Natanna Xavier: Caixinha de Música Ele passava por...

Caixinha de Música

Ele passava por aquela rua todos os dias
Conhecia todas aquelas vitrines e nada mudara
Até o dia em que algo na loja de relíquias lhe chamou a atenção
Estava uma caixinha dessas de música aberta, parecia nova
E sua linda melodia acompanhava a encantadora bailarina
Ela rodopiava levemente vestida de branco
Encantado, perguntou ao dono quanto custava
O velho atento ao deslumbramento do rapaz resolveu presenteá-lo
Surpreso, o rapaz agradeceu e imediatamente levou o objeto pra casa
Chegando em seu quarto, deu corda na caixinha e pôs de pé a bailarina
Ficou durante minutos observando e escutando
Encontrou então uma imensa paz, que a muito não sentia
Ele a deixou em cima da estante para tê-la sempre perto de si
Bastava abrir sua caixinha para assistir um espetáculo particular
Foi assim durante muito tempo, até achar que tudo aquilo era sempre igual
A mesma coreografia, a mesma música, que sempre levara ao sono
Resolveu deixá-la ali mesmo, na estante, lhe servia como mera decoração
Antes de dormir olhava o relógio e ao lado, a caixinha permanecia fechada
Ele sabia que a bailarina ficaria la, só não sabia em que ela podia se transformar
Certo dia, ao sentir-se triste resolveu abrir a caixinha de música
Ela estava empoeirada, a bailarina totalmente sem brilho, sem cor
Após dar corda, ouviu uma música rouca, quase silenciosa
Pode então perceber como aquele velho objeto que nada lhe custara tinha valor
Já era tarde e nada podia fazer, toda a beleza esvaiu-se
Logo que amanheceu, voltou à loja de relíquias
Implorou ao velho que restaurasse o presente que lhe dera meses atrás
O dono da loja encheu-se de melancolia ao ver a bailarina
Em seguida disse que o objeto havia sofridos sérios danos
Tentaria concerte-lo, mas, demoraria certo tempo
Além de tudo, não podia garantir que ela voltaria ao seu estado de antes
Talvez não recuperasse as cores, a melodia, o brilho, os movimentos
Ao retornar à casa, encontrou pousando sobre a estante, a culpa, a saudade
Desde então ele segue pelas mesmas ruas e sempre pára em frente a loja de relíquias
Na esperança de um dia encontrar novamente sua bailarina, rodopiando como na primeira vez que a viu.

Inserida por NatannaXavier