Jorge A. Filho: O fim Dizem ser um momento eternizado,...

O fim

Dizem ser um momento eternizado,
tão venerado quanto o próprio começo, o debute, o nascimento
ou o amor que surge em acelerado batimento
de coração apaixonado.

Num otimismo alvoroçado,
o fim é exaltado por ser o ponto mais distante dos outros finais;
E no eterno jamais, o pessimista vê o começo de um novo ciclo,
fadado ao fim em um novo ciclo de cabos, definitivos e amargos.

O fim causa estragos,
mesmo abstrato, imaginário, é feito num triste cenário,
sem nada aparente, temerário, reticente…
Mas no romantismo remanescente, o fim é o meio,
vivido como se fosse o começo,
e nenhum tropeço ou desapreço faz com que o tempo seja cessado,
mesmo que uma vida tenha cabo,
ou o amor tenha pago o preço da incerteza de que o fim não é feito de tristeza.

Ela disse que o fim é o início de uma nova etapa, de uma nova era, de um novo momento…

Assim como o fim de cada minuto é o começo de um outro.

Triste parece o fim de quem pensa que ao final tudo acaba.
A espera sem fim pelo fim, deve causar-lhes tormento.
Ah, se eles lembrassem que justamente os dois – a espera e o fim – são…
meros embustes, subprodutos da fraude chamada, tempo!

Mais em: http://life.conectecon.com.br

Inserida por mrjorgefilho