Raphael Santos Araujo: Eu na 3ª pessoa. Ele uma vez jurou que...

Eu na 3ª pessoa.
Ele uma vez jurou que a amaria a vida toda, disse que seria pra sempre dela.
Ele sorria com cada brincadeira que ela fazia, a observava como se ela fosse a coisa mais bela e preciosa do mundo.
Ele acreditou que seria para sempre e a amou mais que a si mesmo e se manteve fiel até o ultimo instante.
Mas por capricho ele a deixou. O amor que ela sentia por ele era obsessivo que o sufocou, o prendeu.
E ele se libertou, só queria que ela entendesse que a amava e que em uma prisão tudo morreria...

Mas ela não entendeu e em troca da liberdade que ele a deu, ela o condenou a solidão.
Ela duvidou dele, ela o odiou, o magoou quando ao lado dele sentia vergonha de sua presença.
Ela o confundiu dizendo que ainda o amava. E disse que só queria mais tempo...

E enquanto o tempo passava ela o esquecia e ele a esperava;
Ela se divertia. Ele chorava;
Ela ria do sofrimento dele. E ele por não agüentar, de dor sangrava.
Ela o rejeitou varias e varias vezes. Ele sempre voltava.
Ela conheceu varias pessoas encontrou novos amores.
E ele ao descobrir isso perdeu as esperanças, não sabia o que fazer, pois não precisava mais esperar...

Ela era tudo que ele tinha e agora ele não tinha mais nada.
Ele chorou como criança;
Se desesperou;
Enlouqueceu...
A cada lembrança seu coração se partia, em cada canto da casa ela a via;
E a cada minuto sem ela ele não existia.

Ele sentia vontade de gritar, mas o grito não passava da garganta;
Queria correr, mas não tinha direção para seguir;
E a dor de dormir com ela nos pensamentos e acordar sem tê-la ao seu lado foi insuportável;
E tinha medo do que ele podia fazer com ele mesmo. E descobriu que o amor não é tão belo assim, que amar sozinho é conhecer o inferno de perto. É desejar morrer e não conseguir, é querer esquecer sem saber como, é desejar que o hoje passe depressa e que o amanhã venha sem ela.

Ele sofreu!
Destruiu cada sonho que tinha;
Ele a apagou de suas lembranças;
A retirou de sua vida;
Ele matou o amor que sentia e juntou cada fragmento de sua alma e cada pedaço do seu coração e os moldaram novamente.

E hoje ele tem um coração fechado que se esconde por trás de sua alma que ninguém se interessa em ver.
Ele olha seu coração as milhares de cicatrizes e não sente mais nada.
Hoje ele sabe que pode viver sem ela. Sabe que ele a amou muito, mas que esse amor que ele sentiu não foi suficiente para que hoje ao menos possa sentir saudades dela...


08/07/2009 (Raphael Santos Araujo)

Inserida por raphael.rsa