Artur Friedrich: persistente estava o indiferente sujeito...

persistente estava
o indiferente sujeito
com mais pressa que a própria luz
alma tristemente fadada!

sem tempo pra amar ou até pra ver
cegou-se de razão e focou-se no tempo
esqueceu-se da cor e até do pensamento

com a mesma pressa da vida que tinhas
a citada vida trouxe depressa o fim
quem duvidaria da finitude do viver?
como poderias? pergunta-se
nem olhes, dizem que é assim

detestável fato decorrente, penoso pesar
indescritível vista fictícia
do meu fictício sétimo andar

Inserida por pedrodalosto