Reginaldo Poeta Gomes - fev 2009: O ESTRANHO INVERNO DE CLOTILDE Desde...

O ESTRANHO INVERNO DE CLOTILDE

Desde menina,
Clotilde temia temperaturas baixas.

Ao pisar no chão gelado,
Sua boca estranhamente
Era tomada por um gosto de limão.

Anos e anos Clotilde guardava esse segredo,
Entrava primavera e saía primavera
Sem sentir a delicadeza do chão.

Dia desses fiquei sabendo
Que diante de um frio 4° graus,
Clotilde tirou os sapatos, as meias
Desafiou a temperatura do solo,
Esquentou o coração.

- sentiu um leve gosto de limonada nos lábios -

Com um largo sorriso nos pés, saiu descalça
Passeando pela cidade,
Irradiando euforia e paixão.

Inserida por valquirialemos