Márcia Rocha: DE VOLTA Ser viajante sem parada De novo...

DE VOLTA

Ser viajante sem parada
De novo encontrar a mesma estrada,
Voltar à mesma casa que foi deixada,
De onde saíste sem pensar em mais nada.

Dos encantos que aprendi na vida
No profundo do teu corpo me fundi,
Nos caminhos percorridos
Sempre procurei o amor em ti.

Foi meu alento minha poesia,
Meu canto minha nostalgia,
Meu destino que te entreguei um dia.

Ó amor meu que ficaste ausente!
Não te apartas do meu amor presente
Deite em meu regaço tua alma para sempre.

MÁRCIA ROCHA

Inserida por luizcondetorres