Ricardo Sales: Guia – me pelo mais estreito caminho,...

Guia – me pelo mais estreito caminho, até que eu não consiga saber onde estou. Assim que meus pés sangrarem, sentirei que cheguei no lugar, de onde nunca deveria ter saído.
Dúvidas são medos, que se escondem em todos lugares imagináveis, e os fazem perder oportunidades, de vencer, amar, trocar, arriscar, os poupam principalmente de crescer em seus mundos individuais. Porém o medo ainda se torna mais cruel quando traz consigo uma ligeira impressão de felicidade. Aliás, o que faz de verdade é limitar fronteiras da imaginação e acostuma-los com paradigmas de erros e indecisões. Além de deixa-los cegos, o medo também traz à tona circunstâncias que os fazem duvidar de sua própria capacidade de fortalecimento e superação, deixando-los impossibilitados de lutar pela verdadeira e almejada felicidade.
Com o passar dos anos, surpresas e indignações se tornam coisas utópicas, e absurdos não são tão mais assustadores assim, cria-se novas perspectivas e a felicidade verdadeira, não é algo que as pessoas têm tempo de buscar, muito menos coragem. Os padrões de uma vida boa, agora não importam, perto da corrida pelo lucro máximo, venha ele como vier, e os lucros sempre vêm para os que persistem, mais na maioria das vezes isso não é garantia de paz ou alegria. O lucro em si, não é o que mais lhes atrapalha, porém o tempo perdido em busca–lo; os tornam velhos de corpo e alma (para os que a tem). A relação entre dúvida, medo, felicidade e lucro está resumida em pensamentos particulares de cada ser, e o que cada um realmente merece receber pelo modo em que julga situações, e pela sensibilidade existente no caráter de cada um deles.
Os que hoje se mostram felizes aos amigos e familiares, talvez tenham uma impressão de que na vida, não se pode perder tempo errando, então se submetem a situações constrangedoras e tristes; o que só faz revelar sua tão visível fraqueza e seu tão “nojento” medo das barreiras de motivação, que freqüentemente encaram em suas vidas.
A sensibilidade de visão de pessoas que estão ao redor fica camuflada em pensamentos maquiavélicos e maliciosos que nos cegam, e fazem-los ficar surdos perante os conselhos bons a ponto de vista moral.
Depois de muito, se aprende que nada é perfeito, e que se deve sempre lutar pelo certo. Sacrificar coisas, não deve ser encarado como uma derrota (mesmo que seja uma derrota momentânea), mas sim como uma fase, onde em pouco tempo houve-se bem. Dantesco é continuar achando que tudo está bem, é continuar se enganando e acabar no fim descobrindo que nada disso valeu a pena.

Inserida por ricardosales