Patrícia Assmann: Quando eu puder... Quando eu puder,...

Quando eu puder...
Quando eu puder, farei uma carta a todos que têm medo de amar.
Uma carta urgente.
Contarei a eles minhas desventuras, dos tempos em que eu não me amava e que pensava que isso me ajudava a amar aos outros.
Tempos secos aqueles...
Joguei as oportunidades, pisei as esperanças, substituí sonhos verdadeiros por realidades mentirosas.
Direi que amem!
Acordem de braços e lábios abertos.
Sorriam, envolvam, curem.
Digam sim quando alguém precisar!
As carências são uma forma de desejar amor. E a partir delas surgem abraços, palavras, conselhos, amigos. E, às vezes, amores.
Quem não ouve na necessidade, não abre a porta da possibilidade.
Você também precisa de amor. Amor humano que se diviniza no respeito.
Quando eu puder, vou dizer a todos que amem incondicionalmente.
Mesmo que seja engraçado, ridículo, exagerado.
O Amor cura, e é grande a fila dos que querem ser curados.
Abrace com gosto. Afague os cabelos e a alma que está sob eles.
Aninhe no colo, descreva o elogio.
A vida pode ser pequena, mas se os atos e a vontade são grandes, ela se dilata para nunca mais terminar.
Quando eu puder, vou lhe dizer que seu único objetivo é o Amor, e que sempre é tempo de começar a amar.

Inserida por patsilvamello