Deise Silva: O Vento Sou aquele que passa...

O Vento

Sou aquele que passa bruscamente,
Levanto tudo aquilo que esta no caminho,
Sou aquele que passa tão suave,
Que faz o mendigo que dorme no banco,
Apreciar o espetáculo do cair das folhas,
Que dançam enquanto descem sutilmente
Ao chão.


Sou invisível,porém sentido a cada passo,
A cada olhar , a cada movimento simetrico
Das roupas, do vestido da bela moça.

Sou aquele que vagarosamente,
Folheia o livro sobre a mesa de madeira,
Naquela casa antiga com a janela aberta,
Onde com as palavras tenho uma longa conversa.



Desculpem-me aos danos que causo,
Pois minha fúria diante da destruição humana
É tão forte que meus olhos cegam,
Assim como os olhos daqueles que devastam
Parte de mim,onde não posso mais,
Balançar o topo da Rainha.

Inserida por DeiseSilvaOvento