Franciane Costa: Nem sei por onde começar essa carta que...

Nem sei por onde começar essa carta que já nasce atrasada... Justo eu que sempre soube lidar tão bem com as palavras, agora estas estão fugindo-me entre os dedos. Logo eu que sempre fui a dona da verdade, agora não sei o que te falar. Onde encontrar palavras em uma madrugada silenciosa, onde o mundo dorme e eu permaneço aqui acordada. São exatamente 3:45hs e tudo é um silêncio assustador que eu não sei se um dia o tempo apaga. Queria saber de você. A verdade é que achei que seria melhor assim. Talvez tenha sido! Mas o meu coração não se convence disso. Tenho pensado em muitas coisas, em tudo que eu nunca te contei. A verdade foi que eu menti. Sim! Eu nunca te amei, eu estava naquela relação por conveniência, comodismo talvez. Você sempre fez tudo por mim, procurar outro pra quê? Eu não tinha essa necessidade. Te trai muitas vezes. Você nunca desconfiou, caso contrário você soube disfarçar muito bem. Apesar das minhas besteiras, era para você que eu voltava. Confesso que até a tristeza era mais feliz do seu lado. Obrigada por ter me amado tanto. Desculpe por eu nunca ter te dato o devido valor! Não precisa responder essa carta, sei que talvez você nem vai abri-la e eu te entendo perfeitamente. Até qualquer dia desses em qualquer esquina da vida.

Inserida por francicosta