Alex Alves: Quebrada a hora no momento da ternura,...

Quebrada a hora no momento da ternura,
Elevaste-te no meu ser sem ares de amargura,
Como uma semente presa num sonho perdido,
Em desencantos constantes, num mundo esquecido...
Em silêncios profundos, o inalcançável abriu,
No Inferno, em chamas, tudo cor ruiu,
Ouvindo num alto tormento,
Todo o teu ser, em mim, partiu...
Mas não mais fluíste a chave do acordar,
Não quebraste o portão da loucura,
Deixaste-te apenas voar
Neste meu tumulo sem formosura….
Tu... porém, eu sou o pecado...
Tu... porém, eu sou o recordado...
Dona de um mundo que nem eu conheço
Entrego-me ao incerto onde desapareço...
Desapareço… rejuvenesço…
Num incomensurável lacrimejar
Sem nada se não tu para respirar
Pois que és a luz da minha vida, o fogo do meu gelar,
O meu pecado, a minha alma…
Nada mais eu peço, se não o acordar,
Pelo que o passado é futuro triste de lembrar
Uma fragrância eterna de uma flor,
Num templo puro, escuro, recheado de amor…
Assim, num olhar tão medonho,
O inferno deixou de arder,
No paraíso tudo disse para esquecer
E no silêncio de um mudo
Meus gritos no nada foram o desvanecer...

Inserida por alexalves