Poema Concreto a Chuva e o Vento

Cerca de 276 poema Concreto a Chuva e o Vento

Sou ou penso ser poeta.
Faço poemas do vento, da chuva, do sol, trago-os ao pensamento.
Assim como quando fecho os olhos e imagino as estrelas no céu, formosas e belas.
Faço poesia do sorriso das crianças, vejo nelas o futuro a bondade da esperança.
Eu não sei se sou poeta ou se sou um sonhador, mas poesia me completa e me inspira para o amor.
Amo tudo de lindo que existi, e aprendi amar também o feio, pois na verdade nada neste mundo é feio e às vezes o olhar que enxerga o feio é muito mais feio do que aquilo que esta vendo.

aut(denis)
Inserida por sou-denis

Banda AtemporaL - I Need You
Rodrigo Paulino
A noite, o tempo, a chuva e o vento
Tudo o que vejo e sinto
Me lembra você
Meu pensamento
É você todo momento
Será que você não percebe, não ver

Que eu faço tudo pra te ver sorrir
Que eu só quero te ter aqui
Que o tempo tá passando
E o amor está brotando
Dento do meu ser

E agora não dá mais pra voltar atrás
Estou preso em você
Tu és o meu sonho eterno
Que eu quero tanto viver
Para ser feliz
I need you

PaULoZiNhUUU
Inserida por PaULoZiNhUUU

Sou chuva e sol

Sou maresia e ar

Vento viajante

Nas tempestades vibrantes

Dos corações andarilhos

Que buscam nos cantos, segredos

Daqueles que sabem amar.



Sou lua ,nas noites escuras

Espuma ,nas ondas frias

Não sou mar, mas sou profunda

Profana, intensa , passional,

Amor, sem condicional.


Sou solidão , sou vazio

Errada, errante na vida

Sou tanto e sou tão pouco

Uma perfeita imperfeição

Como noite que o sol encerra

O manto da escuridão .



Não me peça razão,

A lógica não me conhece

A incoerência mora comigo,

Minha essência é a emoção,

Tenho razões sem razão

Alimento-me da paixão!

Mazé Carvalho
Inserida por mazecarvalho

CHUVA

A chuva forte dominou
a cidade
Raios,Trovões,
Vento,tempestade.
Nós dois sozinhnos
Amando a eternidade.
A Chuva batia forte,
Com toda intensidade.
Lavando nossos corpos
As gotas
Escorriam por nossos
Lábios,rosto,
Alma,vida.
Abraçados,
Cantando,
Amando,
Pensando...
Que o mundo era nosso.
Era nossa a cidade.
Era nossa a chuva,
Era nossa a felicidade...

Desconheço o autor …

Desconhecido
Inserida por anaferreira

O que é prosperidade ?

É correr atrás da chuva e sentir o vento solto no rosto. É ver o outro lado das pessoas que alguns não conseguem discernir. É sentir o calor da madrugada e o frio da tarde, sabendo que nenhum é pior que o outro, na verdade se completam.

É andar descalço na chuva e sentir pingos no rosto, e se chorar, chore, deixe correr o desejo de ver a justiça vir a galope contra a corrupção. É andar na cor do sol amarelada e vermelha no entardecer e saber que depois vem a noite que abrirá para o mais nobre viajante: o amanhecer.

Se o medo te colocar um peso: deixe-o na estrada. Se a angústia te cobrar: pague com o olhar ao pôr do sol. Se a tristeza de envolver: aproveite para crescer. Se a ansiedade te for um peso: lembre-se que ela é filha do medo, se não conseguir deixá-la na estrada, alia-se a ela por um tempo e ela perderá seu poder.

Prosperidade do nobre é ver beleza na simplicidade, é ter amor a verdade. A grande luta pela prosperidade do ter, trás mais escravidão que solução. Ter sempre mais, nos torna menos.

Sentar tranqüilo e ouvir os sinos do coração e também a música do céu. Viver cada momento sem pensar na próxima hora. Prosperidade é deixar a vida correr como rio abaixo que escolhe, tranquilamente, o caminho do mar.

Ser prospero é não ter nada e ter tudo. É viver descansando nas Mãos do dono e servindo o outro, para se ter a riqueza de ser.

Qual é o próspero que amou mais que tudo suas conquistas: É aquele que viu as águas passarem; as nuvens nas estações; a cor do som dos pássaros; o coração dar a mão aos olhos; e aquele que chorou a alegria de ser. Bem-aventurado os pacificadores… .

Na paz do Verbo,

Silvério Peres
Inserida por marciagarcia

Eu e você

Eu sou o principio do fim
Chuva de verão
Beijo com paixão
Eu sou a vento, você as folhas que eu carrego
Você é a rosa, eu sou a chuva que te rega..
Eu sou a marca de batom no teu colarinho...
Eu sou seu amor, teu ninho.
Você é uma tarde de sol, mergulho no mar,
Vontade de amar..
Você é meu pedaço de mau caminho,
Meu amor, meu garotinho.

Paula Câmara Ferreira
Inserida por Paxazinha

O barulho da chuva
a casa de telha
na noite fria
só a música do vento...
sou do campo,sou das flores
sou do mangue ,sou do rio
sou silêncio,sou momento
sou o quente dos amores
sou da chuva,sou do frio.

Neidinha Borges
Inserida por borgita

Era madrugada
O barulho dos carros deu lugar a música da chuva caindo
Estava com frio e o vento assoviava pela janela e também soprava pensamentos
E com a chuva caindo, o frio e o vento, preferi ficar dentro

Dentro de mim
Ouvindo meu corpo
E tentando ouvir o que ele dizia sem parar

Minha respiração estava ofegante e ao mesmo tempo calma
Com esforço controlei seu ritmo para me fazer serena
Procurei respirar a paz e expirar a dor

Naquele momento, se eu pudesse escolher, não queria estar sozinha
Mas isto eu não consegui controlar
Como não consegui controlar meu coração
Ele batia e bate, independente de eu querer ou não!

Luciana Horta
Inserida por LUCIANAHORTA

VARANDO A MADRUGADA

Vento
muito barulhento
Trovões
como rojões
Agora chuva
Cai chuva
Cai...
Relâmpagos
luzes na escuridão
Cai chuva
Cai...
Estatela no chão!

mel - ((*_*))

(Chovendo muito agora, aqui em Caldas Novas -
08/11/2015)

melanialudwig
Inserida por MelaniaLudwig

Andar na lua,
Dançar no vento
Girar na rua
Rodopiar na chuva
Alcançar o mar.
Despertar nas ondas
Abraçar as flores
Brindar,
Sonhos, vida.
Segundos que se vivem
Momentos que se vão
Pensamentos
Rodopiar nas neves
Escorregar na areia
Atravessar rios,
Amar, amar e amar
Escancarar o riso
Cantar,
Fazer poemas
Falar em versos
Tocar o sol
Viajar,
Nas nuvens
Alcançar o mar
Ser poeta
Poesia,
Ganhar teus olhos
Se entregar
No ar.

Leônia Teixeira
Inserida por LeoniaTeixeira

Esta chuva

Lá vem a chuva
do firmamento
rasgando o espaço
seguindo o vento
trazendo a paz
quando em calmaria
ou preocupação
se em demasia...

mel

melanialudwig
Inserida por MelaniaLudwig

Gela com o vento e a chuva o calor da ira
E vem branda a brisa da manhã
Trazendo o calor do teu corpo tão puro
Que inspira prazer e calma no sono, no escuro

Sua pele transpira desejo
E me faz entender num sussurro
Que o amor é eterno na alma
Latente no corpo e presente no beijo

Seus olhos me contam seus segredos
Que às vezes sua boca não quer dizer
Suas mãos buscam carícias entre as minhas
Como se nossos dedos pudessem se entender

Abraços perdidos no silencio da madrugada
Falam mais que mil palavras
Nosso amor não precisa dizer nada
Basta sentir através das pegadas de nossas almas

Dos reencontros tardios e precisos
De vidas ausentes no passado, que se fazem presentes no futuro
De cantos e encantos solados

EDEMILSON RIBAS
Inserida por EdemilsonRibas

O SILÊNCO E A MEDITAÇÂO
"o silêncio existe no barulho da chuva, no soprar do vento, na onda do mar. Este silêncio é profundo, eterno e ilimitado. Toda a natureza é prenchida por ele."
Siddhartha

Siddhartha
Inserida por aiyshah

Ouço tua risada ao vento
Vejo teu olhar nos pingos de chuva
Sinto teu toque ao soar dos trovões
Memórias me invadem

Um silêncio pertubador se forma
Quanto ainda penso estar te amando
Pelo menos isto o que parecia ser
Enquanto estava me lembrando

Suas lágrimas escorrendo pelo teu rosto
A voz tremula de alguém perdido
Eu não chorei nem precisei
Apenas fugi mentindo para mim mesma

Sinto como se estivesse sangrando mas
Este sangue qual me cobre não é meu
Não sei o que fiz mas já está feito
Bem, você não está mais me assombrando

Não há mais nenhuma foto sua
Não me lembro do teu rosto
Nem da tua voz sussurrando meu ouvido
Há um vazio dentro de mim

Mas tudo bem, estou melhor assim
Continuo aqui, mas indo pra lá
Cuidado com as garrafas de vinho
Elas me preenchem como você me preenchia

Anoniima
Inserida por Anoniima

Alguém lamenta a morte do tempo?
Sim o vento
Alguém chora junto ao tempo?
Sim a chuva
Só que nem todas a gotas são chorados pela chuva
Porém quando as gotas caem na terra
O sol sorri

Adalberto Bernardes
Inserida por Adalbernardes

SERESTA

Ouço a voz de muitas vozes
Trazidas pelo vento vindo do mar
Trazidas pela chuva vinda do céu
Caladas pelo coração que nunca soube amar.

Sinto o cheiro suave das flores
Vindo dos campos cheios de orvalhos
Exalando do teu corpo perfumado
Em noite de luar de nossos primores.

Vejo o brilho vindo das estrelas
Batendo na lua, caindo no mar
"Do mar ascende à face tua
Vem reluzir em teu olhar..."

E toco no vento que passa
Vindo do mar da paixão
Tornando meus versos uma serenata
Indo ao encontro do teu coração.

Charles Vale Ramos Júnior
Inserida por ramosjunior

O cair da chuva.
Que entoa com o vento.
Soprando sobre rio como uma linda melodia.
Fascina e deslumbra!
Incita pensamentos, reflexões e amores.

Maicol Andrades
Inserida por JardimdasPalavras

Agora cai uma chuva mansa
que com o vento pela varanda avança
Vou ter que pra dentro entrar
se não quiser me molhar...

melanialudwig
Inserida por MelaniaLudwig

Dias Melhores

Veio de lá pra cá
Como quem vai de cá pra lá
E quando vem a chuva
O vento forte quer decolar
Mas tem sempre
Aquele tempo bom
E cada pedaço ele quer colar

Veio de lá pra cá
Contando cada passo
Parecendo que vinha de longe
Mas não queria chegar
Não vinha sorrindo
E nem vinha cantando
Mas sua voz
A gente podia escutar
Como um rádio de pilha
Ligado o dia inteiro
Como se tivesse numa ilha
E esquecesse de trabalhar
A vida assim
Ia sempre levando
Não era um jogo
Mas vinha sempre ganhando
Sabia o que queria
Só não sabia como chegar
Mas nunca perdia a sua fé
E sabia sempre esperar
Jamais perdia a sua perseverança
E com dias melhores
Vivia sempre sonhando

Veio como quem vai
E ficou como se já fosse embora
Hoje é ele quem cai
E amanhã é você quem chora
Veio como se fosse bonito
Mas pra ser feio
Amanhã não demora
Pois beleza não tem infinito
Um dia essa feiura chega
E por inteira ela te devora.

valdenir de lima oliveira

O corvo e a tempestade


A noite ficou escura e o vento sopra torvo,
a chuva bate tão solitária na janela,
talvez fuja do agouro do corvo
que bate as negras asas atrás dela.

Porque chove assim, canta o corvo e sopra o vento
se nem sequer é Dezembro mas sim Agosto.
Espreito pela vidraça e vejo o vento violento
a fazer girar o corvo que brinca bem disposto.

Murmurei lenta alguns ais,
sem entender a negrura dos espaços celestiais,
para de seguida sorrir enternecida ao perceber,

que enquanto eu fiquei desorientada, aborrecida
por uma tempestade que chegou perdida
o corvo abriu as asas, quis brincar... quis viver!

Fernanda R. Mesquita
Inserida por carlosroque