Renata Saturnino: Como falar do meu tudo, sem doar tudo de...

Como falar do meu tudo, sem doar tudo de mim...
O pensamento...
A emoção...
O sentimento...
A alma...
Presa ao passado a essência dos versos ganha vida...
No aconchego do teu colo, sinto o aroma das lembranças...
Protegida do mundo, a criança indefesa prepara-se para guerra...
Na batalha da desigualdade, ela engole o choro...
A guerra solitária segue sem comandante...
Quando meu tudo partiu, não restou quase nada...
A esperança machucada, ficou sem abrigo...
Em tua companhia...
Ensinou-me a guerrear, mas não a me refazer da guerra...
Na luta pela vida, foste a grande conquista e a pior perda...
Mesmo assim, nunca deixarás de ser o meu tudo...
Porque no tudo ou no nada, sempre estaremos juntos...
Em mim verás o teu sorriso...
A bondade... A valentia do guerreiro que só perdeu para morte...
Meu tudo... Neste momento o alimento é a saudade do amor que vivemos...
Estejas em paz, sabendo que daqui até a eternidade, nunca serás esquecido... PELA TUA MENINA...
Didico esse poema a meu pai.

Inserida por RenataSaturnino