Língua

Cerca de 1175 frases e pensamentos: Língua

" A língua (mal usada) quando mais rápida do que o cérebro é uma navalha que fere e afasta."

Henrique Rodrigues de Oliveira

O ser que fala, tem a magia entre os dentes, o veneno mortífero da língua, a cura nos lábios e o mal da mente que padece pelo não dito.

Leivânio Rodrigues

Em beijos submersos, sentia tua lasciva língua invasora de cavidades em castidade já agora esquecida....
Entre olhares perversos e índole predadora, a cada mordida, mais apetecia-te as entranhas úmidas em meus anseios de ti...
Seguia a tua boca em meus seios... em meus meios... lá no fundo, bem no fundo do mar.
(Amor Submerso)

Lina Marano

A lingua é como fogo cheia de maldade...Quando é mal usada destroi qualquer amizade...A lingua mal usada é como fogo destruidor mais a união de todos é a vontade do senhor...

Brunessa.medeirosgmail.com

Se eu falar a lingua do amor, tudo parecerá mais claro até para os menos desprovidos.

Fabiane Gomes

queria que o amor não tinha desabafo, mas minha obrigação é mostrar a lingua

julienyy

Falo outra língua, falo a língua de quem ama, pois esta é uma das maiores virtudes do homem amar e se sentir AMADO.

La noyee

Te guardas diante da tua fala, cuidado com a tua língua, (Tiago 3.1-18) . Avalia primeiro antes de qualquer discurso, toma cuidado com o que tu falas, busca o teu crescimento espiritual e procura colocar em prática o teu aprendizado espiritual, te lapida diante da palavra. Procura sempre se colocar no lugar do outro, é muito fácil jogar uma pedra quando o outro é vidraça.

Júlio di Paula

"SE EU FALO A LINGUA DOS ANJOS,DE NADA VAI ADIANTAR SE EU NAO TIVER AMOR.
O AMOR ROMPE AS BARREIRAS,ESQUECE O QUE PASSOU,VE UM NOVO HORIZONTE.E NA FORÇA DESSE AMOR NAO EXISTEM FRONTEIRAS".

Iveline

Muitos vivem da língua dos outros, como se isso fosse um alimento orgânico.

Gustavo Barbosa

Ele pronunciava as notas musicais que minha língua não conseguia melodiar, e não se consentia sem um reflexo de um halo.
Era o café das manhãs que o pressionava pela busca estupida e necrosada que equivale a não termos uma conduta permanente unida.
Alimentava-se das manhãs de outono como um particípio generalizado, uma estopetada maneira de reorganizar seus limites pessoais e intransferíveis, pois as mesmas ruas que um dia o fizeram errar poderão ser as mesmas que o direcionaram a uma avenida que o modificará, e de apto todos os teus comportamentos valorosos e intactos, dizia ele de forma rápida e singela.
Vai melhor quando Ele se tornar maduro o suficiente para caminhar por lugares largos, só irá melhorar quando o tempo se tornar um, apenas um.
Os teus pensamentos os conduzia aos ventos necessários, e não há tempestades que possam resistir a esse teu vento interior, pois és único e soberba nenhuma te resistirá, a inveja que canalizaram em ti será poeira, um revestimento sobre os teus pés.
Ele sofria por não poder enxergar a tragédia do outro, por não poder inevitavelmente capturar aquele momento antes de se tomar um susto.
Os gestos que ele fazia não eram mais humanos, um selvagem talvez respondesse melhor ao que eu vi com meus próprios olhos, não tenho palavras, tudo passou.
Só agora percebo que tudo que Ele possuía era o calor do Sol das manhãs em que não se via os pássaros voarem, nem a concordância repentina em minhas escolhas, dessa forma a gente percebe que não se pode direcionar uma opinião que firma seus pés em pensamentos escorregadios.

Rafael Jenuino

...Nitidamente ele não possuía a opinião que todos deveriam ouvir, porém, na ponta de sua língua lhe saia uma verdade massacrada, uma violência anônima, e assim por diante. Mesmo sabendo que deveria ouvir toda aquela verdade, o seus ouvidos se guardavam em um involucro de timidez, e nem se quer se pronunciavam. Os dedos artríticos do personagem central corriam em sua máquina de escrever, deveria está tudo registrado, a pressa do relógio o sacudia por dentro, a organização das frases e o ritmo dos dígitos alinhados ao excessivo mal-humorado fato de se estar preso a uma rotina de sentenciar destinos, o havia deixado sem palavras, de ouvidos mirrados. O comum predestinado de seus olhos sobre a folha datilografada o deixara em um complexo de amnésia permanente, e sem fluxo de riso em seu rosto, sua mascara era notória. O senso comum o fazia suar a camisa xadrez, e de tom pálido suas mãos enfraqueciam de forma visceral todo seu entusiasmo. Haveria algum salvamento satisfatório? E ao mesmo tempo esse chamamento o conduzia ao que era de aparência verdadeira. O que se datilografava não expressava, e nem se quer justificava os machucados nas pontas dos dedos de quem contava as folhas de papel canson envelhecido apergaminhado pela saliva sem aderência, o comum era seu tempo. O personagem central não conseguia conduzir o enredo, e as pautas não esclarecia a conduta infame que outrora não machucavam os dedos, isto é, nada respaldava nada, infelizmente. Aqueles que observavam de longe, e ao mesmo tempo sacudiam suas orelhas para ouvir, encaixavam fatos sem cola, sem concreto, e já sabemos que casa construída na areia, não fica em pé, dito popular bíblico eficaz. O corpo massacrado pelo povo tem mais uma vez seu discurso rasgado e suas memórias rabiscadas com caneta estourada pela covardia de não enfrentar, de não colocar a cara pra bater, de não receber um cuspi na face, e nem oferecer ela como sacrifício. A esses o meu grito é por justiça a favor do datilografo que dizia a verdade, e repudio contra os ouvidos felinos que tramam conspirações irrevogáveis. Grito por um futuro audacioso com promessa de fartura e pão para o inocente. Afogo em vinho a viúva sem acolhimento, quem sabe ela, a embriagada, não se recordará dos seus sonhos fracassados, quem sabe ela não venha corrigir sua própria história esquecida, quem sabe ela adormeça pra sempre, em seu canto lúdico abrasador não nos preencha o vazio que preguinha nossa mente abstrata. Não podemos fugir do personagem central de camisa xadrez sem vida, amarrotada pela consciência, juiz que agora é réu. A anotação não envergonha ao que disse na mesa, e o gesticular de braços não apazigua os temperamentos. Um dia poderemos notar uma libertação de mente, de conduta. Certamente recolheremos as correntes, juntamente com os cadeados, talvez essa seja a verdade que esperamos ouvir, quem sabe eu me liberte de vez.

Rafael Jenuino

Amor à Língua Portuguesa


Em meio tantas palavras belas
Não encontro mais sinceras
Que expressam a beleza
Da minha Língua Portuguesa.

Em meio tantas palavras belas
As que me impressionam são aquelas
Reveladas em oração
De um triste coração.

Em meio tantas palavras belas
As que mais uso são elas:
Estou bem, estou feliz,
Mas isso, somente a boca que diz.

Em meio tanta palavra bela
A Língua mais amada é ela.
As palavras de tamanha riqueza
Vem da minha Língua Portuguesa.

Lalinha Brito

Se escrever é arte, a Língua Portuguesa, só pode ser um OFÍCIO!!!!

Luana Cruz

Sinta as minhas carícias e o calor de minha língua invadindo todo o seu íntimo para escutar o teu sussurro de prazer;
Sinta o meu calor que te envolve e te faz desatinar pelo o que tenho de melhor em meu coração;
As mordidas de leve com o meu melhor, vejo que te faz subir pelas paredes enlouquecendo o pouco de razão que você ainda guarda;
Quero imensamente te saciar e escutar os teus gemidos tão verdadeiros que suplica pelo meu gosto que tanto te faz feliz;

Julio Aukay

Têm Respostas que nâo estâo Na ponta da língua
E sim no Fundo do coraçao
É Só ouvir ele Gritando dizendo que ''SIM''

Ricardo Lage Oliveira

Geralmente quem NÃO TEM papas na língua, TEM cimento nos ouvidos. Consegue falar o quer, mas não pode ouvir o que precisa.

Horlando Halergia

A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto.

Salomão

A língua é a primeira a entrar na briga e a última a sair da vida de qualquer casal.

Helgir Girodo

A língua é a primeira a entrar e a última a sair da briga na vida de qualquer casal.

Helgir Girodo