Lembranças para Encontro de Casais

Cerca de 8651 frases e pensamentos: Lembranças para Encontro de Casais

Eu tenho um amor pra vida toda: encontro com ele toda vez que me olho no espelho. E como ele é lindo.

Carolina Bensino

Eu acho tão pertubador quando me encontro com aquela pessoa na rua, aquela que eu trocava sms, passava horas no telefone, dividia segredos, amenizava tristezas, duplicava felicidades. Aquela pessoa que eu considerava a melhor do mundo, que esteve ao meu lado durante muitas vezes, em momentos bons e ruins. E derepente, é tão estranho passar ao seu lado e a cumprimentar com um simples “oi”.

Carolina Bensino

Quero me encontrar...
despedir-me de tudo que me afugenta a alma.
Me encontro presa em um casulo.
Observo meus dias passando...
o relógio é meu pior inimigo.
Sinto fome de amor, paz e brilho nos olhos...
Minha alma tem gritado por socorro
Se existe inferno, eu me encontro nele.
Renunciei-me...
abri mão, de tudo que um dia sonhei.
A menina imatura cresceu, eis aqui uma mulher...
ainda menina, só que mais madura.
Quero encontrar um caminho um lugar em busca de mim mesma.
Quero sentir-me viva, pronta, no ponto, desejo me possuir com toda exatidão.
O ímpeto do meu ser anseia liberdade...
vento no rosto...
gargalhadas sinceras...
espontaneidade...
Olhares sedentos sempre em busca de si mesmo, do outro, da vida...
Ao amanhecer, quero sol no meu jardim...
e que a as flores voltem a sair.
E a vida que anseio venha fluir em mim...

Camila Senna

A vida proporciona muitos desencontros, mas é Deus o autor do grande e perfeito encontro.

Fé Que Cré por Priscila Moura

Quando você vier haverá o encontro da sua busca com a minha espera.
E o seu abraço será a moldura do meu corpo.
E a minha boca o pretexto para o seu mais demorado beijo…
_______________

Marla de Queiroz

É tempo de ir em frente, caminhar passo a passo rumo ao nosso amanhã, de encontro ao nosso futuro.
Hoje é o dia em que podemos mudar a nossa história, reescrever a nossa vida, é o dia da grande mudança, da grande conquista, o dia em que podemos ser, fazer, vencer.
Não sabemos o que será de nós amanhã, mas hoje acordamos, levantamos e estamos vivos, por isso eu te chamo a olhar para o céu, agradecer a Deus a oportunidade de viver e fazer com que a sua vida valha a pena.
Não deixe para amanhã, seja feliz hoje, peça perdão hoje, viva hoje como se não houvesse amanhã.

Desconhecido

"E diz pra mim onde eu encontro a tal borracha branca, onde eu arranco a folha, onde eu tomo o remédio certo pra apagar você como você fez comigo."

Daniel Bovolento Entre todas as coisas

Nada pode impedir o encontro de duas almas gêmeas, a energia e a vontade que ambas tem de se encontrar é tão forte que nem mesmo os fatos, as circunstâncias e as tempestades conseguem destruir o que ultrapassa passagens de tempo.

CAMILA HARUMI

AMANTES
De repente o encontro de desconhecidos e o começo de uma aventura, um romance proibido. Dois seres descarados e sem juízo vivendo na contramão do amor, se amando sem nenhum pudor, amantes incendiados por uma paixão ardente, avassaladora, envolvente, descobrindo os mais loucos desejos e fantasias no corpo inteiro, no gosto, no cheiro. Amantes perfeitos de prazer e sedução, cama e colchão, frio e calor, fogo de amor.

Dayane Cordasso

Em geral quando termino um livro encontro-me numa confusão de sentimentos, um misto de alegria, alívio e vaga tristeza. Relendo a obra mais tarde, quase sempre penso ‘Não era bem isto o que queria dizer’.

Érico Veríssimo

"Não sou mulher de rosas. Já disse de saída, no primeiro encontro, nem recordo a razão. Mas disse, naquele meu velho estilo metralhador de moços com olhos de promessa. Sei que disse, com meus reflexos ariscos de cão sem dono sempre buscando receosa a moeda de troca para qualquer elogio, a vigésima quarta intenção por trás de um rosto abandonado. Eu não queria ser mais uma na sua cama, por isso disse não gostar de rosas, tampouco das vermelhas, pra me afastar da obviedade do amor. Não sabia como, mas queria que você me notasse diferente de todas as outras."

Gabito Nunes

Meus dias têm sido de celebração: celebro a ação de me pôr em movimento ao encontro daquilo que almejo, celebro a ação de resolver minhas questões internas que me afastam de quem me incomoda, mas que ainda me importa. Celebro a ação de me causar bem-estar estando com as pessoas que me amam e em lugares que amo. Celebro a ação de ser grata por ter todas as minhas faculdades perfeitas e um bocado de loucura para ousar nas mudanças que preciso e crescer por dentro. Celebro a ação de não competir com ninguém, pois tenho tudo o que preciso e saber que o que tenho foi conquistado por mim. Celebro, diariamente, a ação de ter criatividade_ de criar atividades que me tirem da estagnação espiritual, emocional, pessoal. Celebro a ação de renovar meus valores para que eles sejam justos. Celebro a ação de não ocupar meu coração com desesperança e preconceitos ou coisas que aprisionem minha alma na limitAÇÃO. Celebro a ação de me importar primeiro com as pessoas, depois com as coisas. Celebro a ação de ser profunda nos meus devaneios, celebro a ação de ser superficial em alguns desejos e poder me permitir ou rir deles. Celebro a ação de mudar de ideia, de certeza, de narrativa, de estado de espírito, de aparência, de preferências, de vida!
CelebrAÇÃO não é lamentAÇÃO, por isso, celebro!

Marla de Queiroz

Enquanto não encontro o homem certo... me divirto com os errados

Garotas Perversas

Foi lindo ver você apaixonada
No primeiro olhar que você deu
No encontro casual na madrugada
Tanta felicidade entre você e eu
Rolava um sentimento sem palavras
Não havia nada pra dizer
A troca de emoção é pura mágica
Quando o impossível pode acontecer
E a realidade virou sonho
Nenhum de nós dois sentia medo
Na boca, o seu sorriso era de anjo
Entre nós dois não tinha mais nenhum segredo
Não vai dar pra pensar
Não vou mais te esquecer
Foi amor e teve tanta intimidade
Arranhou meu coração
Pro meu corpo deu prazer
Foi tão forte que provocou até saudade
Você sempre será a namorada
Que com liberdade eu aceitei
Desde que te encontrei na madrugada
Sonhando acordado eu me apaixonei

Fabinho Mello

O encontro...

Não consigo mais viver sozinho...
Preciso de você!!!
Onde você está?
Onde te encontrar?
Já procurei em vários lugares...
Quase que morri...
Procurei lá...
E não te encontrei...
Procurei ser feliz em tudo...
Mais algo não deixou...
Eu preciso encontrar um grande ‘amor’, acho que é difícil isso...
Mais creio não é impossível...
Eu imploro e oro, procurando onde você está?
No mar...
No céu...
No infinito do oceano...
Nas profundezas que abalam a vida...
Eu preciso enxergar a vida de uma forma positiva...
Preciso de você para tentar ajudar-me enxergar e ver o lado bom da vida...
Sozinho não consigo...
Preciso de um grande amor...
Preciso de você...

Daniel Barbosa

TP 179.
Passaram poucas horas juntos, com a sensação de que seu encontro era mais que uma conspiração de acasos. Não puderam entristecer-se, felizes que estavam com aquela brecha de vida que desenrolava uma fita, que tecia um urdidura rara e frágil. Falaram da vida e do mundo aproveitando cada instante, sem reservas ou medo, sem querer estar em nenhum outro lugar além dali mesmo, ao lado, desfrutando os minutos com a entrega absoluta da iminente finitude. Mereceram esquecer-se da vida que existia fora daquelas circunstâncias, porque concederam-se experimentar as possibilidades, ainda que as possibilidades fossem nada mais do que desejo secreto e improvável. Descobriram que podiam partilhar uma invenção do mundo em que só eles eram o que realmente eram e que lhes permitia serem assim, na simplicidade do acaso, um pouco um do outro como não tinham experimentado ser para ninguém, sem plano ou aquiescência, sem querer. Habilitava-se uma cumplicidade irrepetível que fazia o ar mais doce, mais calmo e seguro, subentendida a singularidade do que estavam vivendo, como se sussurrassem em silêncio para que cada segundo fosse sorvido, gravado, absorvido, tatuado na memória dos sentidos. Sem tristeza ou pesar, procuravam reter tudo o que eram capazes um do outro, relicário de imagens e sons, o riso, a maneira de mexer a boca, erres e esses, a cor das mãos, o nome dito por aquela voz, a marca dos lábios no copo, os cílios inquietos, os cabelos em desalinho, um cheiro de perfume e sono, o formato das unhas, o volume do corpo. Sabiam que não ousariam rebelar-se contra o que se fazia posto e acabado na vida que era para além dali, mas queriam guardar um do outro, ainda que ainda não soubessem, recortes e fragmentos para contarem sua história de outras formas, de outros jeitos, com outro enredo que lhes permitisse experimentar o gosto da boca, dos líquidos, o peso do corpo, o calor das mãos, suas sombras, noites, vento, manhãs. Porque precisavam disso, do que eram e da rebeldia escondida do que poderiam ser, mesmo longe, mesmo reinventados, mesmo nas lembranças imaginadas do que nunca teriam vivido, uma dobradura feita daqueles momentos, como se pudessem transformar os instantes em uma outra coisa qualquer, sem lógica ou tempo, viva por si mesma dentro deles em algum lugar. Secretamente viva e possível, assim que ousassem vivê-la.

Patricia Antoniete

Mas se no fim do dia aquele sorriso vier ao meu encontro, sinto-me como quem ganha na loteria acumulada, ou como a criança que ganhou no natal, aquele brinquedo que começou a pedir no mês de abril.

Porque você, meu bem,
Você se fez peça chave dos meus dias perfeitos!

Dani Cabrera

Entre urros e sussuros
Feridas abertas eu curo
Me escondo, me perco,
Me encontro...
Dou de ombros à tristeza
E recrio, da poesia, a beleza...

Rose Felliciano

VIAJAR NO MEU PEQUENO EU

Me encontro aqui, sentada a deambular entre meus ínfemes e míseros pensamentos... sem muito no que pensar
No meio de um nada e em minha constante e feliz melancolia.
Passam-se os anos eu mudo, reviro-me e me reencontro aqui num mar de contrastes...
Mil perguntas passam pela imensidão do meu cerébro, perguntas parvas de respostas concretas e disconjugaveis.
Mudam-se-me os nomes, permanecem-me os apelidos e meus contrastes, me perco em mim... morro em minhas atitudes e ressuscito em meus contrastes.
Outra vez, a mesma sensação... de novo a mesma dor da perda me consome.
o que falta em mim? o que a complicada simplicidade que me rodeia roubou de mim desta vez? Algures perdi algo que não consigo encontrar, mas onde se não sai daqui, encontro-me a séculos nesta mesma monotonia....
Ohhh!!! Agora entendo tudo... é essa monotonia que me consome, me rouba todo nada que consigo... não aguento mais isso!!!!
Mas espera aí!!!!! Que monotonia? Como sei eu que isso é monotonia se não conheço outro estado de vida se não essa latessencia em que me encontro?
ohh! Injusta de mim... condeno-me sempre a um mundinho de desesperos e futilidades úteis... apresso-me a julgar o modelo medíocre de vida numa linear constante.
Mas como posso eu querer ou ainda exigir de mim uma aderencia a uma vida mais apreciavel se é so esta a realidade que conheço... se minha fraca e fértil imaginação nunca viajou por outros campos se não a oscuridade da minha própria realidade?
Daí me ponho aqui sentada no meio a nada e uma vez mais viajo e percorro o interior do meu pequeno eu, numa corrida lenta e rotineira que não me cansa, e apesar de exausta me alegro com as tristezas que revivo.

Lyah dos Anjos

Nada acontece por acaso, cada frase vai ao encontro de quem precisa dela

Mestre Arievlis