Olhos Verdes

Cerca de 253 frases e pensamentos: Olhos Verdes

Teus olhos brilham mais que diamantes, verde jade, verde esmeralda. Cativa, cega, entorpece, pede...e como pede!

Flávia Abib

Flávia Abib

Ele ficava sempre lá, no mesmo lugar a espera dela. Fitava a rua com seus olhos de um verde iguais a Noni. E assim o fazia todo dia mas, nunca a via. Quando estava à abdicar do seu amor, sentiu um toque doce em seus ombros, era ela, ele nunca a via pois nunca olhava para o lado onde, desde o primeiro dia a dona dos olhos de "ouro verde" estava.

(Flávia Abib)

Flávia Abib

A cor preferida:
Quando penso nos seus olhos, eu gosto da verde;
quando lembro da sua pele, eu admiro a preta;
quando observo seus lábios, sem dúvida é a vermelha;
mas quando recordo seu jeito de me olhar, tocar e beijar...
eu amo mesmo amar-ela.

Rodrigo Quito E Samira Tellecher Riquelme

"Através desses olhos verdes chego até seu coração"

Duilio Alves

Eu amo o verde dos teus olhos...na verdade, nem sei se são verdes. Te olhei só por alguns segundos...segundos intensos que ficaram eternos no meu olhar.

Leônia Teixeira

Às vezes eu vejo em minha mente os teus olhos verdes olhando os meus. Bem de pertinho. Às vezes eu sinto mentalmente os teus abraços apertados. Às vezes eu consigo sentir de novo os teus beijos. Então, às vezes, eu consigo desejar-lhe mais uma vez. A verdade é que você é muito mais do que desejável. É lindo, gostoso, companheiro, inteligente, amigável, confiável e amável demais. Teria tudo para ser o cara dos meus sonhos. Só que não consigo amá-lo. Creio que ainda gosto de um outro alguém...

Sabrina Niehues

AMOR BOM - RUIM

Lembro-me de olhos verdes esmeralda.
O sonho do branco e da grinalda,
Um único ate que a morte nós separe
E que nenhum outro ela namore.
Lembro-me que matava um dragão,
Pintava de ouro o ladrilho do chão,
Pintava o meu rosto com anedotas,
Afastavam de nós todas as derrotas,
Queria apenas vê-la muito contente,
Pois para mim apenas ela era gente.
Isso era o amor mais do que bom,
Amar assim é mais do que um dom
É se doar a momento de nossa vida.
Na sede é ter o seu suor como uma bebida,
Mas como dá voltas o nosso planeta,
Em cada volta muda a face da borboleta,
Assim como o cromossomo é espiralado
E pode ter no meio um gene meio amalucado.
Quando o amor bom não dá certo,
Nossa alma fica árida como um deserto,
Buscamos pares perdidos num labirinto,
Como um tigre feroz, magro e faminto.
Nessas horas que vemos que amor,
Tem a sua face ruim que se chama dor.

André Zanarella 11-09-2012
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/4415779

André Zanarella

Eu não sou ruiva, nem loira, não tenho olhos azuis nem verdes, não sou alta, magra ou modelo. Não faço academia, dieta ou promessas. Não uso maquiagem todo dia, quase não tenho sapatos de salto e não possuo nenhum vestido curto colado no corpo. Não tenho carro, casa própria, tv de plasma nem celular com Whatsapp. Não sou médica, advogada, engenheira nem arquiteta. Não sei mentir pra construir, impor pra ter, enganar pra me satisfazer nem me doar pra quem não me merece...

Mas tenho coração, sentimentos bons e acima de tudo respeito, respeito até por aqueles que tiveram tudo de mim, mas ainda sim me largaram para ficar com todas essas coisas que eu não tenho... E mal sabem eles que a coisa mais preciosa eles nunca vão ter, AMOR, pois o amor não se constrói em cima de bens materiais, o AMOR se constroi com o CORAÇÃO, SENTIMENTOS BONS E RESPEITO, e enquanto isso não prevalecer, permanecerei só, pois a minha energia permanece a mesma e eu entrego a minha vida, o meu coração e os meus sentimentos nas mãos de JÁH...

Nanda Oliveira

Se são verdes os teus olhos, não consegui saber
Se tua boca é carnuda, não deu pra perceber
É que meus olhos, fingem não te vê !

Leônia Teixeira

por traz dos meus olhos estou eu mesmo, porque o que vê em profunda retina não é só o verde mais puro, mais também o enigma de uma pessoa misteriosa além da sua imaginação. Minha Capacidade é guardar tudo em memoria e depois usar os arquivos na hora certa quando for alheio de uma insanidade pensada.

Vanderley Borrer

Verdes, cor dos seus lindos olhos; belos quanto esmeralda
uma joia de fato, cujo brilho é para poucos usufruir
distinto ao manejo, quem sabe um beijo de vossos lábios
assim anseio remanescer a vista do seu olhar

outrora pode-se lhe dizer, o quão belo é vê-la resplandecer
mas por caso inoportuno, tendo a padecer
a luz do luar , belos versos de amor irei vos prosar
mesmo que seja tênue, a linha cujas almas tendem nos tocar.

alva é a luz, que toca e ilumina tua pele
bela aurora, de tamanha beleza e benevolência
narciso invejas tu, por conseguistes almejar a perfeição

de fato por meio desta venho lhe falar
pois com palavras é conturbado me expressar
o quão esplendoroso são as curvas do seu olhar.

Wallace de Souza

Não foram seus olhos verdes que me deram vontade de mergulhar [sem medo] em você; não foram seus braços fortes — quando apertaram minha cintura — que me fizeram experimentar um novo sabor da vida; não foram seus beijos no meu corpo todo, que tocaram minha alma. Eu simplesmente estava pronta para receber o amor, de uma forma que se eu tivesse vivendo minha realidade não iria dar valor. Finalmente entendi: Quando os corpos se conectam as almas fazem um pacto.

Lena Casas Novas

Não há verde nos teus olhos mas carrega neles a esperança que preciso.|

Leônia Teixeira

Se você reparar bem, verá que logo abaixo dos olhos verdes há um pouco de olheiras escondidas na sua pele branca. E se você reparar ainda mais, verá que as pálpebras dos olhos dela são rosas meio arroxeadas, por causa do inchaço das noites de insônia. Mas, se reparar melhor ainda, verá nos olhos dela e sentirá na sua risada o quão infeliz ela é.

Sabrina Niehues

Para a musa de olhos verdes...

Vanessa Jardim


VERDE...
VER-TE...
TER-TE...

Augusto Matos

*DÚVIDA*

SE OS OLHOS CASTANHOS SÃO SINCEROS
E OS VERDES TRAIDORES,
QUAL O SIGNIFICADO DO TEU NOME,
SE ELES SÃO DE DIFERENTES CORES?
SIM, POR MAIS INCRÍVEL QUE PAREÇA
SEUS OLHOS DIFERENTES SÃO
UM DELES SIGNIFICA A SINCERIDADE
E O OUTRO TRAIÇÃO
TENHO MEDO DOS TEUS OLHO
POR NÃO CONTAREM A VERDADE
DE QUE SIGAS O VERDE
NÃO AGINDO COM SINCERIDADE
MAS SE SEGUIRES O CASTANHO
E NÃO AGIRES COM TRAIÇÃO,
NA CERTA FELIZES SEREMOS
POIS MESMO NA DÚVIDA
DEI-TE MEU CORAÇÃO,

TIVE UM NAMORADO JAIR ROSSITTI, TINHA UM OLHO CASTANHO E O OUTRO VERDE, MEUS IRMÃOS DELORGES E DIVANIO , O CONHECIA, MAS FUI TRAÍDA EM POUCO TEMPO DE NAMORO. , ENTÃO COMPUS ESSE POEMA....DIVANIL GARCIA.

divanilgarcia

Esse moço dos olhos verdes, sorriso cintilante, e jeito cativante é o dono do meu coração. Com esses olhos ele faz e desfaz de mim, e eu...eu deixo!

Flávia Abib

Flávia Abib

Eu fecho os olhos e posso te sentir aqui, te tocar e ver esse mundo diante dos teus olhos verdes. Não há sonho maior do que ver você vindo na minha direção, sorrindo pra mim. Esse teu sorriso fez do mundo um lugar melhor para se viver. Fez poesia, fez amor, e de mim felicidade.

Izabella Kerpe

"Nada que verdeja nestes olhos sorridentes
sucumbe...Então rego as flores
sob o cinza da tarde, e é neste percalço
vicejante que lanço as sementes de amanhãs
[pequeninas de amor]!
Ali mesmo, nas pisadas de ontem,
sobre a terra amassada,é
que brotará esperanças em flor."

Val Garcia

A História de Sofia

Certo dia, uma menina de olhos verdes e cabelos castanhos e lisos como seda que se chamava Sofia, foi brincar de esconde-esconde com sua amiga em uma floresta perto de sua casa.
Sofia ficou encostada em uma árvore, com os olhos fechados e contou até 20, e depois foi procurar sua amiga.
Olhou em cima de troncos de árvores, em buracos, atrás das árvores e até em lagos, mas nada achou. Onde poderia estar sua amiga?
Então ela decidiu entrar em uma casinha que ficava do outro lado de um laguinho.
A casinha era bem empoeirada, alguns ratos corriam por lá. Um fogão velho, uma mesinha, duas cadeiras, quatro janelas e três armários na parede.
A menina abriu o primeiro armário, e dentro dele um pote com moedas de ouro reluzentes estavam dentro dele, ela pegou o pote e colocou dentro de uma bolsa jogada em um canto da parede.
Sofia ainda procurava por sua amiga. Resolveu abrir o segundo armário, lá havia uma chave verde com formato de quadrado.
Abriu o terceiro, nele tinha uma caixa, uma caneta e um papel.
A caixa estava trancada com chave, então leu o papel, nele estava escrito:

Quem achar esta folha tem sorte, muita sorte!
Siga as instruções:

Pegue o pote de ouro e leve até um tronco
em forma de arco, coloque-o debaixo do arco.

Em seguida Pegue a caneta e faça uma estrela
no verso do papel.

Com a chave abra a caixa e uma grande surpresa
lhe aguarda!

Sofia começou a seguir as instruções, como acharia o tal arco?
Bem, quando ela saiu havia uma trilha de patas de cachorro, que estavam no chão ao lado da casinha, parecia que tinha um cachorro espionando ela, pois o rastro estava debaixo de uma janela.
Ela foi seguindo, quando a trilha acabou, ela parou olhou para a esquerda e para a direita, nada viu, de repente! Ouviu latidos vindos da direção de um sítio, ela foi seguindo o som do latido do cachorro. Quando chegou em um sítio com um casarão enorme e umas vacas e cavalos em um pasto, ela foi se aproximando, chegou na porta
do casarão antigo, que parecia não ter ninguém morando lá, e bateu na porta, toc!toc!toc! Uma voz respondeu:
-Quem é?
-Sou eu, Sofia.
-O que veio fazer aqui?
-Ouvi latidos de um cachorro vindos dessa direção.
-Aqui não tem nenhum cachorro, só vacas e cavalos.
-Mas eu ouvi, e tinha um rastro de patas de cachorro nessa direção!
-Aqui não tem nada! Vai em bora!
-Não! Eu não vou até achar o cachorro!
-Fora daqui!
-Está bem! Eu vou então.
-Já vai tarde! Não volte mais aqui. Nunca!

Sofia insistiu, mas não adiantou, decidiu que iria continuar no sítio, só que na direção oposta.
Ela não desistiu e foi até o pasto, onde cavalos e vacas pastavam.
Foi andando no meio dos cavalos e vacas, conseguiu sair do meio de tanto bicho, foi até um celeiro, o celeiro estava vazio, não totalmente vazio. Havia Sofia e também duas vaquinhas dormindo. A sua esquerda tinha um bloco de capim e uma coisa felpuda como uma vassoura, Sofia se abaixou para pegar e um cachorro pulou de trás do capim. Ela disse:
-Finalmente encontrei você!
-Levei um susto e tanto, mas porque será que você estava
me espionando?
O cachorro se levantou de um monte de palha e respondeu a menina:
-Bem, você também não é nada educada, sai por aí puxando a
cauda dos outros?
-Ah! Você fala? Cachorro não fala!
-Sim, eu falo, e não estava espionando você, estava vigiando você.
-Porque estava me vigiando?
-Sem mim você não acha um tal tronco em forma de arco
e sua amiga.
-Você sabe onde ela e o arco estão?
-Sim, mas vai ter que me alcançar para acha-los.
-Como assim te alcançar?
-Corre!

O cão saiu correndo, e Sofia foi atrás. O cachorro entrou na floresta, mas em uma parte diferente daquela pequena floresta, Sofia nunca tinha visto aquela parte da floresta.
Poderia ser lá que sua amiga e o arco estariam? - Se perguntou Sofia.
-Chegamos - Disse o cão.
-Onde estamos?
-Na parte interna da floresta.
-Como assim parte interna?
-O lado ''mágico'' da floresta.
-Cão, onde está minha amiga e o arco?
-Cão não. Eu tenho nome, meu nome é Rufos, e o seu?
-O meu é Sofia.
-Prazer Rufos.
-Olhe lá seu arco.

O arco estava do outro lado de um rio bem largo. Onde jacarés nadavam.

-Rufos! Olha o tamanho desse rio cheio de jacarés!
-Jacaré é o de menos, o de mais é como vamos atravessar.
-Que tal uma canoa?
-Acho melhor um barco.
-Como vamos fazer um barco?
-Fácil! É só pegar aquele barquinho na beira do rio.

Mas quando Sofia foi puxar o barco um jacaré enorme pulou e tentou pegar ela, no mesmo instante Rufos abocanhou o jacaré bem na cabeça, e o jacaré saiu correndo direto para a água. Rufos disse:

-Eu não disse, estou sempre te vigiando.
-Obrigada!
-De nada, agora escute, assim que colocar o pote de ouro debaixo do arco, você se afasta e pega o papel e a caneta, no verso do papel você desenha uma estrela de quatro pontas, embaixo você escreve S.
Em cima da estrela você escreve N. Na esquerda escreve L na direita O.
-Porque fazer isso?
-Para que volte para casa.
-Mas minha casa é logo ali.
-Não, assim que entrou na floresta, você saiu do seu mundo, você está em um mundo mágico. Como aquele homem do casarão do sítio, ele é um duende e mora lá, foi ele que fez o pote de ouro as instruções e a caixa.
-O que tem na caixa afinal?
-Uma surpresa para quem achasse. Sua amiga voltou para seu mundo, pois ela foi se esconder na casa do duende, o duende não é mal ele só não gosta de intrusos em nosso mundo, então a mandou para casa.
-Ela não se lembra de que nós estávamos brincando de
esconde-esconde?
-Não mais.
-Bom, mas como passamos pelo rio?
-Muito fácil! É só pegar o pote de ouro, uma moeda dele
quando esfregada na mão faz a pessoa ter velocidade.
-É só esfregar na mão e pegar os remos, que vamos voar!

E Sofia e Rufos pegaram os remos e contaram até três, passaram voando pelos jacarés.
Chegaram do outro lado e Sofia colocou o pote de ouro debaixo do arco, em seguida ela pegou a caneta e fez uma estrela no verso do papel de instruções.

-Agora Sofia você coloca o papel com a estrela virada para o lado de baixo.-Disse Rufos.

Uma luz brilhante saiu do arco e um portal de volta para a casa de Sofia se abriu.

-Abra a caixa Sofia.

Ela abriu a caixa e um presente estava lá. Um livro.

-Rufos um livro.
-Um livro com um portal para você voltar para cá quando quiser. Mas aqui não estará em forma de floresta, mas em forma de cidade. Você vai adorar!
-Obrigada Rufos. Eu vou te ver novamente, ou não?
-Sim, vai sim.
-Então lá vou eu, até um dia.
-Vou continuar te vigiando!
-Tchau!

Sofia ganhou um presente:Um amigo!

Dannala