Sempre: Questionado sobre minha pobre escrita...

Questionado sobre minha pobre escrita pelos tais gênios das letras, defendo-a, do mesmo modo que hasteei a minha bandeira do nada no vazio, defendo-a dizendo que essa não tem público alvo, escrevo ao homem e ao menino, ao mestre e ao discípulo, a água e ao vinho e por fim escrevo . Escrevo por achar que devo me permitir, explicação ou interpretação para minhas linhas pouco me interessa, se o desejo que habita for saciado de mais nada precisarei. Assim continuarei vivendo com um pobre rei, cercado de súditos imaginários, concumbinas indescritíveis e amores inenarráveis. Se não tenho a Pasárgada de Bandeira me contento com meu castelo inteligível e daí tirarei os mais nobres motivos para ser feliz e se porventura for interpelado usarei a minha espada de sol e sem crueldade, lutarei até o fim...........

Zé Fernando 16/12/09 03:03 da manhã

Inserida por mufuiba