Carlos Henrique Ambrosio: Máquinas Maldita maquina apressada do...

Máquinas

Maldita maquina apressada do sabe tudo

O que sabe fazer?

Senão calcular e argumentar

E ver o azul como se fosse azul





Maldita maquina apressada do sabe tudo

De que adianta tanto esforço

Se no final aquele pequeno irritante lá de baixo

Que só sabe bater na mesma tecla vai acabar te convencendo





Maldita maquina apressada do sabe tudo

Inquestionável lógica que propõe

Que faz as bocas se abrirem

E transforma o místico em lenda e a teoria em fato





Maldita maquina apressada do sabe tudo

De que adianta tanta lógica se não entendes o mais simples

E questiona o inquestionável





Maldita maquina apressada do sabe tudo

Aonde irá me levar?





E tu?

Que quieta não fica nem por decreto

Que trabalha em cima do incerto

E se convence apenas com um olhar




E tu?

Maldita maquina paciente do sabe nada

O que sabe fazer?

Senão bater e morrer por cada ser que julga ser bom

Que embora veja o vermelho quer enxergar o azul





Maldita maquina paciente do sabe nada

De que adianta tanto esforço

Se no final você se cansará e verá de que de nada adiantou

E aquele pequeno lá de cima vai acabar te convencendo





Maldita maquina paciente do sabe nada

Inquestionável sentimento que tu sentes

Que derrama da pedra a lagrima

E transforma o nada em tudo e a teoria em fato




Maldita maquina paciente do sabe nada

De que adianta o amor que tu sentes se sabes que o final não é como queres

E mesmo assim questionas o inquestionável





Maldita maquina paciente do sabe nada

Aonde irá me levar?





Malditas máquinas que me fazem como sou

Que me guiam por onde vou

De trabalho eficiente e inquestionável

Por que não se calam por um instante?




Por que cada um não se limita ao seu campo

E tornam tudo mais simples

Por que se torturam como duas crianças?

E fazem com que eu perca meu tempo e o de vocês

Num discutir e argumentar

Num bater sem parar

Sem chegar a nenhuma conclusão

Pra que tanta confusão?!





E tu, Ser que fala conosco?

Por que não se cala por um instante?





Somos teus servos como tu é nosso

E sabe que gigantes não discutem entre si

Damos cada um uma ordem por que o mundo nos fez assim

E do mesmo jeito que somos feitos tu és também

E tem de viver como vivemos

Afinal escolhas nós não temos

Apenas você as tem





E tu sabes que escolhestes mergulhar na duvida do tudo

E nas certezas incertas que os caminhos nos dão

E agora nos vem reclamar daquilo que aprecia

Não reclames de tua escolha

Por que escolha melhor não tem

Escolhestes a vida

Agora aprecie nosso trabalho e a aproveite como ninguém

Inserida por alimargo