Siomara Reis Teixeira: O Semear do Amor Nunca é por demais...

O Semear do Amor



Nunca é por demais tarde.
Jamais o tempo faz-se ausente
Que nesse momento cesse o grito
O lamento que invadiu

Destruindo a melhor parte do que na alma existia
Apanhados de sonhos idealizados
Transformados em belas e coloridas flores
Guardadas e enfeitadas, delicada e esmeradamente

Em lindas cestas, bouquet e ramalhetes
Flores colhidas nos jardins suspensos
Da projeção mental de um amor imaginado, imortal!

Todavia, em oposição à eternidade
As estações passaram e do calor a fertilidade
O clima tornou-se seco e árido

A beleza, o brilho e as cores das flores
Inexoravelmente, findaram.
Se foram incitados ou por descuido, facilitados?

Já não mais importa...

Quiçá, delírios procrastinados da razão.
Entretanto, sempre existe tempo para que a existência
Ensine o semear, em outros jardins, com exatidão.

Inserida por siomarareisteixeira