Gabriella Beth Invitti: E todos irão lembrar. Hoje parei para...

E todos irão lembrar.

Hoje parei para pensar e pensei em cada pessoa que passou por minha pequena vida. Pensei em cada amigo, cada amor, cada familiar, cada conhecido, cada professor, cada colega... Logicamente não me lembrei de todos. Mas daqueles que consegui lembrar, tentei entender cada coisa que eles me atribuíram.

Cada pessoa que passa em sua vida deixa algo em você. Te ensinam o que você deve fazer e o que você não deve fazer. – Se uma pessoa passar em sua vida e te dar coisas boas, você passará a fazer coisas boas. Mas se ela te der coisas ruins, você entenderá o que não deve fazer. E aos pouco você aprende que não deve fazer com os outros, o que não quer que façam com você. – É como se nada fosse por acaso e cada simples gesto é algo que lhe adiciona.

É como uma árvore, o vento passa, balança as folhas, mas a árvore permanece. É isso que acontece, as pessoas passam, o tempo passa, nós mudamos, mas continuamos aqui. E a árvore envelhece... Seus frutos muitas vezes estragam e pragas dominam suas folhas... – As pragas são as pessoas que passam por nossas vidas, elas podem nos fazer bem ou mal, mas sempre deixarão algo. – Os frutos são as nossas ações, tudo que nós fizermos gerará algo. Seja algo bom ou ruim, sempre terá uma conseqüência.

E um dia a árvore morre. – A árvore morre pelas pragas ou porque alguém a derrubou. Mas o importante é que em sua passagem ela deixou sementes, e as sementes podem ser filhos, ou então, ações que sempre farão as pessoas se lembrarem daquela árvore.

O tempo passa, e as pessoas que passarem por aquele caminho, não irão lembrar sempre que existia uma árvore ali, mas não irão esquecer. Toda vez que elas virem uma foto daquele local, ou toda vez que fizerem algo parecido, lembrarão daquela árvore. E alguém irá dizer: “Um dia existiu uma árvore aqui, ela morreu, mas enquanto estava viva enfeitou o caminho de muitas pessoas”.

E você pode se perguntar, ‘por que eu pensei nisso hoje?’. Porque ontem eu ouvi algo que me chamou atenção, palavras sobre uma pessoa que já não está mais entre nós: “Ele fumou feito o diabo, bebeu feito o cão, se drogou como se fosse imortal, fez tudo que teve vontade, conseguiu tudo que quis com determinação. Era extremamente louco e extremamente inteligente. E nunca, em momento algum recusou ajuda a alguém. Ele estava presente na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, até que a morte o separou de todos. Foi uma das pessoas mais incríveis que conheci... Acho que gostaria de ser como ele. Gostaria de ter a coragem dele. Ele sofreu quando morreu, mas sua morte foi sua maior aventura. E certeza que hoje, onde quer que ele esteja, ele está feliz.”

Esta árvore viveu intensamente cada tempestade, e mesmo assim deixou bons frutos, deixou saudades! – E então, arvorezinha, o que você quer que eu fale depois que você virar adubo?

Inserida por gabiiinvittti