Alessandra L. Leal: Estrela cadente Por onde anda a estela...

Estrela cadente

Por onde anda a estela cadente que eu pedi?
De tão triste não cortou o céu, de tão pequena eu não vi.
Foi loucura ou dispersão? Não sei.
O céu sem as estrelas sempre parte meu coração...
É como apagar da mente os sonhos, mesmo sem intenção.

Que dura é a vida, que nos faz escolher entre todynho e vitamina.
E que bom seria, se assim dessa forma, tão pouco fosse, todas as minhas questões.

Pra que durar pra sempre, se o pra sempre, é sempre demente e nunca o se sente.
Quero então partir hoje se é pra brincar de ilusão.

Quantas pétalas cabem na palma da minha mão?
Quantos sonhos eu ainda abrirei mão?
Quantas vezes me disperdicei por tanta emoção?

O que sobra de mim é tão pouco e tanto que...
já nem sei.

Já nem sei das razões.
Já bem sei das aflições.
Já tentei novas invenções.
Já cansei das minhas intenções.

E a estrela cadente?
Caiu ou se perdeu na imensidão.

Inserida por AlessandraLeal