Gustavo H. Nascimento: Com passos firmes de um condenado Na...

Com passos firmes de um condenado
Na certeza de um fim
Sob as roupas um corpo castigado
Os olhos que olhavam o chão, na esperança de não verem aqueles que amavam
Ali, parados, olhando incrédulos.
E a multidão que se abre na direção de onde um dia foi o seu mirante
Ainda quando criança, lá brincava e de lá podia ver o mundo
Os gritos agora já abafados pelo pulsar do seu coração
Que não podia entender a sua calma
Ate para um julgado onde a lei diz que não se há outra pena se não a morte
A tarde era perfeita, nem fria nem quente.
Vendo o sol que se punha na sua frente
Com o ar triste de despedida
Dava-se lugar onde fora o balanço de criança
A sua nova prisão
Sabia que ali ficaria, não por mais do que alguns minutos
Mas esses seriam todo o resto da sua vida.
Quando sentiu aquele velho e conhecido trançado.
Não conseguia mais imaginar um futuro, tudo que tinha era o passado
Então o ar lhe faltou
Seus pés já não tocavam o chão.
Agora o seu coração estava calmo
Seus olhos escureciam junto com o dia.
Mas os seus ouvidos ainda ouviam a multidão que ficou em silencio
E o vento cantava uma suave melodia de adeus.

Inserida por gustavohn73