Ricardo Alves: Uma força estranha habita em meu...

Uma força estranha habita em meu intrínseco: eu consigo sentir e, simultaneamente, eu já não mais sinto. Sinto um sentimento que não sei qual, mas sei que o sinto – possui a força de um cavalo selvagem e iguala-se às vontades da paixão, mas possui em sua “composição” a sutileza e a pureza do amor. Senti-lo já é meio caminho andando, o próximo passo é desvendá-lo, mas, se basta apenas sentir, não se faz necessário descobri-lo, ou faz?! Ah, se trata de algo muito complexo.

Inserida por reckoning