Paulo Henrique de O. Rodrigues: Carta de desabafo Sabe esta é a...

Carta de desabafo

Sabe esta é a primeira vez que uso o Word desde que o instalei em meu computador e venho a usá-lo para libertar da minha cabeça alguns de meus sentimentos que já tentei de vans maneiras liberá-los de mim já tentei lutar com alguma pessoa na academia, pois eu faço karate (afinal não sou covarde o suficiente para arranjar uma briga na rua com que tenho certeza não seria páreo para mim procurei alguém forte para até mesmo talvez apanhar, pois a dor física eu sei como suportar e destruir, eliminá-la de mim), já tentei beber (mais o álcool não mata a sede nem embriaga um coração tão triste que só o faria alegre com á embriagues). Bem esta é minha ultima tentativa sinto-me como se tivessem arrancado meu coração com as minhas próprias mãos e apesar disso tento parecer que estou bem, pois ninguém tem culpa pelo que eu sinto mais já não consigo suportar, pois a cada minuto minha mente vaga e lembro-me de palavras fortes que me fizeram ficar assim e como se eu entendesse a dor da margarida quando é arrancada por uma pessoa apaixonada de seu solo fértil apenas para aquela pessoa brincar com suas pétalas arrancando uma por uma até que a margarida não passa de mais um pedaço do que ela já fora e por fim quando já não e necessária descartada ao relento para apodrecer em meio as ervas para no fim ser apenas um pedaço de planta seca sem vida sem cor sem nada vendo enquanto apodrece suas companheiras flores crescendo bonitas e fortes, pois tiveram a sorte de escaparem da mão da menina apaixonada que lhe arrancou a vida com uma tortura lenta e calculada entre palavras de sim ou não que no final a ela mesmo pouco importava, pois já estava feliz.

Mais se disse que me sinto apenas como a margarida impotente e frágil pelos acontecimentos a minha volta estaria muito melhor do que estou porque ela possui a dignidade de poder mostrar a sua dor e estar à vista tal dor para que fique claro o que sente e eu não possuo no momento tal poder então sofro calado e invisível embebido em minha raiva devastado pela minha fúria sabendo que a única coisa que eu posso fazer e olhar para o meu infinito interno e me ver fazendo o que quase não noto mais faço sempre que me volto ao meu eu exterior chorando e no meio de tentativas vans de realmente esquecer o que sinto mentindo para mim e para os outros me deparo sempre com um obvio motivo pelo qual não consigo entender como a falta do conhecer quem está há tanto tempo ao seu lado pode doer tanto, pois e tão bom não saber nada do que saber um pouco tão doloroso que lhe faz querer saber mais e mais e a cada mais que você sabe mais dói e a quanto mais você não sabe te dilacera inteiro.

Aquele que já foi magoado se protege para não ser magoado novamente e quando isso se repete ao invés de como o obvio em todas as experiências da vida tendes sempre a ficar mais forte, neste caso você tende a ficar mais vulnerável.

Acho que se eu continuar a escrever este relato apenas vai mostra minhas fraquezas, pois sou um fraco eu mesmo vejo isso em mim, mais o pior e saber que quem e ler isso ficaram pelo menos um pouco triste, pois ira conhecer minha dor então neste momento venho colocar este texto para uma língua que não e a minha para que meus conterrâneos vejam mais não entendam o que tenho a dizer como a margarida que grita para que suas amigas tentem fugir da menina para não estarem como ela mais suas amigas já não escuta sua voz fraca de tão longe a quem ler e entender obrigado uma parte de mim mora em seu coração e desculpe por te dar um relato de vida tão ruim.

Inserida por bartaew