Fernanda S. Medeiros: Poesias, poesias, poesias, poderiamos...

Poesias, poesias, poesias, poderiamos então viver assim? Com poesias caindo das árvores como doces frutos, outrora azedos, mas sempre a nos dar a nítida sensação de pertencimento.
Sentir-se vivos, de braços abertos para o céu, livres como pássaros, suaves como folhas ao vento, coloridos como arco-íris e tão breves e refrescantes como chuva fina de verão.

Fernanda.

Inserida por FernandaMedeiros