Gabriella Beth Invitti: A vida é feita de amor. Ontem parei...

A vida é feita de amor.

Ontem parei para pensar nos momentos que tive com ex-amores. Não sei bem explicar o que senti, mas garanto que não era saudade. Senti algo bom – honesto – do tipo: “Que bom que essa pessoa passou por minha vida”. – Porque ontem eu tive certeza que não importa o quanto o tempo passe, esses momentos estarão guardados. – “Me pus a recordar as letras das tuas palavras, as feridas das férias passadas, o som da tua canção e a orquestra da natureza me apresentando a felicidade”.

Quando ele virou para mim e disse com sua voz tranqüila: “Eu gosto de você, e sei que você sente o mesmo”. Ou quando ele me disse com sua voz gostosa de ouvir: “Meu anjo, você não sabe o que é amor”. – Ou quando três palavras ditas da boca para fora fizeram meu coração disparar, meu ar acabar e o mundo parar: “Eu te amo”.

Quando eu lhe perguntava: “E quando tudo acabar – entre nós – como vai ser?”. Ele me respondia pensativo: “Cada um segue seu caminho”. – E cada um seguiu.

E se eu estivesse triste eu lhe mandava uma mensagem, entrava no MSN ou gastava meus míseros créditos ligando para ele. – Tudo para ouvir sua voz gostosa de ouvir. – Mas quando eu estava cansada eu desligava o celular e me colocava a pensar: “Será que estou fazendo o que é certo?”.

Quando eu passava pequenos minutos por dia conversando ao seu lado, rindo das brincadeiras e quase implorando um abraço. – Eu gostava tanto de ouvir ele falando que venderia milho na praia. Eu às vezes podia nos ver velhinhos de mãos dadas olhando o mar.

Quando eu sentia ciúmes enlouquecedores de ver sua página na internet. Quando eu sentia ciúmes enlouquecedores de ver ele conversando com alguém. Quando eu sonhava que no fim daria tudo certo. Acabou!

Eu mudei tanto. Meus sentimentos mudaram. E às vezes sinto falta de sentir estas sensações por essas pessoas. – É que eu olho para os lados e sei – eu estou sozinha novamente, completamente sozinha – eu insisto em negar para mim mesma, mas estou sozinha. E talvez a culpa fosse minha.

Era completo com vocês por perto. Era mais fácil sorrir. Era mais fácil ver a vida, mais fácil falar de amor. – Hoje é fácil falar de tudo. Mas não tão sinceramente. – Porque quando nos apaixonamos, fazemos loucuras e eu tive o chão e o céu com vocês. – Ah! Era tão fácil falar de amor. Vocês foram tão importantes para mim, mas acabou. E eu que achava que nunca poderia falar que finalmente havia chegado ao fim – falei – chegou. E vejamos só como terminados: Sem contato algum.

“Você mentiu quando jurava para mim fidelidade. Fui apenas um escravo da maldade. Você quis, você lutou e conseguiu. Você feriu os sentimentos que a ti eu dediquei, quantas vezes o seu pranto enxuguei, por pensar que era por mim que chorava. Você fingiu, você brincou com a minha sensibilidade. É o fim do nosso caso da verdade. Só nos restam recordações! Não toque em mim, hoje descobri que você não é nada, não podemos seguir juntos nesta estrada, é o fim do amor sincero que senti.” - Só nos restam recordações....

Ah! Estes amores que a vida me destinou, um mais cruel e faminto que o outro. Foram tão puros e tão detestáveis. Me pus a recordar: quantas feridas eu já curei, quantas mágoas já deixei, quantas desculpas aceitei. – Eu amei. E decepcionei no momento que deveria mais amar. Mas aprendi que a vida nos destina a amar, somente a amar, o resto você escolhe e conquista.

Mas estes momentos são os meus momentos. Eu sinto tanta falta de gostar de alguém... "E eu que queria de coração, ganhar um dia alguma bonificação, bem que dizia meu corretor: a vida é feita de amor".

Inserida por gabiiinvittti