Pedro Paulo: O QUE NÃO SE CONHECE Dentro do mar,...

O QUE NÃO SE CONHECE

Dentro do mar,
Fora dele,
Em frente à ele,
Observando no porto.
Sentado no deserto,
Exposto e vulnerável,
Sem nada pra ser coberto.
Completamente nú,
Com todas as alegrias,
Totalmente presas em um baú.

Olhos atentos em análise,
Analisando o que não se pode analisar.
Olhos abertos abrindo,
O que não se pode abrir.
Visão turva e cega,
Entendendo o futuro,
Aquele a quem eu nunca irei conhecer.

Observe o louco que escreve.
Com sua língua e mente,
Faz planos baseados
E convictos no futuro.
Como uma casa na areia,
Planeja e sonha,
Certo, de que estará em frente ao mar,
Observando no porto.
E ao mesmo tempo, convicto,
No que não há convicção,
Vê-se morto,
Com uma "adorável" flecha no coração.

Inserida por PPaulo