Rodrigo Pinheiro de Faria: Pela primeira vez... Passei correndo Mas...

Pela primeira vez...

Passei correndo
Mas pude enxergar
E na virtude do tempo
Encontrei o lugar
Onde estavas escondida
Razão informe da minha vida
Cheia de tanta vida para me dar
Ouvi seus passos onde nunca pude imaginar
Em meio a teclas e atalhos
Em ti pude clicar
Como o toque em algo de extrema distância
Onipresença estranha para explicar
Lá tu estavas
Bem próxima de mim
Quase podia te sentir
Enquanto minhas lágrimas rolavam pelo rosto
Já podia adivinhar que era você
Mesmo perdido entre uma floresta de duvidas
Atolado em um lamaçal de solidão.
A vi
Como em meus sonhos a via
Um raio de luz em meu monitor
Onde menos esperava achar
Fui achado
Perdido
Encontrado
Dentro de minhas impossibilidades
Vi-me onipotente
Mesmo sem poder mover sequer uma palha...
A fé que me move respondeu; “Quem mais?”.
O que achei ser flerte
Move minha vida
A embala como a um bebê.
Não sei onde estou
Mas sei onde estarei
Movido pelo invisível me deixo levar
Crendo nesse amor
O escrevo
Para que possa vê-lo
Quem espera
Como eu esperei...
Toquei o seu corpo em um abraço
Senti o seu perfume em um beijo
O relembro em cada instante que nasce
E almejo pelo que temos a viver.
Temos as chaves da vida
Abriremos as portas que quisermos
Quem poderá nos vencer?
Quem poderá nos enfrentar?Se Ele é conosco...
Somos mais que palavras levadas ao vento fútil do passado
Nosso passado não é nada perto do que viveremos.
Presenteamos um ao outro
Somos mais que tudo
Idôneos e reais
Fábulas e encantos
Sonhos e realidades
Somos os autores de nossas vidas
Escritores do nosso agora
Que tão logo será passado como tudo já foi
Mas não seremos levados
Levaremos um ao outro
E nossos corações serão como berços
Confortáveis e estáveis
Fortes e firmes
Porque a duvida e o medo se podemos acreditar?
Dar o passo certo é nossa obrigação
Não erraremos deixando de agir
De tornar real nossa história
Inscrita pelo pulsar de nossos corações
Pelo “Ir além” de nossas vidas
Incontestável pelo amor que sentimos
Que nunca pensei sentir
Que por vezes achei nunca encontrar
Ou que simplesmente havia perdido.
Tu és o toque perfeito
A marca em meu peito
O véu descoberto
A aliança inquebrantável
A certeza dada
O presente de Deus
Minha fé incondicional
Vinculo da minha esperança
Fonte do meu amor...
Vamos além da esperança
Além do que dizem
Do que pensam
Do que podem imaginar
Do que podem desejar
Somos como o amor contado nos livros
Os fabulosos que imaginaram
Vamos além de tudo
Pois somos reais
Como nossa fé que nos forma
Que nos une
Que nos arremata
E nos predestina
Salvos para sempre
Como nos “felizes para sempre”.
Fruto de uma esperança sem limites
A Fé que tantos desconhecem
Que hoje me incita a dizer: “Eu te amo”.
Sem temer ou desconfiar
Desistir ou me amedrontar
Posso ir além com você
Além de tudo que já pude
Ser imensamente feliz
Com você
Em um cordão de três dobras
Difícil de arrebentar...
Pois com Deus entre nós dois
Somos invencíveis...
Incontestáveis
Irrevogáveis
Eternos...

“Levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem. Porque eis que passou o inverno, cessou a chuva e se foi; aparecem as flores na terra, chegou o tempo de cantarem as aves, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira começou a dar os seus figos, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem.”. Cântico 2:10.

Inserida por parabolador