Natália L.C. Bastos.: O pianista. Lembro-me de um pianista que...

O pianista.

Lembro-me de um pianista que se deixava levar uma música triste, a mais triste do seu repertório.
Era um poeta frágil e inútil com apenas um dom: poesias e tragédias.
Meu sorriso se tornava mais fácil, acoplando uma falsidade e uma ausência de vida sobre a minha face.
Lembro-me que antes de morrer o inútil poeta gravou a imagem em seu rosto, a única alegria que presenciei.
Em seu rosto morria o seu único sorriso e que deveria morrer com ele.
Luzes se apagam, e todo o cenário é desmontado,foi mais o fim de uma tragédia e o pianista permanecia a tocar.
Tocava agora, a única melodia de amor que permitia a movimentação dos seus dedos.

Inserida por Natichi