões, não são confortos para almas deprimidas.
Edito revistas e jornais há muitos anos, sempre com o foco na divulgação de autores nacionais, sou editor, realizo projetos não sou vendedor de sonhos. Sem nenhuma alusão a Augusto Cury é claro, pois como escritor Augusto é um ótimo psicanalista.
Suas tesses são superficiais, mas são importantes para literatura médica, como tratamento psicológico, mas como literatura são tão ruins como as de Paulo Coelho.
Não é à toa que ambos vivem discutindo quem é melhor ilusionista, quem vende mais livros, coisas desta natureza.

Evan do carmo
Inserida por EvandoCarmo

Pensamento ,poesia,verso e prosa ...........

Eu sou o grito da poesia , sou a rima da canção , sou a voz q ecoa os sonoros e vibrantes sons q chegam ao coração .
Sou fagulha ascendente do seu desejo, sou a alegria,sou o gracejo ...
Sou a simplicidade da vida,sou a vida,sou a vida !
Sou amor q se esconde,q tem medo de aparecer ,
Sou este amor,amor q faz viver .
Sou de fácil aceitação,porém, difícil de descrever ...
Sou o sol q brilha, q traz luz ao dia , q reluz alegria,
Sou aquilo q traduz tudo q se aplica ,sou sinergia .
Sou a vida,sou o amor,eu sou a verdadeira poesia !

Warkley D'Assis
Inserida por Warkley

Élcio José Martins
GUARANÉSIA
Essa cidade já foi contada em verso, prosa e canção,
Sua semente já colheu muitos frutos pra nação.
Sempre foi um marco na cultura e educação,
Tem teatro de alto nível e carnaval para o povão.

O rio canoas beijou a sua face,
Pássaro da ilha disse me abrace.
Sua história é rica como ouro,
Seus filhos a beleza do beija-flor-besouro.

Rio canoas já foi capivaras,
Tinham pássaros em revoadas, sabiás, canarinhos e araras.
Animais os mais diversos e espécimes raras,
Todos vivendo livremente, sem gaiolas, sem currais, quem dera haras.

O seu primeiro nome que até hoje ecoa,
Tem referência ao emigrante José Maria Ulhoa.
À margem do Rio canoas seu nome entoas,
Batizado em suas águas como Santa Bárbara das Canoas.

Próximo à sua moradia uma capela construiu,
Por devoção à Santa Bárbara seu nome atribuiu.
Por desígnios da divina providência um fato ocorreu,
Um milagre de Santa Bárbara um homem protegeu.

Na derrubada da mata um grande tronco cairia,
Um pobre homem que ali estava certamente atingiria.
Santa Bárbara protetora esse homem salvaria,
As raízes de uma árvore desse tronco, livraria,

Seus companheiros murmuraram Milagre! Milagre! Milagre!...,
Santa Bárbara o salvou. Isso foi Milagre!...,
Num instante tudo silenciou, e, trêmulos de emoção,
Escolheram Santa Bárbara como a Santa do coração.

José Martins e Manoel Fernandes Varanda, impressionados, resolveram doar,
O terreno à capela para nele um povoado edificar.
Viajantes e mascates eram seus visitantes,
De joias a escravos eram eles comerciantes.
Em 1838, como prêmio, distrito se tornou,
Distrito de Paz de Santa Bárbara das Canoas denominou.
Subordinou-se ao termo de São Carlos de Jacui,
Foi jurisdicionado à comarca de Sapucaí.

Em 16 de setembro de 1901 o município foi criado,
Denominado Guaranésia pra criar o seu legado.
Significa pássaro da ilha um pássaro encantado,
Da tríade de escolha ele foi o selecionado.

Gardênia e Tavarésia foram os outros relacionados,
São nomes especiais que até hoje são lembrados.
Santa Bárbara das Canoas, Gardênia e Tavarésia,
Marcaram a linda história da querida Guaranésia.

Já foi estrada real, já teve trem de ferro e até avião,
Tinha casa bancária, comércio de arroz, milho e feijão.
Chora a velha estação sem locomotiva e sem vagão,
Que embarcou amores e riquezas para toda região.

Cidade de famílias nobres de muita tradição,
Grandes comerciantes desde a sua criação.
Professores renomados percorreram a nação,
Levando conhecimentos na cidade e no sertão.

Tem a cana, o álcool e o algodão,
Café é a maior exploração.
Tem panos de prato, cabines e mangueiras,
Secos e molhados, tijolos e madeiras.

Santa Margarida marca a história da cidade,
Fez parte do progresso desde a sua mocidade.
Foi a mãe da indústria têxtil tecendo a humildade,
Teceu o cidadão, deu guarida, deu o pão e muita dignidade.

As casas bancárias se multiplicaram,
As indústrias se transformaram.
As escolas recebem o reconhecimento,
Pelo alimento do intelecto e a costura do conhecimento.

Do fórum a justiça,
Do lar dos velhinhos o afeto e o carinho,
Da APAE a esperança,
Do CESG caminho e confiança.

Lar São Vicente de Paulo,


Esta cidade tem portas abertas,
Não tem demandas, exagera nas ofertas.
Recebe seus novos cidadãos com a alma e o coração,
Aqui não tem origem, não tem cor, não tem separação.

Guaranésia tem sua história,
Seu povo boa memória.
Não perde o trem da saudade, pois sabe quem faz a hora,
Já foi mocinha hoje é uma grande e bela senhora.

Viva Guaranésia das manhãs orvalhadas,
De estradas de terra que hoje foram asfaltadas.
Do menino de pé no chão, sem agasalho e sem tostão,
Do cinema, do jardim, e do namoro, pegar na mão.

Do Lions Clube a Fernando Osório,
Da igreja, Monsenhor Grella e o santuário.
Santa Casa a equipe de prontidão,
Dos atletas campeões da famosa geração.

Fica um pouco de saudade,
Mas firme na realidade.
Nossa cidade se tornou,
Tudo aquilo que seu povo um dia semeou.

Élcio José Martins

ElcioJose
Inserida por Elciojose

O BELO


A Floresta me basta.
Não que seja o lar,
mas ela é veicu-lar.

Não basta eu entrar na floresta,
ela tem que entrar dentro de mim.

Desta forma eu encontro a paz
e com a paz dispenso os meus sentidos.

Os sentidos não fazem sentido.

Não confuda um poeta com um buda.
Um buda é um poeta, cuja vida virou poesia,
mas um poeta é alguém que se ilude com a beleza.

A beleza é uma ilusão,
pois a visão pode acabar,
e os ouvidos podem falir.

Então não haverá
o belo meneio das folhas luminosas
nem se ouvirá os sons do bosque.

Como saber se a ipoméia
e as hortências
ficaram azuis?

A função da floresta é me
conduzir ao vazio,
um vazio sem sentido algum.

Arnaldo Leles

Contato Leal

o seu sorriso me fez encantar
e o nosso acaso de caso sem nos notar
e vc atoa só para dançar
e mostro que fui feito para amar

O seu corpo todo a me desejar
o seu olhar me come com um jantar
seu nego estava a lhe esperar
e em sua vida eu tive que entrar

O seu sorriso aprumava as suas belas feias
planando nos meus olhos num passo leal
que me preparavam para sua ceia
e acordo vendo sua fome num passado real.


Você com a lealdade registrada exagera demais
fez bagunça na realidade desse pobre rapaz
transportou o seu passado me tirando a paz
que só fui atracar em seu cais


Acabou com o seu antigo rapaz
por ele cansar de ser seu capataz
só fui te mostrar como se faz
vc me mostrou que não era capaz

enxergue que eu não trago a mesma dor
acabou com todo o nosso fervor
te largo como quem larga um apontador
e vou embora com a sua dor

Marcus Menezes
Inserida por MacusMenezes

[ Eu Até esperei ]

O tempo abrir, o sol brilhar,
a tarde chegar, nuvem sorrir.
Relógio correr, pessoa do ônibus descer,
Barco seguir.

Homem correr, Mulher chorar,
Quem não ama, amar... Trem partir.
Senhora andar, criança engatinhar,
Grávida parir.

Coruja voar, cílio pestanejar,
Bebum beber, parede ceder, saliva engolir.
Dorminhoco sonhar, brigão brigar
Ladrão escapar, escola abrir.

Cego enxergar, coração dilacerar
Fé se abalar, perdedor admitir.
Mulambo se limpar, calçado esfrangalhar,
calado: gritar, dor na coluna sentir.

Estrela do mar, cometa passar
Galinha cacarejar, flor... florir.
Corpo padecer, lua aparecer,
Pôr do sol chegar, noite triunfar
... Você não vir.

Mário Pires
Inserida por mariopires

Ricardo Cabús

O álcool nosso de cada dia

Há uma expressão em inglês que é muito interessante e que nesse momento veio-me à mente: ‘take it for granted’. Uma tradução possível para o português seria ‘dar algo como certo por antecipação’. O porquê dessa lembrança eu conto a seguir.

Estou tentando escrever um artigo em meu computador e o mouse não quer me obedecer. Ratos em geral são desobedientes, é verdade. Mas o eletrônico costuma ser submisso. Quando acontece algo desabonador, como não levar o cursor ao devido lugar da tela, pode significar que há alguma sujeira na área. Nesse caso, para voltar ao pleno domínio da situação basta limpá-lo. Pois é, a obediência de um rato eletrônico, diferentemente do natural, pode estar diretamente relacionada ao seu asseio. E se quisermos analisar de forma, digamos, endobiônica, não à limpeza externa, mas à interna. Assim, decido verificar o seu teor de sujidade. Coloco-o de ponta-cabeça e abro o compartimento que contém uma esfera, responsável pelo funcionamento da geringonça. Tudo bem, dispositivo; a ira não gosta de substantivos neutros. Então retiro a bolinha e imediatamente percebo que a chafurda é verdadeira e suficiente para deixar o rato para lá de insubordinado. Ora, penso, nada que um cotonete com álcool não resolva. Em poucos segundos os conectores estarão limpos e o rato voltará cegamente a seguir minhas ordens. Simples! Simples? Simples, desde que houvesse álcool.

E é aí que vem a questão. Um alagoano como eu – acostumado a viver arrodeado de cana-de-açúcar e ver álcool à venda em qualquer bodega da minha cidade – jamais poderia imaginar que não houvesse álcool à venda aqui na Inglaterra, berço da revolução industrial, classificada como ‘país de primeiro mundo’, e procure elogios, que você acha... Acha tudo, até macaxeira, menos álcool.

E como tudo tem seu motivo, apesar de nem sempre concordarmos com ele, a ausência de álcool nas prateleiras dos supermercados, farmácias e congêneres deve-se simplesmente a um fato: os ingleses bebê-lo-iam. Soa estranho? A mesóclise ou o significado da frase?

Mas o pretexto é esse. Concordar é outra história. O índice de alcoolismo por aqui é bastante alto. A maneira de combatê-lo é que é esquisita, além de não haver álcool comum para ser comprado por pessoas comuns, os bares geralmente só ficam abertos até as 11 da noite. No entanto você pode começar a beber a partir das 11 da manhã, se assim quiser. Eu hem?

Sim, mas voltando ao meu computador, faço o que vi um nativo fazer outro dia: uso minhas unhas para tirar o possível da sujeira existente na barriga do rato, dou um belo sopro, com direito a uma baforada de poeira, recoloco a pelota, tampo o bicho e bola pra frente que é jogo de campeonato.

Ricardo Cabús
Inserida por TutyP

NÃO SEI O TEU NOME

Não sei o teu nome
Perdi-me no teu olhar;
Me encantei pela tua simplicidade;
Me apaixonei pelo lindo sorriso
Meus lábios almejam os seus
Meus pensamentos giram em torno de ti
Não sei o teu nome
Só sei que o teu balazar embriaga a minha carne de desejos
E me deixa sem jeito.

Nzongo Branco Dias
Inserida por Nzongodias

Eu gostaria que nos meus sonhos...
Gostaria que a Terra girasse devagar
É difícil, eu preferiria estar adormecido
Você não está ao meu lado,
Quando estou acordado
Porque meus sonhos são todos seus
Adormecer é apenas o meu único desejo
Logo para eu poder vê-la nos meus sonhos

Agora adormecido posso acreditar em tudo
A Terra gira mais devagar, pois no meu sonho
Faço a girar mais devagar para poder...
Poder passar mais tempo ao seu lado
A Terra gira como uma tartaruga
Nos meus sonhos eu tenho tudo...
Eu tenho todo tempo do mundo
Para te ver sorrir.

Francisco Carlos de Mello Junior
Inserida por Cisco

Às vezes me deparo olhando para o céu
Vejo um brilho intenso, será uma estrela?
Com esse brilho intenso se destaca entre todas as outras,
Mas não, não é uma simples estrela...
É a estrela mais linda e brilhante jamais vista...
Em toda a imensidão infinita chamada espaço
É mais suave e brilhante que a própria Lua,
É mais intensa e calorosa que o próprio Sol
Mesmo que um dia não seja mais possível ver estrelas no céu
Mesmo que um dia eu fique cego
Mesmo que um dia eu morra...
Eu sei, sem duvida que essa estrela
Sempre estará lá, brilhando mais que todo o universo junto.

Francisco Carlos de Mello Junior
Inserida por Cisco

Fiapos de Memórias

Se fui pobre não me lembro! Mas lembro de que já cai de caminhão de mudanças.
E isso é coisa de pobre. Ricos contratam empresas, delegam tarefas, colocam
os filhos confortavelmente em seus carros, enquanto funcionários embalam taças
de cristais, xícaras de porcelanas e telas de pintores renomados.

E nós? Como era engraçado. Na véspera arrumávamos caixas de papelão e muitos jornais, embalávamos os copos de vidros as xícaras de louças e portas retratos
com fotos da família. Enquanto todos estavam ocupados, furtivamente fui ao portão do vizinho, despedir-me do menino da lambreta, prometendo-lhe escrever.

Eufóricos com o prenúncio da aventura íamos dormir.
Com a claridade que precede o nascer do sol, meu pai nos acordava, tomávamos café preto com bolinhos de fubá. Lá íamos nós! Minha mãe se ajeitava na cabine
com os três filhos menores, junto ao motorista, e meu pai na carroceria com outros seis filhos incluindo eu. Partíamos rumo ao destino desconhecido.

A mesa da cozinha mais parecia uma espécie de barraca, o colchão em baixo amortecia os solavancos, com a lona por cima e o resto das tralhas espalhadas por todos os lados, uma pequena abertura na lona, nos servia de janela, que era disputada por todos.
Exceto por uma irmã, que com mania de grandeza, não fazia questão de ficar na janela improvisada, morria de vergonha que alguém a visse.

Mas eu me divertia! Acenava a todos, e foi assim que eu cai do caminhão. Foi um susto danado, achei que ia ficar para trás. A gritaria foi geral dentro do caminhão, mas foi alguém da calçada, quem conseguiu alertar o motorista. Reboliço total,joelhos e cotovelos ralados, broncas, risos e beijos. Para compensar tudo isso, uma
parada na beira da estrada, para um sortido, “prato feito”.

A irmã com mania de grandeza fingia que a aquela família não era a dela...
Seguíamos a nossa viagem, que hoje sei que era para um lugar no litoral do Paraná,onde meu pai dizia: O mar de lá tem muitos peixes e nada vai nos faltar.

Leila Mustafa
Inserida por leila2009

O Diálogo das Flores

Amanhece, o clarão da luz do dia entra pela
fresta da janela. Lá fora as flores do jardim,
começam a se abrir para o dia que se inicia...

Tímidas e silenciosas, cochicham entre si sobre
como a lua estava bela na noite que passou
e como o orvalho as acariciou durante o sono...

Estavam felizes, mas se perguntavam; porque
está tão triste a moça por trás daquela janela?
sabia-se que ela tinha perdido um amor...

Mas diziam: Como ela perdeu o que nunca teve?
A Rosa olha o Cravo ao seu lado e pensa; mesmo
que eu não o tenho, ele sempre estará por aqui...

O Jasmim, como se lesse o que ela pensou, lhe
diz: Não se iluda Rosa, alguém pode arrancá-lo,
e ela respondeu: A moça triste não deixaria,
afinal somos suas flores favoritas...
Ela até nos presenteou com um poema:
“A Rosa e o Cravo”.

O Girassol ao longe gritou:
Rosa atrevida, ela nos ama igualmente
temos que nos unirmos para alegrar o seu dia...

O Cravo, até então calado em seu canto, decidiu
intervir. Quando ela vir até nós, exalaremos
perfumes ao seu redor.
A Dama da Noite, por motivos óbvios preferiu
não se envolver...

E o Cravo continuou: Que venham os pássaros
cantando uma canção, borboletas decorando
o clarão da natureza, com delicados tons, como
fadas brilhantes pintadas em telas...

A moça triste, se aproxima, ao ver o jardim
tão lindo, um leve sorriso se abre em seu rosto...
Ela senta na relva úmida pelo orvalho da manhã

Fica absorta em seus pensamentos admirando
tudo em silêncio...
Naquela paz interior pensa: Amanhã é outro dia
vou deixar essa tristeza no ontem e viver o hoje
e quem sabe serei feliz no amanhã.

Leila Mustafa
Inserida por leila2009