Sandro kretus: Palavras dissolvidas O poeta sangra...

Palavras dissolvidas

O poeta sangra quando escreve
Uma vertente de verdade
Mesmo quando escurece
Ofuscando a claridade

Palavras de amor
De dor e de saudade
São apenas palavras
Sobrepostas uma á outra

Que sangram sozinhas
No silêncio de suas sílabas
Palavras dissolvidas

No fervor da língua
Que afiada, fere e xinga
E eloquentemente grita

Inserida por santro