Denise Emmer: A LÂMPADA MÁGICA Para meu filho Arthur...

A LÂMPADA MÁGICA
Para meu filho Arthur



Vives em mim e tenho mais que uma alma
Sinto que escrevo um novo movimento

Flor que invento estranha e pulsante
Semblante mágico e aceso

Tenho-te preso planeta por um fio
Sou teu céu e cio, tua luz marítima

Meu ventre escuro de pão e de argila
É tua breve casa numa clara ilha

Estás em mim e tenho mais que uma pátria
Chegam-me equinócios, outros cromossomos

Somos eu e tu o pacto e o sangue
Silêncio e salto de naves acopladas





Sonhas meu sonho e sobe uma estrada
Perfeita e líquida lenta modelagem

Enquanto te construo prossegues em viagem
Por minhas labaredas, sol dentro de águas

Abstrato ser feito de anjo e ritmo
Sinto teu galope através de minha noite

Sinto-me inflar e sinto que sou vento
Sinto sou a Lua em sua face inchada

Quando desprendo a nuvem de uma escada
A cada mês a cada madrugada

Sopram-me as luzes e os discos e as dunas
Sou quase um sono imenso de inverno






A identidade de um rio sabe-se pela flauta
O quanto ele gira o quanto ele sonha

Saberei de ti quando desaguares
Quando aterrissares pássaro e menino

Eras só palavra agora és acorde
Música no ventre que lateja

Mesmo que ainda não te vejas
Te imagino Sol se repartindo em raios

Estava consciente da distância
Nas leis de uma ciência tão estranha

O que é próximo também é o mais longínquo
Dentro de mim estás no infinito






Como se fabricasse uma cidade sobre um astro
Como se recriasse a pré-histórica estrela

Faço-te em mim no meu eu mais que profundo
Por mim verás o melhor do mundo

A não ser das atômicas manhãs tão pálidas
Dos mísseis que apontam para um cego

Das nuvens sem nexo radioativas
Das ocas laranjas cancerígenas

Perdoa-me se te chamo para o frio
Para o arrepio de mais um século

Para as praças desertas vagarosas
Para a solidão de enxofre das esquinas






Passamos para um outro calendário
Nosso diário atravessa o que é princípio

Sou teu aquário faço-me instrumento
Acho que formulo um novo testamento

Aprendo a linguagem dos relógios
A cada Lua conto seus dragões

Teço os longos panos de espera
Bordo extensas primaveras

Calculo teus quintais incalculáveis
E não te vejo mais do que um cinema

Melhor do que sonhar com teu instante
É aguardar-te então na hora plena






Sensações de Zênite e Olimpo
Paz e sonho eis o que sinto

Sou a árvore máxima primeira
Encosto em mágicas ladeiras

Esbarro em deuses afastados
Flutuo no cimo dos telhados

Mas tenho-te em águas submersas
Mergulhado em flores placentárias

Azul oval intacto mistério
Redonda fêmea lâmpada galática

Soprou-me o céu talvez o teu espírito
Como se um relâmpago no branco dicionário






Enigma dentro de enigma, é chegado o advento
Em que momento fizemos teus amores?

Em que horário atamos teu traçado
Enquanto na noite um louco relinchava?

E outro agonizava nos bairros de Beirute
Ou um menino buscava a mãe entre estilhaços?

Não fizemos teu mundo como poderíamos
Ainda que tão belo seja o teu planeta

Avistar o impossível mar do cosmos
É descobrir-te nu em meu oculto

Surpreender o susto e o perfeito
Deslocar das folhas de um alto






Afagar o próprio corpo de lanterna
Como se percorresse a mão sobre a América

Como se tocasse em todas as tristezas
Alisando o cão de um continente

Seria o colo bolsa transparente
E te veria de todas as vertentes

Alisar o ventre na expansão do acaso
Universo em crescimento e fruto

Que além de mim e do invisível escuto
Acomodar-se peixe entre colchões da noite

Não sei de mim e não respondo
Como posso conceber-te e como






Poderia dar-te a aparição do dia
A fantasia plena e calma dos felizes

O que me dizes é – recôndita magia
Baterás as asas como ventania.

Inserida por thaisrlima