Erasmo Shallkytton: Deixe-me amar cada vez mais Quando o...

Deixe-me amar cada vez mais



Quando o inverno chegar, vou lhe procurar,
Pra cantar as alegrias do nosso bem estar,
Ao lado da tua aclarada silhueta maravilhosa,
Sei que ficarás ociosa pra amarmos até cansar.

Naquele tempo frio, coladinho no teu corpo,
Sem contorno, abraçar-te-ei até no pescoço,
Fazendo trajeto sem pensar em qualquer objeto,
Eu fico ereto, abrangendo-te com tantos afetos.

A chuva cairá de mansinho em nosso telhado,
Todo espelhado com o meu coração prateado,
De tantas emoções que jorrarão espalhados,
No limiar das goteiras que fazem o meu meado.

Eu quero te ver mulher donzela, pois, ela é só pra mim,
É toda assim, uma bela que não tem sequer um fim,
Até parece o fundo do universo em meus frágeis versos,
Que adormecem em profundos beijos feitos de jasmim.

Eu te quero completa na minha eterna alma exigente,
E por aí vai contente com o balançar dos lindos cabelos
Afogando o meu pensamento que voa tranquilamente,
E quando o inverno chegar saiba que eu vou lhe procurar,
Pra ficarmos unidos e deixar rolar essa feição que vou dar.

Inserida por Shallkytton