Poesia da Cerveja

Cerca de 191 poesia da Cerveja

Notas sobre mim.

Ele escolheu uma cerveja,
Um café,
E uma andança ilimitada,
Pela rua dos sonhos.

Matheus José
Inserida por matheusjose_s

No canto daquele bar
Eu pensei sem parar
Em você me amar
Novamente chorei, no canto do bar
Te encontrei em cada gole
Me perdi em cada olhar
Supliquei para que volte
Chorei, no canto daquele bar
Em cada gole veio uma lembrança
E feito uma criança desprotegida
Clamei aos garçons
Tua presença em minha vida
Céu estrelado na volta pra casa
Cada vulto era estranho
Cada lembrança tão prosaica
Cada lágrima, um banho
Toda calçada, inacabada
Chegando em casa
A porta me fugia
Como teu olhar um dia
Me deu aquelas asas
Entrei em meu lar
Fugi para a cama
Pela janela escorria o olhar
Lembro
Chorei no canto daquele bar.

Kevin Martins
Inserida por kevinmartins6
1 compartilhamento

Que inveja eu tenho
Do teu espelho
Ele te viu em dias ruins
Dias de zelo
Dias de coragem
Dias de medo
Dias sem maquiagem
Dias chegando cedo
Outros, tarde
Dias no aconchego
Os dias sem eu
Os dias com teu ego
Dias que estive perto
Dias que estive longe
Dias que me quis perto
Dias que me quis longe
Falando sozinha
Ou no silêncio de um monge
Teu espelho
Que inveja
Cada momento embaçado
Cada momento na tua mesa
Às vezes jogado
Como eu e esta cerveja.

Kevin Martins
Inserida por kevinmartins6
1 compartilhamento

O que estão pensando?
Elas me olham se perguntando
Sem querer
Seus olhos riem chorando
Mas continuo pensando
Elas me olhando
Dupla curiosa
Não que eu não seja
Trocaria uma prosa
Mas e essa cerveja?
Deixo em cima da mesa?
Mal sabem
Que em mim habita cada tristeza
Não olhariam tão curiosas
Se soubessem o que tem atrás dessa mesa.

Kevin Martins
Inserida por kevinmartins6
1 compartilhamento

Comprar um violão 300,00
Encher o saco do irmão para ensinar a tocar R$ umas brejas
Chegar a conclusão que sou uma analfabeta musical não tem preço....
Eu queria sair tocando ... Legião Urbana, Cassia Eller..
Mas não saio do... mi...Sol... e ritmo cade ? passou longeee socorrrrroooo

Renata Quintas
Inserida por RenataQuintas
1 compartilhamento

IPIRANGA

Entre amigos,
gargalhadas,
poemas a declamar,
ouvidos atentos.

Néctar fermentado,
não me faz tremer,
poema citado,
agora podemos beber.

Beber e ler,
antes do sol nascer,
do bar fechar e
o som desligar.

Pés errados no meio fio,
visão embaçada,
palavras dobradas.

Somos tão jovens,
Como Renato,
selvagens.

Bexigas cheias de cerveja,
banheiros do posto am/pm
pensamentos embaralhados,
ser-veja.

Sentir-se sóbrio após mijar,
apenas mais um efeito do álcool,
que resulta em poesia.

Andressa Fernandes
Inserida por AndressaFernandes
1 compartilhamento

O calor fazia com que as pessoas saíssem de suas casas, como formigas do formigueiro. Se reuniam em bares. Eu andava sobre a calçada, pois precisava, senão nunca escolheria fazer isso.
Os beijos, os abraços, as conversas e os sorrisos me incomodavam.
E eu continuava com os olhos do inverno. Cabisbaixo e com o olhar esquivo. Andando pelo canto da calçada, beirando os muros. Procurando o frio da minha casa e me acalentando ao encher o peito de fumaça, em me embriagar sozinho.
O que mais me deixava infeliz era perceber que acendi o último cigarro ao contrário... E também que a vida continuava.

Kevin Martins
Inserida por kevinmartins6
1 compartilhamento

- Garçom: Uma "cerva" bem gelada por favor...
Porque ainda que não seja sabão ou carregador de celular, ela lava alma e dá uma nova carga ao espírito.

Geyson Sylas
Inserida por Geysonsylas
1 compartilhamento

Segundo dia de cabeça vazia, sem compromisso, sem trabalho, sem família, sem amigos e totalmente sozinho. Não estou preocupado com o amanhã ou o passado, apenas quero curtir o meu momento. Esse momento é quando consigo colocar a cabeça no lugar e projetar o que há de bom nessa vida.
Acredito que todos devem passar por essa experiência, mas nem todos tem essa sorte. Neste momento estou na companhia de uma pessoa problemática, com a cabeça totalmente poluída de pensamento inúteis e preocupações excessivas e ridículas.
Minha companhia está preocupada com o futuro que ainda não aconteceu e não se sabe se vai acontecer.
Falamos sobre contos eróticos, que é a única coisa que ela escreve direito e escutei o desabafo sobre sua vida pessoal. Nos contos eróticos, fui tomado por uma sessão de êxtase e de bem estar, tanto que avancei o sinal em 100 por cento e nos beijamos.
Porém, nos momentos agradáveis fui surpreendido por Oxalá. Um espírito denominado Jesus Cristo. Não sou religioso nem ateu, tenho meu Deus e isso já é o suficiente.
Minha companhia sentiu que desrespeitou o Orixá, por portar uma guia branca em seu pescoço. Não tenho palavra para descrever o que eu senti, talvez medo ou frustação. Mas como todo homem deveria ser, respeitei e continuamos na companhia da cerveja, pão e salame.

Diogo e Gabriela
Inserida por diogobrito7
1 compartilhamento

Borracho


Com as chaves nas mãos
Entrei pela porta da frente.

Não!
Entrei pela porta da frente depois de arrombá-la com os pés.

Não!
Meti o pé na porta e ninguém entrou na frente.

Não!
Entrei na ponta dos pés
Pela porta de trás
Depois de a porta da frente não abrir de jeito nenhum.

Malditas cervejas! Malditas chaves! Malditas portas!
E maldita parede, que não para de se mover.

JWPapa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

Toma seu copo

Você faz todas as minhas vontades
E quer me dar até o que não preciso nem queria
E irrita-se se eu negar seus presentes
E quando tô ébrio vem pra cima e se incita
Mas olha, tô do seu lado
Não vou daqui ultrapassar
Quando nego suas graças
Estou dizendo, além disso, não vai rolar
Pare, pare um pouco de me chamar.
A cerveja esquenta
O corpo esfria
A mente viaja
E chega noutro dia
Quando o corpo era quente
E a mente, de repente, ficava vazia.

D. Azevedo
Inserida por AZEVEDODouglas
1 compartilhamento

NOTAS SOBRE A CEVA...
Ela não é pura, e ninguém é,
Ela te tras sossego,
 as vezes causa dor de cabeça,
Pode tornar-se um vicio, pra muitos é algo ruim,
Nos dias de sol esta presente e nos de chuva tambem,
É uma boa amiga, companheira e por vezes até um remedio.
Com ela conseguimos rir do que normalmente nos passa despercebido,
Esquecemos de tomar agua, mesmo sabendo que hidrata mas nela pensamos a todo momento, na falta que faz e no prazer de ter algumas na geladeira.

Tamara Machado
Inserida por tamaragot
1 compartilhamento

Cachaça.
O possível se faz tão presente, se sente e às vezes mente.
A beleza já não é rara, nem cara, esvai-se da cara.
O amor se torna tão simples, declara, declama e ama.
O Dinheiro desaparecido, já nem faz sentido, o pouco contido o torna enriquecido.
O amigo do peito, todo sujeito, trata com jeito o gargalho ao esquentar seu peito.
O tempo presente é o que se sente, sem lembranças do ontem, tudo insano, porém sem dano.
Aquilo nunca mais, a dor latejante o leva dizer somente a si: Foi a ultima vez!
Um doce engano, nem bem esqueceu, já volta a ilusão que essa mesma ação, tem toda razão.
Desperta pra vida em meio as dores e volta dizer: nunca mais vou beber!

Geraldo Reis M. Fontes
Inserida por Geraldodosreis
1 compartilhamento

Simples Assim.
Gosto do simples, do pé no chão, do ficar de cócoras. Gosto de água de pote, de cantiga de ninar, de beira de rio, de trote de cavalo, de pôr do sol e do brilho da lua. Olhar o entardecer e ver aquele sol quase morrendo na colina, me dá uma sensação de euforia, de saudade. Já tentou observar um ninho de passarinho? Quanta força a natureza revela naquela sutileza dos galinhos trançados. Assim vivo. Sou meio raizeiro, acredito em chá, em planta, em erva-santa e em benzedeira. Poesia de matuto? Quase choro quando escuto. Velhos sábios, cantado de porteira, espuma de cachoeira. Gosto de causos de assombro, de festa de roça e de cheiro de gente.
Dou rizadas das presepadas das crianças de pernas cinzentas e de riso doce e fácil. Gosto de criança e de cachorro. Sou assim. Quer me agradar? Me dê um beijo, um abraço apertado, um bom dia, um olá. Divida comigo um copo de cerveja, cante comigo uma canção. Morda minha orelha e diga que me ama. Deite se em meu peito e durma, porque amanhã será mais um dia feliz.
Charles Valente

Charles Valente
Inserida por CharlesValente
1 compartilhamento

Onde Ela Mora

Vou embora pra Bahia
Porque lá é onde ela mora
num cortiço do Pelourin
Beco estreito, um botequim
Onde rola um samba arretado
cerveja, acarajé e a manga rosa tarpeado
aquele gingado da danada
E o sorriso de mão beijada
enfeitiçou meu coração
flexada exata, mexeu cá minha emoção
seu rebolado d'arerê
combina com o dendê
que apimenta nossa relação
quero de volta essa preta
deitada em meu colchão
seu perfume é brisa
essencia de rosas brancas e artemisia
o Nag Champa pode até tá rolando
Mas devido a sua presença
é só teu cheiro exalando
em extrema conexão
nossos olhares mesmo distantes
se atraem
deixando assim meu coração
saudoso e ansioso
acelerado quase parado
na subida da ladeira
que ela tá me esperando.

Thiago Gralha
Inserida por tgralha
1 compartilhamento

O copo vazio, sem alma
como mágica , se transforma em um cálice de ouro
e tocam-se no ar , ao som das vozes que em uníssono clamam
Saúde !

Luiz Fernando Adelantado
Inserida por FernandoAdelantado
1 compartilhamento

As melhores marcas de cerveja que eu já tomei na minha vida foram aquelas que eu degustei na companhia dos meus bons amigos. Nenhum rótulo de papel ou garrafa vazia são mais importantes que o valor, o sabor e a parceria das verdadeiras amizades. Boêmio que é boêmio de verdade tem estilo, e não frescura. TIM-TIM! UM BRINDE À CERVEJA, À UNIÃO ENTRE VELHOS AMIGOS, E ÀS NOSSAS INESQUECÍVEIS AVENTURAS!

Renée Venâncio
2 compartilhamentos

O melhor lance da partida acontece quando você está olhando pro placar ou comprando uma cerveja. Tudo sendo igual pros dois adversários, você perde. Obs.: Leis do Esporte.

Edward Aloysius Murphy
2 compartilhamentos

O pesadelo do homem: tem jogo na TV e a cerveja acabou. O pesadelo da mulher: tem festa de noite e a chapinha queimou.

Gabriel Silva
2 compartilhamentos

foi a primeira vez que saímos juntos. ele pediu cerveja. brahma. minha favorita. conversa vai e vem. ele citou chico. achei clichê, mas gostei. falamos daquela música de Luiz Melodia, e daquela outra de Céu. os mesmos gostos. o mesmo tom. a mesma nota musical. ele falava olhando nos meus olhos. isso me deixou meio nervosa. ele não falava gírias o tempo todo. eu gostei. não falava em modernidades, celulares, carros e outras chatices. adorou quando atendi meu telefone velho, mostrou o seu ainda mais velho. eu usava unhas cinzas, não sei se ele gostou. talvez tenha achado estranho. ele usava barba. eu gosto. faz cócegas gostosas e é sexy. ele se desculpou por não tê-la feito. eu sorri e disse que era barbudete. ele sorriu. ele gostou, eu notei. ele tinha um cheiro bom e nossas mãos se encaixaram de um modo calmo. nos olhamos. ficamos calados por uns segundos. nos beijamos. ele tinha a boca macia. não aguentei..mordi! de leve. ele me beijou forte. meu corpo suspirou e fiquei trêmula. sofri um abalo sísmico. ele sorriu. eu sorri. sorrimos juntos. meus olhos brilharam, e me entregaram. minhas placas tectônicas se chocaram. e eu sei que ele notou. ou sentiu. o mundo parou. respirei fundo, e deixei a maré alta subir. ouvi uma canção de elvis na minha cabeça. can't help falling in love. de repente uma calma. soube naquele momento que o novo havia chegado. o amor esticou a mão lá de cima, me agarrei forte e tirei os pés do chão. na mesma noite, amanhecemos olhando o mar. tanto clichê assim, só pode ser amor. e quem vai dizer que não é?

Luna Costta
2 compartilhamentos