Henrique Flausino Perine: Papo serio de gente viva. Quem foi que...

Papo serio de gente viva.

Quem foi que inventou essa idiotice, essa tal “Até que a morte nos separe”? Cá entre nós, este energúmeno não sabia o que dizia, a morte n separa nada, ela destaca, ela apenas... Santifica uma pessoa, até, é claro.. Tudo que é vivo morrer.. E tudo um dia morre, e então, estaremos todos unidos de novo... A morte nos uni, paradoxalmente, ela nos uni.. Nos reduz a matéria inanimada, e nos maximiza ao apogeu de nossa existência, um espírito livre da dor e de todas as injurias desta terra. Quando penso em meus amigos mortos, por mais que me doa, ainda sim .. Penso em quão sortudos são, e quando poderei eu me esticar e sair por ai voando, livre, leve e solto..
A morte é uma folha em branco, não um ponto final. A morte é uma curva para a direita numa rodovia movimentada, não uma rua sem saída, ela nos traz a mente que devemos ser felizes em vida, para não nos arrepender depois. Sentir frio, sentir fome e cede, coisa idiota de gente viva, eu depois de morto, só quero saber de me aliviar, saber da brisa, do mel, da paz...
Mas o mundo dos vivos, este sim, tamanho sofrimento este proporciona a seus filhos, poderia ser melhor, se não fosse o medo irracional de morrer. Medo, o medo é uma das formas mais comuns de emoção dos pobres seres viventes, eles sentem medo, e tem medo de sentir medo, sobretudo medo dos outros vivos. Pudera, os vivos, acreditam que morrer é ruim, e eles tem uma convicção de que matar uma pessoa, é um castigo sem igual, sim.. O castigo existe, não para o morto ( sortudo ! ) mas para os amigos e familiares. Os vivos passam os seus dias como uma ladainha, um cântico de decepção com suas próprias vidas, então elas sofrem muito.. Os vivos sofrem com a saudade de quem já se foi, os vivos sofrem por causa de dinheiro, os vivos sofrem pelo amor de suas vidas, os vivos sofrem por doenças, os vivos sofrem por que são muito pobres, ou por que são muito ricos, não importa, parece que aflição é a contingência de quem vive... É na pobreza nordestina, ou num botãozinho vermelho na Coréia do norte, não importa, todo sofrimento tem a mesma raiz, o medo!
E o medo, o medo é da vida ficar insuportável, e a morte aparecer.. Pobres dos vivos, eles tem medo, do melhor que pode lhes ocorrer. Enquanto vivemos chorando, pelos nossos amigos mortos, nós... Fazemos, o que fazermos melhor, sofremos com a separação. O que nos resta entender, é que a morte pode até nos separar por alguns minutos ou anos, mas ela nos uni por uma eternidade, e isso faz a vida valer a pena.

Inserida por HenriquePerini