Alyne Cristina: Indagando a si em cápsula. Arrumou suas...

Indagando a si em cápsula.

Arrumou suas coisas, calçou seu sapato. Fraca, sensível, vulnerável.
Acordou cedo. Virou-se de lado ao levantar, e, sentada na cama observou sua imagem no espelho.
Assim ficou por alguns minutos. E mais alguns. Até perceber-se atrasada.
Saiu apressada de casa a mil por hora, com melodias lhe tocando nos ouvidos,
criando uma espécie de desintonização sua com o mundo.
Ela precisava disso. Precisava de um novo mundo... Poderia sonhar?
Sua constante desarmonia com o mundo era desencadeada por motivos que,
coincidentementes (ou não) eram os mesmíssimos de seu repentino estranhamento matinal.
Se indagava como existia vida longe da razão. A vida não se regia em torno da maioria?
Porque então, ela não era assim como a maioria? Deveria?
Se adorava de verdade, porém feridas encapam-se ás vezes e ainda, revelam-se mais associadas que parasitas. Ainda se adora, porém pensa se vale a pena ter um coração indagável, induvidável, puro.
Corações desse tipo são piores que os de pedra... Quebram fácil. E demoram para se colar.
Quem dera eu ser fria e absolutamente de esquerda em relação aos sentimentos que tenho e aos que proporciono aos outros.
Pior que este aparenta perfeitamente ótimo. Pois é, de algum lugar ainda tira forças para calar a verdade. Sabe muito bem qual é essa fonte que me mantém ainda sonhando e ainda feliz, porém ainda desatenta e ainda confusa.
Desatenta não. Na verdade meus pensamentos transfiguraram-se para outra glossário constantemente.
E sinto como se conhecesse todos os respectivos tópicos, um a um, a tantos anos!
Ainda escondido atrás de um sorriso e de palavras alegres.
Eu me lembro tanto tempo atrás, eu me sentia exatamente igual ao que sinto hoje por você.
Isso não é algo compreensível pra minha mente. Eu não estava preparada para todas essas transformações..
Não consigo guardar rancor de você. Agora, estou angularmente complementada.
Olhos brilhando. Diferentemente. Constantemente.
Alterações. Nunca isso aconteceu antes... Sinto que meus sentimentos se perderam numa estrada no momento de um complexo trevo.
Eles estão distanciados, separados, vivendo sem assumirem sua real vontade... Isso tudo é o que não consigo explicar precisamente, não consigo especificar, fazer entender-se.
Queria poder explicar toda a complexidade de tudo que se passa na minha cabeça para ti.
Mas parece que... É. Então.. é isso. Tá.
Temos agora vidas separadas... Quanto tempo não te vejo? Ufa!
Não faço idéia do que fazer quando te encontrar da próxima vez.
Você ainda se lembra de mim?
Sim, você não consegue se ver sem mim...
Então o que estamos fazendo?
Você ainda se lembra de mim?
Mas eu tenho que confessar
Você é muito mais do que eu me lembro.
Não consigo evitar adorar sentir essas coisas.
Não consigo parar de gostar de ter esses pensamentos.
Desculpe se estou fazendo errado. Mal posso evitar
Não consigo deixar pra trás.
Você me confunde, me tira do sério, me traz um completo desenrolar de algo desconhecido.
Você estava tão apaixonado que agia insanamente... e essa foi a maneira que eu te amei.

Inserida por alynecampos