Daniela Lopes: Sempre tem aquela amiga de infância que...

Sempre tem aquela amiga de infância que nada consegue apagar. Insubstituível, encantadora, essencial. Essas são umas das poucas palavras que eu encontro para descrevê-la. Mexendo em papéis antigos, encontrei cartas que trocávamos a fim de demonstrar o carinho existente na nossa amizade.
Nessas cartas descrevíamos acontecimentos do cotidiano como coisas sobrenaturais e conseguíamos torná-las, não apenas rotinas, mas acontecimentos históricos... Especiais. Agora distante, às vezes sem nenhum tipo de contato, que percebemos a importância e a saudade que ela proporciona. Mas a amizade nos une. A irmandade prevalece.
Irmandade. Talvez seja essa a palavra que melhor descreva uma velha e boa amizade. Mais forte que o tempo e capaz de atravessar a imensidão do espaço e transcender os limites da vida. Ainda lembro-me das palavras e das risadas, das lágrimas e da dor. Foram várias as cartas, todas encantadoras e significativas. Palavras que às vezes releio na expectativa de defenestrar a nostalgia que sinto.
A amizade sincera nunca é esquecida, apenas cristalizada para um momento qualquer. Seus gestos, suas manias, suas brincadeiras, seu nome... Ficará para sempre gravado em minha memória e em meu coração. Jéssica Asami.

Inserida por danielalopes