Vinicius Arnom Neves Diniz: Crise A crítica que consome a alma. E a...

Crise

A crítica
que consome a alma.
E a especulação
que toma à calma.

O álcool que move,
não movimenta,
não o corpo,
mas a tormenta.

A água
que rega a fonte,
que cala a sede,
que corre o monte.

E a parede
que desmonte
Os tijolos,
O concreto.

O concreto,
Tão sutil
Como o indiscreto.

E o abstrato,
Tão retórico
Quanto o destrato
Que encha o prato.

O prato… O prato… O prato
De quem tem fome
Não ao vicio, esmola.
Ao alimento,
não ao que consome,
mas para fome de quem não come!

Inserida por viniciusarnom