Agton Barbosa de Souza: Castelo de areia Meu castelo de areia...

Castelo de areia



Meu castelo de areia

Bate a brisa volta e meia

Ruindo os sonhos


Monto meu quebra cabeça

Desligo-me do que me rodeia

Deixando os pensamentos medonhos


Tento me adaptar

Acabo por me esgotar

Preso a teias passadas


Sempre a me enganar

Buscando me normalizar

Mais com asas curtas


Em livre queda

Sufoca-me a ânsia

Da invasão de pensamentos


Vejo que tudo me queima

Praticamente me condena

Malditos, malditos são os sentimentos.


Quero o óbolo pra pagar

Quero o óbolo pra descansar

E tranqüilizar dentre os moribundos


Em esquecimento fazer parar

Em lembrança se transformar

Somente coisas passadas


Vivencia longa, frustrada.

Sem entendimento, cinzenta.

Mais no fim apenas palavras exageradas

Inserida por guiton