Dario M Farrapo - 23.04.09: Derrepente Derrepente me dou conta que...

Derrepente
Derrepente me dou conta que cinqüenta anos se passaram desde o primeiro choro e que desde então muitas outras lágrimas rolaram; por um pai guerreiro, por um irmão gozador, por primos, tios, amigos, vitórias, derrotas, amores perdidos e amores não vividos.
Derrepente me dou conta que o tempo como contamos, em minutos, horas, dias, semanas, meses, anos, séculos e milênios nada mais é que pura convenção. O tempo nada mais é que a própria vida, e esta como um grande rio, nasce em lugar conhecido, segue um curso sujeito a mudanças bruscas, passando por calmarias, fendas, e quedas, até ser consumido por grandes águas e destino desconhecido.
Derrepente me dou conta que represento as duas faces de uma mesma moeda, ora feliz, ora infeliz sem nunca saber, na verdade, até onde cada estado de espírito se justifica diante da “quantidade” de felicidade e infelicidade que batem minha porta, através de tantos meios de comunicação.
Derrepente me dou conta que erros e acertos foram cometidos ao longo desses cinqüenta anos, sem entretanto poder, com isenção, dizer que faria diferente, seja nos acertos ou nos erros, porque cada um gerou um resultado, e este mais outro, e mais outro.
Derrepente me dou conta que, por alguma razão, minha própria vida não pertence apenas a mim, e por ter esta consciência, preciso abrir mão de uma outra vida, uma outra possibilidade de existência, consciente finalmente que, ainda que pareça uma questão de escolha tudo volta ao início, aos erros e acertos.
Derrepente me dou conta que outros cinqüenta anos não virão, mas venham quantos anos vierem, espero que quando for por na balança, “Alguém” diga que o choro inicial valeu a pena, que eu fiz por merecer.

Inserida por DarioMFarrapo