Diego Sandes: Às vezes a vida nos coloca em...

Às vezes a vida nos coloca em situações difíceis...
São necessárias em algumas situações, escolhas que amenizem a dor, que aliviam o sofrimento. Há situações em que a felicidade absoluta não é uma das opções, é sim o que se almeja, mas é impossível de ter.
Hoje vivo em um corredor, escuro e silencioso, com duas portas no final de sua extensão, e para sair deste local preciso escolher o melhor caminho. A porta de número 1 é considerada por muitos a que esconde um caminho feliz, difícil de trilhar no começo, mas com esperança de alegria permanente. É a porta em que largo meus sonhos e esperanças atuais e corro atrás de novas chances que possam finalmente me fazer feliz. A porta de número 2 é a que todos que gostam de mim querem que eu me afaste. A número 1 é uma simples porta, quer dizer, em minha conotação é a figura de uma porta comum, igual a essas que você encontra em qualquer loja, é a porta aparentemente mais bonita e chamativa da loja. Para as pessoas comuns é isso que é esta porta, uma porta bonita e chamativa. Eu não sou comum, sinto coisas que me tornam anormal. Essa porta, para mim é simples. Eu não gosto de coisas comuns, convencionais. O objeto que mais me atrai neste momento é a porta de número 2. Parece uma porta velha e de aspecto gótico, preta, bem acabada com detalhes robustos, tem dobradiças e maçaneta prateadas. É um aspecto que passa tristeza e tranqüiliza ao mesmo tempo. Dentro desta porta está o caminho que no momento é considerado por mim o mais obscuro e ao mesmo tempo confortante. É o caminho que não me leva a nada, que me faz voltar à minha posição atual. É a posição em que eu fico quieto, sem alterar nada, oferecendo assim minha vida às vontades do tempo. Ai você poderia perguntar: “-mas como uma das portas que deve ser escolhida é o caminho em que você volta a sua posição atual? Você volta ao corredor?” Respondo que não sei.
Apesar de ser atraído pela escuridão, tenho muitas dúvidas. Pra falar a verdade já estou a alguns meses no corredor que citei anteriormente. Às vezes penso que Deus deveria ter me deixado longe deste corredor, pois sofro a cada dia com a solidão que me domina. Porém, ao mesmo tempo, imagino que conhecer novos caminhos foi uma coisa boa. Tenho medo de ficar preso para sempre neste corredor e ser deixado para trás, ser esquecido por meus amigos e por quem sem querer, me empurrou neste corredor, que para muitos parece um labirinto muito complexo, mas para mim é só mais um corredor...

Inserida por DiegoSandes