Poemas de Índio

Cerca de 71 poemas de Índio

Sítio Histórico

O branco veio
explorou o índio, explorou o negro
a construir prédios
que se não prisão, não freqüentaram.
O branco veio
usou o índio, usou o negro
a servir em prédios
que se deu riqueza, não repassaram.

O branco vê
os filhos índios, os filhos negros
a bendizer prédios
que se viu nobreza, sequer pisaram.
O branco vê
que os filhos índios, que os filhos negros
se em nome de prédios
pedem trocados, é pela riqueza que edificaram.

Lucian Rodrigues Cardoso
Inserida por lucian1989

O Guarani


Peri ama Ceci
Isabel ama Alvaro
Que ama Ceci
Peri índio goitacá
De olhar profundo e de fidelidade voraz
Um amor no meio de uma batalha
Ganancia de Don Loredano
Tal como a obra Shakespeariana
Isabel e Alvaro morrem juntos...
Mas o ataque dos Aimorés
Fará a casa de Don Antonio sucumbir
Ele entrega Ceci a Peri
O batiza como cristão
E assim se vão
A casa de Don Antonio se acaba numa explosão
Mas o tal amor ainda iria passar
Por algumas provações
Num tempestade viu Ceci tudo acabar
Mas Peri indio valente pede pra Tupã os guardar
E á sombra da lenda de Tamandaré
Peri numa palmeira faz canoa
Descem o rio e água se escoa...
Perpetua-se o amor
De Peri por Ceci...


Baseado na obra de José de Alencar - O guarani

Letícia Andrea Pessôa
Inserida por LeticiaAndreaPessoa

Índio, lhe peço perdão
pela soberba, avareza, enganação
pela tirania, hipocrisia, zombação
Índio! lhe peço perdão
pela ignorância, maldade, destruição
pela arrogância, ganancia, humilhação
Índio, me perdoe!
por pensar que sabia por ter tudo,
hoje sei quem não tem nada é que conhece o mundo
ÍNDIO ME PERDOE!

Luan da Silva Leal
Inserida por RafaelBrechtBoal

Que não importe para você se sou branco, preto, pardo, mulato, índio, asiático ou latino.
Que não importe para você se sou gorda, magra, alta, baixa, obesa, anã, gigante.
Que não importe para você se me visto com roupas curtas ou cumpridas e uso cabelos curtos, longos, muito longos ou se sou careca.
Que não importe para você se eu sou casada, solteira, divorciada, viúva.
Que não importe para você se eu não queira filhos, nem bichos, nem casar, nem namorar .
Se importe apenas com minha essência e não com minha aparência.

Arcise Câmara
Inserida por Arcise

A idade da felicidade
é a idade da liberdade,
se é que liberdade tem idade...
Há o modo dos índios
que não contam as horas,
não contam o tempo...
Que apenas flutuam como folhas,
em comunhão com o vento...
Pode haver limitações na vida,
mas não na alma...
ou em pessoas que encontramos...
Se para se voar com as asas do coração,
o preço for uma prisão...
haverá sempre um escape... mesmo num feixe de luz...
que revigora a imaginação...
para quem sabe encontrar a felicidade...
Para quem tem alma de pássaro...
Simplesmente porque aprendeu a voar... com a felicidade...

mfpoton
Inserida por mfpoton

AMOR DE ÍNDIO

Tudo que move é sagrado
E remove as montanhas
Com todo cuidado, meu amor
Enquanto a chama arder
Todo dia te ver passar
Tudo viver a teu lado
Com o arco da promessa
Do azul pintado pra durar
Abelha fazendo mel
Vale o tempo que não voou
A estrela caiu do céu
O pedido que se pensou
O destino que se cumpriu
De sentir seu calor e ser todo
Todo dia é de viver
Para ser o que for e ser tudo
Sim, todo amor é sagrado
E o fruto do trabalho
É mais que sagrado, meu amor
A massa que faz o pão
Vale a luz do teu suor
Lembra que o sono é sagrado
E alimenta de horizontes
O tempo acordado de viver
No inverno te proteger
No verão sair pra pescar
No outono te conhecer
Primavera poder gostar
No estio me derreter
Pra na chuva dançar e andar junto
O destino que se cumpriu
De sentir seu calor e ser tudo

Beto Guedes
Inserida por MERCYA

☛❝No Brasil, todo mundo tem sangue de índio. Uns nas mãos, outros nas veias e outros na alma. Onde está o seu?❞

❝✪❞
◣◥◣◥◣◥◣◥◣◥◣◥◣◥◤◢◤◢◤◢◤◢◤◢◤◢◤◢
❖ ∂ιηηнσ¹
facebook.com/dinnho.1 ◕ @PereiraLimadp

Dinnho Beduzupo
Inserida por dinnhobeduzupo

“DEPOIMENTO DE ÍNDIO”

Avistei de longe, em meio aos montes, alguns barcos querendo atracar.
Desses barcos desceram pessoas bem vestidas, com trajes de invejar, não sabíamos nós índios, quantas tempestades iríamos enfrentar.
Eles eram portugueses, que nas mãos traziam espelhos, pentes e outras coisas mais.
Nos deram os espelhos....
Ao se avistarem nos espelhos o meu povo ficou maravilhado. Nunca tinham visto suas imagens refletidas antes, a não ser nas águas dos rios. Coitados, mal sabiam eles o quanto de coisas ruins estava para chegar.
Já eu, ao me avistar no espelho, vi refletido um povo, uma cultura e seus costumes destruídos pela ingenuidade, perdendo a identidade e a coragem de lutar.
Éramos um povo simples, sem malícia. Adorávamos a simplicidade e o modo de vida de lá. Mas infelizmente o homem é o maior destruidor da natureza, e de tudo que toca. E com o nosso povo... eles não foram diferentes.
O Brasil não foi descoberto, foi saqueado!
O que sei é que perdemos nossas terras, e a cada dia perdemos mais e mais. Mas não perdemos a nossa dignidade, nossa força, e a nossa coragem e a vontade de lutar.
Somos um povo forte, guerreiro, e não tememos nada!
A nossa cultura e os nossos costumes estão espalhados por todas as partes, por todo o Brasil.
Enquanto a nossa cultura e os nossos costumes se manterem vivos no coração de cada um dos brasileiros, o nosso povo não morrerás!

Autor: Lenilson Xavier (19/04/2016)

Lenilson Xavier (lexgrafia)
Inserida por lexgrafia

Todos pensam que o índio é selvagem
Mas parem para pensar
O índio não inventou o desemprego, nem à bomba nuclear
Não é o responsável pela pela fome mundial
Tão pouco pela miséria e opressão, que está latende no ar

Adalberto Bernardes
Inserida por Adalbernardes

Menino índio
Menino tupi
Menino de roça
Menino guarani

Menino do arado
Menino do mato
Menino do samba
Menino que canta

Menino criança
Menino que ama
Menino sereno
Menino que chama a mo-re-na
Assim... "Mi-nha"

Kátia Liberato
Inserida por KatiaLiberato

O Velho Indio Sábio Do Rio

O velho índio sábio
Tantas vezes um homem sério
Hoje finalmente ele sorriu
Pois ele é quem guarda e conhece
Todos os segredos
E mistérios do rio
E como a palma da sua mão
Conhece também
O profundo vazio
Que cerca e invade
O seu coração

O teu sorriso vivia esquecido
Até que um dia ele se abriu
Foi como de novo ele ter nascido
E tudo que é anjo do jardim saiu

Muita história ele tem pra contar
Algumas até são de arrepiar
O indio sabia de tudo
Mas não queria falar
Por isso fingia de cego
E outras vezes de mudo
Pois tinha medo do abismo
E de ser jogado no fim do mundo

O indio sabia demais
De todos os Mistérios
E segredos do rio
Desde ali até o cais
E até dentro do navio

O indio conhecia
A alma de cada pescador
Como quem conhece a cara
Que silencia um pecador
Ele sabia onde o seu calo apertava
E quem te causava essa dor
Quem botava a lenha na fogueira
E acendia a chama do amor.

valdenir de lima oliveira

COMO ÍNDIO
O que acontece de repente
Quando ela se pinta diante do espelho,
Batom, sobrancelhas e cílios...
Tomara que caia justinho,
Cambraia estampada,
Nem lembra dos filhos
O que fantasia, tão bela diante do espelho
Com poses e closes pra postar no face,
O marido disfarça, fingindo reler um jornal antigo,
Mas instiga, seus risos e bicos,
Meu amigo malandro metido a filósofo
Dizia que mulher é como índio
Quando se pinta quer guerra
E a vejo tão bela com a escova
E um decote generoso
Falando em lift e massagem
E uma taruagem na coxa,
Poxa ninguém é de ferro e parece provocação,
Mas tem a tal “maria da penha”
O que fazer com o ciúme
Se trejeitos e excesso de perfume
Me fizerem perder a cabeça?
Meu amigo dizia por experiencia própria
Que mulher é como índio
Quando se pinta quer guerra...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

Aupaba

Vejo a lança do índio guerreiro, que pesca no rio.
A flecha, o assobio.
O barulho de caça.
A mandioca que a índia amassa.
A goma fresquinha na coité.
A tribo dos índios kanidé.
Jenipapo e paiacus, que habitam a terra santa.
Ouço o barulho da mudança.
O cimento, o concreto da construção.
Ouço barulho de expulsão.
O índio teve que sair.
A terra que existe ali é caminho grande.
Foi cortada por ponte.
Temos que construir.

E no meio do nada nasceu o civil.
A ponte foi sendo erguida.
E o povo a seguia, e foi aumentando.
Aumentando!
E já é gente demais.
Lavadeira o que faz?
Lava roupa no rio.
Cozinheira no fogão.
Fazendo o feijão-de-corda.
Plantado a beira-rio.
Grande população.
Dentro do casarão.
E onde antes era só rio.
Hoje tem civilização.
Tem sujeito, e aquele vilarejo.

É como massa de pão.
Que cresce e cresce.
E que luta pelo direito.
E conseguiu se emancipar.
Com bravura com vontade.
Hoje tem identidade.
Tem história de verdade.
Povo sofrido que cresceu.
Ali naquele lugar.
Terra santa milagrosa, berço do homem da cruz.
Foi palco de um milagre.
Do nosso menino Jesus.
Terra rica de fartura.
Artesanato e cultura popular.
Muita castanha pra apanhar.

E seguir nesse enredo.
E na noite eu festejo, no forrozinho do bar.
E aqui nesse Chorozinho.
Tenho orgulho de morar.

W.M
Inserida por WallyssonWM

Eu sou o branco que tu vê
O negro que tu tanto discrimina e maltrata
O índio que tu mata
Sou o mesmo que você.

Nathalia Crisane
Inserida por NathaliaCrisane

Eu tenho orgulho da minha cor,
Do meu cabelo e do meu nariz.
Sou assim e sou feliz.
Índio, caboclo, cafuso, criolo ! Sou brasileiro!

Criolo - Rapper ( Sucrilhos )
Inserida por ANDREMURALHA

TATUAGEM

O índio é um cara inteligente.
Nunca picha o corpo com
tinta permanente.
Cada dia, um desenho diferente.
Mostra seu senso coerente,
prá não se arrepender eternamente.

Marcos Marques
Inserida por marcosmarques

Mateia Comigo

Que índio mais guapo
Que vem no cavalo mouro,
Dos olhos verdes,
E cabelo cor de ouro.

Traz no olhar a calmaria do pampa,
Mostra ser de fina estampa,
Sorriso profundo até
Parece ser o meu mundo.

Te achega pra cá,
Vem comigo matear,
Um mate com canela,
Eu vou lhe dar.

Milena Corrêa
Inserida por MilenaCorrea

PENSAMENTO DE ÍNDIO - 19/04/2014

Não pense que índio não pensa.
Quando o índio para pra pensar,
não é tão diferente de ninguém.
Ele pensa no passado, sua vida,
sua história e seus ancestrais.
Tira boas lembranças da memória
e recorda seus momentos de paz,
sua liberdade, sua comunidade,
sua intimidade com a natureza.
Ele pensa no futuro, ele quer,
deseja ser parte, quer se modernizar.
As suas quimeras são naturais
que de tão comuns se divagam,
ante o sutil avanço tecnológico,
que faz das tradições, um descarte.
O índio para e pensa no agora,
no presente. Mas, que presente?
Tá faltando algo nesse presente?
Sim, o valor merecido às suas origens
e o respeito maior aos seus costumes!

Almany Sol
Inserida por almanysol

EU SOU

Eu sou PRETO... tenho amor
Eu sou BRANCO... amo também
Eu sou ÍNDIO... tenho valor
Eu sou PARDO... e vivo bem
Só não TROCO... a minha cor
Pelo RACISMO... de ninguém.

Guibson Medeiros
Inserida por GVM

Carta de um índio
(Fernandha Franklin)

Nós vivíamos em um lugar incrível.
Éramos amigos íntimos da natureza e as únicas riquezas que nos interessavam eram as essenciais para se viver: comida, água e um bom convívio.
Não sabíamos que existiam riquezas além disso, e se existiam...essas não nos interessavam.

Nosso único investimento era no fortalecimento do elo que tínhamos com a mãe Terra. A energia com o planeta é que nos elevava.

Tínhamos nossos costumes, rituais e nossa nudez nunca forá um tabu, ou motivo para vergonha.
Foi então, que chegou um povo diferente, que colocou roupa na gente, e nos ensinou a entender sua língua. Pois para que acreditássemos em suas mentiras precisariamos entender suas palavras.

Prometeram nos mostrar o que havia de melhor fora da aldeia (fora de nós) e que também poderíamos ser "homens civilizados". Nos falaram que seus mundos eram muito melhores, e que de onde vinham, a vida era encantada.
Eu acreditei!Até porque, foram eles que me ensinaram no que acreditar.
Eles mentiram!
E foi então que fez sentido as vestes que usavam: era uma forma de esconderem um pouco da mentira que eram.

Troquei tudo o que eu tinha e toda paz da mata...por um quarto velho numa cidade poluída, que agredia meus olhos e ouvidos, e que o homem civilizado, insistia em dizer que fazia parte do meu futuro.
Eu, índio "selvagem". Ele, homem "civilizado". Muitos de meu povo, ainda tentam se manter na pureza e nos valores daqueles dias... mas até lá, o homem levou tecnologia, e esse entretenimento impede meu povo de pensar, como pensavam nos antigos dias.

Eu, índio, triste estou!
Não somente pelo meu povo, mas por todo povo que o homem enganou.
O conhecimento que diziam, era pura hipocrisia...
E toda lembrança da vida do índio, foi substituída por este único dia. Hoje! 19deabrildiadoíndio

Fernandha Franklin
Inserida por nandhafranklin