Gabriella Beth Invitti: Permaneça firme. A vida é feita de...

Permaneça firme.

A vida é feita de escolhas, e isso todos nós sabemos. Mas eu prefiro não chamar de escolhas, e sim possibilidades. A palavra ‘escolha’ parece ser limitada, e a palavra ‘possibilidade’ parece ilusão. Então, eu definiria a vida como uma eterna ilusão.

Às vezes eu acho que eu vivo na ilusão de achar que posso ser feliz sozinha, é como se às vezes, em determinado tempo do dia eu olhasse para os lados e não achasse motivos para sorrir. O meu medo de perder me domina, então eu faço tudo errado, pensando que estou fazendo tudo certo. Eu perco porque não quero arriscar perder. E não consigo viver com a sensação de perder, por isso, eu costumo mudar sempre. É como se eu estivesse numa vida, perdesse, desistisse e fosse para outra vida. Uma série de reencarnações que costumam fazer eu evoluir. Acontece que às vezes eu perco muito por ter medo de perder, e mesmo assim quero demonstrar coragem.

E após evoluir várias vezes, eu entendi que eu não devo ter medo de arriscar. Afinal, o que eu não perder agora, perderei amanhã. Nada é para sempre. A vida não é para sempre. – Apesar de eu querer a eternidade, eu não a terei.

Tudo porque eu passo por problemas que eu não gosto que as pessoas saibam ou tentem ajudar. É como se fosse um fardo apenas meu. E então, quando algo acontece, algo com extrema possibilidade de se tornar outro problema, eu fujo. E é tão simples, mas depois dói tanto. – Foi caindo que eu entendi que as coisas não são assim. Foi caindo que aprendi que eu estava certa: os meus problemas, são apenas meus, e não importa o quanto as outras pessoas tentem ajudar, eu tenho que resolvê-los sozinha, para ter certeza que foram resolvidos. Mas eu não devo evitar outros problemas, eu devo arriscar. Porque um dia, Deus arriscou me dar a vida.

E talvez, eu seja muito nova para pensar assim. Eu sou muito nova, mas eu vivo de preparações. E então, eu surpreendo por estar preparada, ou caio por estar desprevenida e então levanto para provar que não desisto. – A maturidade começa, quando você começa a querer entender a vida, quando você entende que por mais manipulador que você seja – a vida não é um simples jogo. Ela é um grande jogo. Por isso, entre neste jogo com grandes apostas.

E aos poucos você aprende, a correr atrás apenas de seus objetivos e sonhos, e as pessoas deixá-las livres. Praticar o chamado ‘desapego’, que hoje é mal visto, mas é o que devemos fazer. Porque o desapego, não quer dizer se apaixonar no plural. Desapego é soltar o seu balão, e deixar que ele voe, pois se o destino deste balão for o mesmo que o teu – ele voltará. – Nós só devemos esperar que ele não volte tarde demais. E enquanto isso, você tem sonhos, objetivos – apostas – para fazer.

Não fique triste por estar sozinha, as possibilidades aparecerão. Escolha o caminho mais difícil, arrisque e vença. – E não se preocupe, o seu balão, está voando por aí. – Problemas? Existem, e você irá resolvê-los.

Permaneça firme, mas não no mesmo lugar - evolua! E não se deixe abater.

Inserida por gabiiinvittti