RABE: Versos mitigados Poeta, na lavra dos...

Versos mitigados


Poeta, na lavra dos meus versos,
Palavras não têm cabresto,
Amo, com amores diversos,

E se não encanto, não empresto meu texto,
Canto, um canto triste, de tristeza pouca,
Versos mitigados na forja de uma mente louca,

Doença rara, de um menino litigioso,
Dado a brigas com deus nosso senhor,
Amante de muitos amores, casto e cioso,

Poeta por agora tens; o brilho fausto da cor
E aos saltos, a poesia, clareia as noites...
E enternece piedosos cantores,

Na minha faina, esta mesma poesia é profética,
Desentranhada com rituais litúrgicos
Esfaimada por versos métricos e ricos,

Dorida e pouca; minha sina; minha força poética,
Poeta, amo e do amor temo perder o mistério
E mãos postas; rezo, aos deuses do refrigério,

Que de minh’alma, não se esvaia o temor.
Poeta, nestes tempos tudo é urgente clamor,
Mal começa o dia e é finda a poesia,

Soluço por um longo dia,
Por um abraço que me transporte ao findar do sol,
Soluço por cadencias e ritmos, por verdades que subsistam ao tempo.

Inserida por RABE