Rodrigo Pinheiro de Faria: Hipérbole Nos caminhos da imaginação...

Hipérbole

Nos caminhos da imaginação
Onde as estradas dão curvas e se partem em duas
Onde a vida recomeça e se lança no impossível
Estou ali
Aqui
Bem próximo de mim mesmo
Mais próximo ainda de você
Do seu amor que gerado cria a vida de nós dois
Vitória de nossos sonhos
Das noites mal dormidas
Na espera incessante por nós dois

Nosso amor cresce dia a dia formado de uma substância ainda não conhecida.
Desconhecida por todos
Por muitos
O amor...
O amor que nos une
Dá-nos motivos de avançar
De ser eu e você, na luta constante desse amor que o Senhor nos deu.

As palavras são apenas palavras?

De nós fluímos nós mesmos
Parte de nossa esperança
Dessa nossa essência que cria nosso amor
Nosso amor
Ou simplesmente o que somos
Que o senhor fez

A história recomeça
Estendemos-nos no que geramos
Nós em nós mesmos
Mesmo que ainda em outra vida
Em outro sonho
Outro coração
Pois nosso sangue tem nome
Nosso amor.
A Vitória que geramos é mais que eu você,
Somos nós em um momento que nunca existiremos...

Mesmo que por onde as estrelas caminham
Onde os sonhos são tocados
O passo do caminheiro
Em estradas sem passos
Sem destinos ou marcas
Apenas nós naquele sonho que logo lembraremos
Do qual não resistiremos

Ao qual seremos levados pelos ventos da vida
Pelas lágrimas que correm em nossos rostos
À estrada onde a eternidade são nossas sandálias
Onde o fôlego que respiramos estinguirá.

Estarei
Mesmo de lá
Olhando onde olhos não existirão
Onde a distância nos separará
Somente Ela nessa dança
Onde o meu Guia me levanta e me acompanha na próxima música.

A vida que é mais que todos nós
Onde o Senhor amassa o Barro que quer e coloca-nos entre os mais preciosos
Mesmo quando não percebemos
Lá está a estrela que brilha mesmo pela manhã
O Lírio dos Vales
O Leão que nos cerca e protege.

Mais forte que Ele?
Mais alto que Ele?
Mais que Ele?

Estou aqui
Onde a aurora é eterna
E a noite jamais chega
Onde beijo os lábios do meu amor
A mulher amada que me ama
Inicio do que és
Madre que te gera
Da Vitória que és
Que sempre serás
Tens nela a primazia de si mesma
No sonho que logo acordarás para ter

Nesse caminho?

Onde as luzes fluem de onde não sei
Em que as escadas já não têm degraus
Onde a água não mata a sede
Só lá onde nem mesmo existimos
Vivemos nos arcos dos multicoloridos raios de luzes

Dos quais somos formados
Levados
Trazidos
Transformados
Exaltados
Pra sempre

Vejo nos seus olhos
Isto que carregas contigo
Trazes Daquele que não muda
Os sonhos dos sonhos que te fazes rir
Risos dos meus sonhos invisíveis
Irrepreensível é o que trazes contigo
Amor que flui do seu interior

Minha Linda Vitória de Amor...

Inserida por parabolador